Brasil

Faz 20 anos que Marcelinho Carioca marcou um gol como Pelé

A definição está no livro “Centenário de Gols”, lançado em 2010, relembrando gols históricos do Corinthians no aniversário de cem anos do clube. Em 11 de fevereiro de 1996, Marcelinho Carioca respondeu ao desafio de Carlos Drummond de Andrade e marcou um gol como Pelé. No palco de Pelé. Debaixo dos olhos de Pelé. E, depois, ainda ganhou um placa das mãos do Rei de Futebol por ter concretizado uma das maiores pinturas que o futebol brasileiro já viu.

LEIA MAIS: 10 golaços que marcam o maior talento de Marcelinho Carioca: o seu pé de anjo

A partida válida pelo Campeonato Paulista terminou 2 a 2, com um gol do time da casa no fim, de pênalti. Foi um jogo movimentado. Marcos Paulo abriu o placar, também com um golaço, um chute seco e cruzado da ponta da grande área. Edmundo empatou logo em seguida. Mas foi expulso, assim como o zagueiro Henrique, e o Corinthians foi para o segundo tempo da partida contra o Santos com dois jogadores a menos. Por sorte, o Peixe também viu dois dos seus atletas levarem cartões vermelhos.

Foi aos 21 minutos do segundo tempo que a mágica aconteceu. O próprio Marcelinho começou a jogada no meio-campo, passando a bola a Tupãzinho, que avançou até a grande área e devolveu para o camisa 7. Um único toque do seu Pé de Anjo foi suficiente para dominá-la e encobrir o zagueiro Ronaldo com um chapéu perfeito. Sem deixar a redonda cair no chão, Marcelinho emendou, de primeira, um elegante chute de chapa no canto do goleiro Edinho.

Pelé estava no estádio e reverenciou o gol. Enviou a Marcelinho uma placa que dizia: “Parabéns pelo gol de placa feito no jogo Santos 2 x 2 Corinthians, na Vila Belmiro, em cima do meu filho Edinho. Com admiração, Edson = Pelé”.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo