Brasil

O Cruzeiro abarrotou o Mineirão, mas o Atlético-MG despejou um balde de água fria

Cruzeiro e Atlético fizeram partida pegada no Mineirão, mas Saravia, Hulk, de pênalti, e Scarpa, acabaram com sonho do título mineiro

O sonho do título acabou. Mesmo após sair ganhando em jogo onde já tinha a vantagem do empate, o Cruzeiro não sustentou o placar e levou a virada, em partida disputada na tarde deste domingo (7), no Mineirão. Os gols do 3 a 1, que teve mais de 60 mil presentes, foram marcados por Mateus Vital, para a Raposa, e Saravia, Hulk, de pênalti, e Gustavo Scarpa, já nos minutos finais, para o alvinegro.

A partida ainda foi marcada pela despedida do atacante boliviano, Marcelo Moreno, que pendurou as chuteiras, mas não pode marcar seu capítulo final com um título do clube de seu coração.

Zé Ivaldo começa como titular, assim como Neris

Principal dúvida para a partida, o zagueiro Zé Ivaldo, que deixou o jogo de quinta (4), contra a Universidad Católica (EQU), pela Copa Sul-Americana, com problemas musculares, não se tornou desfalque e foi para o jogo. Por outro lado, o contestado Neris ganhou a vaga de João Marcelo na zaga celeste. No meio de campo, Lucas Silva e Mateus Vital ganharam a titularidade.

O treinador argentino Nicolás Larcamón escalou o Cruzeiro da seguinte forma: Rafael Cabral; William, Zé Ivaldo, Neris e Marlon; Lucas Romero, Lucas Silva e Mateus Vital; Matheus Pereira, Arthur Gomes e Juan Dinenno.

Do lado atleticano, o também argentino Gabriel Milito escalou três volantes mais Zaracho, deixando o zagueiro Mauricio Lemos e o ponta Alisson no banco de reservas e promovendo as entradas de Otávio e Alan Franco. O Atlético começou a partida assim: Everson; Renzo Saravia, Jemerson, Bruno Fuchs e Guilherme Arana; Rodrigo Battaglia, Otávio, Matías Zaracho e Alan Franco; Paulinho e Hulk.

Eficiência na marcação dita ritmo do primeiro tempo

Os primeiros minutos de jogo foram tensos e abertos, de certa forma. As primeiras chances aconteceram em lances de bola parada antes dos cinco minutos e, apesar de não levarem real perigo, tiraram o ar dos torcedores mais nervosos. Mesmo empurrado por um Mineirão inflamado, o Cruzeiro tinha dificuldade de vencer a marcação do Atlético-MG na saída de bola e errava alguns passes.

O alvinegro, por sua vez, aproveitou um erro da defesa celeste para assustar, aos 7, quando Paulinho saiu na cara do gol, mas chutou por cima. O camisa 10 atleticano voltou a levar perigo aos 21. Já a Raposa não conseguia passar do meio de campo, sendo obrigado a abusar dos chutões.

Conforme o tempo foi passando, o Atlético deixou de sustentar a pressão forte na saída de bola e o Cruzeiro cresceu no jogo depois dos 30 minutos, com boas e rápidas trocas de passe. Assim, conseguiu assustar com finalização de Zé Ivaldo, cobrança de falta de Matheus Pereira e em descida perigosa de Marlon, que não achou ninguém no cruzamento.

Matheus Pereira e Mateus Vital explodem coração do torcedor do Cruzeiro

Na volta para o segundo tempo, o Cruzeiro parecia um pouco desligado e logo nos primeiros minutos cedeu duas boas chances para o Atlético. Primeiro, Neris salvou em arrancada de Paulinho e na sequência, Jemerson finalizou escanteio com perigo.

Mas o cruzeirense que viu esse início com apreensão pode respirar aliviado logo depois, quando, aos seis minutos, o Cruzeiro abriu o placar. Após lançamento da direita,  Arthur Gomes escorou de cabeça e Matheus Pereira fez um cruzamento perfeito, na cabeça de Mateus Vital, que não perdoou.

O gol fez o Mineirão balançar com a explosão da torcida celeste, que celebrou ao ver um passo a mais rumo ao título. Pouco depois do gol, Vital foi substituído por João Marcelo.

Saravia joga balde de água fria no Cruzeiro

Após o gol, o Mineirão virou uma grande festa, mas 13 minutos depois, o lateral-direito Renzo Saravia, num momento em que o Atlético parecia nervoso, recolocou sua equipe no jogo. Otávio fez lindo cruzamento da esquerda e o argentino se infiltrou e cabeceou encobrindo Rafael Cabral, empatando o jogo e esfriando a festa do Cruzeiro.

Hulk, de pênalti, coloca Atlético-MG na frente

Logo após o gol do Cruzeiro, Gabriel Milito fez três mudanças, colocando Eduardo Vargas, Igor Gomes e Gustavo Scarpa. As mudanças surtiram efeito rapidamente, acontecendo já depois do empate, e o Atlético melhorou no jogo. Aos 27, Scarpa deu belo passe para Gomes, que cruzou e a bola acertou na mão do volante Lucas Silva. O árbitro da partida foi ao VAR e assinalou pênalti. Na cobrança, Hulk não perdoou e colocou o alvinegro na frente do placar, demolindo a vantagem construída pela Raposa.

O Cruzeiro ainda viria a balançar a rede aos 38, com Dinenno, mas o gol foi bem anulado, por impedimento.

Gustavo Scarpa define título

Já nos acréscimos da partida, com o Cruzeiro totalmente atirado ao ataque, um clássico gol de contra-ataque de final. Paulinho partiu em velocidade e achou Gustavo Scarpa, livre, que driblou Rafael Cabral e balançou a rede com muita tranquilidade, fazendo seu primeiro gol com a camisa do Atlético, definindo o título atleticano.

Despedida de Marcelo Moreno

Antes da bola rolar, momentos de muita emoção com a despedida do atacante boliviano Marcelo Moreno. O “Flecheiro” pendurou suas chuteiras e ganhou a oportunidade de dizer adeus ao torcedor do Cruzeiro, clube onde se eternizou pelos feitos dentro e fora de campo.

O jogador desfilou ao redor do gramado em carro aberto e portando um arco e flecha, para representar sua comemoração e apelido. Moreno foi muito ovacionado e teve seu nome gritado de forma ensurdecedora pelos cruzeirenses. O agora ex-atacante recebeu uma placa do clube, uma camisa com o símbolo do infinito, para representar sua eternidade na história celeste, e pendurou suas chuteiras numa das traves do Mineirão.

Por fim, o jogador fez um discurso de agradecimento emocionado aos cruzeirenses, antes de deixar o gramado ovacionado por um Mineirão lotado.

 

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa é mineiro, formado em Jornalismo na UFOP, em 2019. Passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas, antes de se tornar setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo