Brasil

Como o novo dirigente do Vasco foi importante na reestruturação do Bahia

Novo diretor executivo de futebol do Vasco, Marcelo Sant'ana foi presidente do Bahia entre 2015 e 2017

O Vasco, enfim, tem um novo diretor-executivo de futebol. Duas semanas após a saída de Pedro Martins, o Cruz-Maltino anunciou a chegada de Marcelo Sant'ana. O novo dirigente, que estava no América-RN, se destacou no futebol brasileiro como presidente do Bahia. Agora no Vasco, ele pode repetir uma parte do sucesso que teve no Tricolor.

Sant'ana foi um dos responsáveis pela reconstrução do Bahia na última década, após anos de administrações caóticas e controversas, que geraram até intervenções judiciais no clube.

No processo de redemocratização do Bahia, Marlo Sant'ana foi o segundo presidente do clube, após um mandato curto de Fernando Schimidt. Para relembrar e entender como foi a gestão de Sant'ana no clube, a Trivela conversou com Ulisses Gama, jornalista e editor do Bahia Notícias.

– Ele se preparou para isso (ser presidente do Bahia), fez curso de gestão esportiva. Sempre tentou se preparar para estar nesse nível de comandar um grande clube. No momento que ele assumiu era de transição. O clube vivia um dos piores momentos da sua história. Ele teve essa missão de pavimentar o caminho para as coisas irem evoluindo dentro do clube – disse Ulisses Gama à Trivela.

Marcelo Sant'ana assumiu o Bahia no fim de 2014, quando o clube havia acabado de ser rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro. No seu primeiro ano, o clube foi campeão baiano, mas não conseguiu o acesso, que só veio no ano seguinte.

Em 2017, o Bahia conquistou a Copa do Nordeste e ficou na 12ª colocação no Brasileiro, com 50 pontos — o recorde do clube até hoje na Série A.

Como Marcelo Sant'ana ajudou a reestruturar o Bahia

Mas algumas das principais conquistas de Marcelo Sant'ana foram fora de campo, na parte estrutural e financeira do Bahia.

O então presidente foi responsável, junto com a sua diretoria, pelo clube se estabilizar financeiramente e conseguir as famosas certidões negativas de débitos (CNDs). Com isso, o clube passou a ficar apto e receber verbas de projetos de Lei de incentivo e negociar patrocínios estatais — como conseguiu, na época, da Caixa.

Além disso, Sant'ana também negociou a retomada do controle do Fazendão pelo Bahia, além da compra da Cidade Tricolor — hoje, CT Evaristo de Macedo. O Fazendão, antigo CT do clube, estava, na época, no nome da construtora OAS e de uma instituição financeira.

Apesar de agora trabalhar como executivo de futebol, a experiência de Marcelo Sant'ana pode ser importante para o Vasco, que tenta modernizar o CT Moacyr Barbosa, além de procurar novos terrenos para um possível novo centro de treinamentos para o clube.

– Ele (Marcelo) teve que liderar essa reestruturação porque tinham muitas dívidas, muitos problemas internos que o clube tinha. Um dos principais problemas que o Marcelo equacionou foi a Cidade Tricolor, hoje o CT Evaristo de Macedo. Tinha um problema imenso judicial, por conta das dívidas do clube. Envolvia até o Fazendão, antigo CT do clube. O Marcelo, com a sua equipe, conseguiu equacionar esse problema e tornar o CT viável para voltar a ser do Bahia – disse Ulisses Gama.

Marcelo Sant'ana deixou o Bahia no fim de 2017 e ajudou a eleger Guilherme Bellintani, que era do mesmo grupo político. O novo presidente, entre erros e acertos, deu prosseguimento a reestruturação do clube, que acabou se transformando em SAF e vendido para o Grupo City.

— Ele deu pavimento a esse projeto que deu seguimento com o Bellintani. O Bellintani já teve oportunidade de fazer esse trabalho um pouco mais focado em evoluir a questão financeira, fluxo de caixa. No geral, dá para considerar que o Marcelo foi um presidente positivo para a história do Bahia. Conseguiu fazer um trabalho importante — finalizou Ulisses Gama.

Marcelo Sant'ana já tem primeira missão no Vasco

Apesar de só ter sido anunciado na última terça-feira, Marcelo Sant'ana já estava no Rio de Janeiro desde domingo.

Agora no comando do futebol do Vasco, a sua primeira missão será a busca por um novo treinador ou avaliar a possibilidade da efetivação de Rafael Paiva, que comanda o time desde a saída de Álvaro Pacheco. Até o momento, Paiva teve uma vitória, um empate e uma derrota nesta passagem no comando da equipe.

Nesta quarta-feira (3), o Vasco recebe o Fortaleza, às 20h (horário de Brasília), em São Januário, pelo Campeonato Brasileiro.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel RodriguesSetorista

Jornalista formado pela UFF e com passagens, como repórter e editor, pelo LANCE!, Esporte News Mundo e Jogada10. Já trabalhou na cobertura de duas finais de Libertadores in loco. Na Trivela, é setorista do Vasco e do Botafogo.
Botão Voltar ao topo