Brasil

Felipão admite que Seleção não evoluiu contra a Rússia

O técnico Luiz Felipe Scolari admitiu que a Seleção Brasileira não evoluiu no empate por 1 a 1  com a Rússia em relação ao jogo contra a Itália, na quinta-feira. Para Felipão, há pontos positivos a se destacar no jogo. A avaliação do técnico foi positiva.

“Acho que no final, o que me satisfez foi também a reação da equipe, a forma de jogar, não desesperou, faltavam poucos minutos, continuaram trabalhando a bola, invertendo jogadas que é uma coisa que o time tem que fazer com uma equipe fechada que nem a deles e tivemos as nossas chances de fazermos o nosso gol e tudo mais. Então, na minha opinião dentro do geral, foi um bom jogo que nós não evoluimos como evoluimos contra a Itália, mas tivemos uma participação muito boa”, acredita o técnico do Brasil.

LEIA MAIS:
Desorganizado e sem Neymar brilhar, Brasil só empata com a Rússia
Barton inicia vigilância de Neymar e chama brasileiro de Justin Bieber do futebol
Brasil, a seleção do contra-ataque e da inexperiência. Mas esquema de Felipão pode vingar

Felipão sobre Marcelo: “Me surpreendeu”

O técnico também elogiou a participação de Marcelo, lateral esquerdo do Real Madrid. O jogador perdeu espaço no seu clube e tem sido mais reserva do que titular nos jogos do time merengue e na seleção foi reserva na partida contra a Itália. Contra a Inglaterra, em fevereiro, o jogador estava machucado. A chance com Felipão veio contra a Rússia.

“Todo mundo diz que o Marcelo ataca muito bem, mas que tem dificuldade de marcação. Fiquei até surpreso. Notou-se um Marcelo equilibrado, pensando na equipe. Ele atacou quando tinha que atacar, marcou bem. Ganhamos mais um jogador para essa posição, que é o Marcelo”, disse o treinador. “É um jogador habilidoso, que marca bem. Foi muito bem. Excelente para aquilo que eu queria. Foi melhor do que eu esperava”, analisou o treinador da seleção brasileira.

Kaká: “Não foi meu melhor jogo pela seleção”

Kaká, que ganhou sua primeira chance como titular no jogo com a Rússia, não fez uma boa partida. Apagado, teve uma atuação apenas regular. Felipão não falou muito sobre o jogador. “A atuação do Kaká foi dentro do esperado”, disse o técnico.

A avaliação do próprio meia deixa claro que ele não foi bem. “Acho que foi mais um passo que eu dei, com certeza não foi o meu melhor jogo pela seleção, mas acho que já dá para acrescentar algumas coisas. Um jogo difícil, uma seleção que vem bem nas eliminatórias, tem muita coisa para corrigir, mas tem muita coisa que deu para aproveitar também”, disse o jogador do Real Madrid.

Para Kaká, seus erros foram no momento decisivo dos lances. “Algumas coisas que acabei errando nos momentos decisivos, nos últimos passes , nem sempre as coisas saem do jeito que gostaria. Busquei, tentei e não saiu da forma que eu queria, mas tentei e fiz o meu melhor”, afirmou o meia, que jogou com a camisa 10 contra a Rússia, mesmo número que usou na Copa do Mundo de 2010.

Aberto pela esquerda na linha do meio-campo no 4-4-2 de Felipão, Kaká disse que o esquema tático não foi um problema. “Me senti confortável, porque a gente vinha trocando, eu, o Oscar e o Neymar, a gente trocava. O time da Rússia também não deu muitos espaços e ficou complicado nesse sentido”, afirmou o jogador.

Neymar: “Marcação europeia é a mesma que enfrento no Brasil”

Neymar, outro que não foi bem no jogo com a Rússia, fez questão de dizer que a marcação que enfrentou do time europeu é parecida com a que encontra jogando no Brasil. Uma das principais observações que se faz sobre o jogador é que jogando em um time de ponta da Europa, ele estaria mais acostumado a esse tipo de marcação que deixa pouco espaço.

“A marcação é a mesma que eu encontro no Brasil. Marcação forte da mesma forma. Claro que no Brasil tenho mais entrosamento com os jogadores do que aqui. Então aqui a gente está buscando entrosamento, de achar uma forma de jogar com todo mundo perto e a gente está no caminho certo”, disse o camisa 11 da seleção.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo