Brasil

Efeito Arrascaeta: estrangeiros são bola da vez no Flamengo, e clube busca mais reforços

Flamengo ainda tem duas vagas para estrangeiros no elenco e, depois da contratação de De La Cruz, pode aumentar lista encabeçada por Arrascaeta

A contratação de Nicolás De La Cruz é mais uma demonstração de que o Flamengo veio para ficar no mercado de transferências do futebol sul-americano. Se antes o Rubro-Negro preferia exclusivamente jogadores do Brasil e da Europa, os países da América do Sul tem sido alvos constantes, fato que explica o aumento de estrangeiros no elenco. Nesse momento, os uruguaios dominam.

Além da nova contratação, o Flamengo também conta com Guillermo Varela e Giorgian De Arrascaeta, ambos tendo terminado o 2023 como titulares na equipe de Tite. Rossi e Erick Pulgar completam a lista de estrangeiros no elenco rubro-negro, que ainda tem duas vagas a serem preenchidas para atletas que não são brasileiros. Por isso, o departamento de futebol segue de olho em oportunidades de mercado.

O efeito Arrascaeta

Desde que chegou ao Flamengo em 2019, Arrascaeta é fundamental para o protagonismo da equipe, seja no Brasil ou na América. Foram 132 participações em gol, sendo 63 tentos e 79 assistências, marcas impressionantes que só Gabigol e Pedro conseguiram superar no período. Acima de qualquer coisa, Giorgian mudou a concepção dos gringos para a torcida rubro-negra.

Anteriormente, com algumas raras exceções como Gamarra e Petkovic, os estrangeiros do Flamengo vinham como apostas. Alguns foram mal, como é o caso de Cristian Borja (lembra dele?), e outros viraram figuras folclóricas, como Maxi Biancucchi, primo de Lionel Messi, e Orlando Berrío. Poucos foram protagonistas, mas Arrascaeta mudou essa visão.

Arrascaeta já conquistou duas Libertadores pelo Flamengo (Foto: Alexandre Vidal/CRF)

Um dos principais símbolos dessa geração, o uruguaio chegou com pinta de tímido, mas se soltou rapidamente e foi fundamental para títulos e, especialmente, a adaptação de outros estrangeiros no elenco. Arturo Vidal, por exemplo, se beneficiou muito da estida no Flamengo com a presença de Arrascaeta, assim como Pulgar se benficia atualmente. É outro tratamento e carinho com os gringos, que estão fazendo a diferença.

Estrangeiros foram fundamentais para o Flamengo em 2023

Claro que Arrascaeta é o grande protagonista do Flamengo, mas o 2023 trouxe outros estrangeiros para os holofotes. Erick Pulgar foi fundamental na Era Sampaoli e, também, na passagem de Tite até o momento, gerando até uma dependência, de certa forma, no time titular. O Rubro-Negro busca a contratação de um volante de contenção para ajudar o chileno no setor.

Rossi foi outro que cresceu. Desde que recebeu a oportunidade como titular no gol do Flamengo, jamais saiu do time e se tornou homem de confiança de Tite na reta final. Não encantou, mas também não comprometeu e tem margem grande de melhora para 2024. Até mesmo Varela, escanteado por Sampaoli, ganhou oportunidades com Adenor e terminou o ano no 11 inicial. Nesse momento, é o cotado para começar 2024 no time principal.

Pulgar é mais um estrangeiro e se destacar pelo Flamengo desde 2019 (Foto: Marcelo Cortes/CRF)

Oportunidades de mercado à vista?

Curiosamente, outros dois nomes de uruguaios estiveram vinculados ao Flamengo nesta janela de transferências: Bruno Méndez, do Corinthians, e Matías Viña, ex-Palmeiras que pertence à Roma. Ambos fazem parte das listas de prioridades do Rubro-Negro para 2024, que envolvem um zagueiro/lateral direito e lateral esquerdo (Viña). A Trivela apurou, no entanto, que o clube não abriu negociações com os nomes citados. 

Bruno Méndez está em fim de contrato e não vai renovar com o Corinthians. O defensor, como mencionado, realizar funções de zagueiro e ala direito. Emprestado ao Sassuolo, Viña vive momento ruim no futebol italiano e pode ser uma oportunidade para clubes brasileiro que desejem repatriá-lo. A dupla, inclusive, é companheira de Arrascaeta, De La Cruz e Varela na Seleção Uruguaia.

Veja todos os uruguaios que já vestiram a camisa do Flamengo

  • Rodríguez (zagueiro) – 1938 (11 jogos)
  • Bucheli (atacante) – 1945 (6 jogos e 1 gol)
  • Mendoza (defensor) – 1966 e 1967 (2 jogos)
  • Manicera (zagueiro) – 1968 e 1969 (70 jogos)
  • Sérgio Ramirez D’Ávilla (lateral-direito) – 1977 a 1979 (94 jogos e 2 gols)
  • Dario Pereyra (meio-campo) – 1988 (12 jogos)
  • Peralta (atacante) – 2006 (20 jogos e 4 gols)
  • Arrascaeta (meio-campo) – 2019 até os dias atuais (245 jogos e 63 gols)
  • Varela (lateral-direito) – 2019 até os dias atuais (27 jogos)
Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

Jornalista formado pela PUC-Rio. Da final da Libertadores a Série A2 do Carioca. Copa do Mundo e Olimpíada na bagagem. Passou por Coluna do Fla e Lance antes de chegar à Trivela, onde apura e escreve sobre o Flamengo desde 2023.
Botão Voltar ao topo