BrasilCampeonato Brasileiro

Corinthians encontrou a ofensividade tarde demais e o castigo é o grupo da morte

Poucos chutes a gol, acomodação depois de abrir 1 a 0 e dificuldade para vencer os times da parte debaixo da tabela foram os principais problemas do Corinthians no Campeonato Brasileiro. São também as principais razões que impediram o clube de renovar o contrato de Mano Menezes, apesar de uma campanha na qual o time sempre esteve brigando pelas primeiras posições. Mas o jogo contra o Criciúma, neste sábado, pela última rodada do torneio, foi diferente. Em casa, parecia um time ofensivo por natureza, criou mais de dez chances de gol e venceu o lanterna por 2 a 1. Tarde demais. A vitória do Internacional, com gol aos 50 minutos do segundo tempo, relegou os paulistas à primeira fase da Libertadores e, em caso de vitória, ao grupo da morte, com São Paulo, San Lorenzo e Danúbio.

LEIA MAIS: Corinthians não tomava cinco gols duas vezes no ano desde 1961

Em dez minutos, o Corinthians havia criado três boas chances de gol. Pouco depois, Ralf cabeceou uma bola no travessão e Guerrero errou o rebote, livre. O gol para abrir o placar parecia uma questão de tempo e foi mesmo, principalmente quando a trave foi acertada pela segunda vez. Aos 26, Elias chutou da entrada da área e fez 1 a 0. O Criciúma acordou e foi para cima, como costuma acontecer quando o Timão fica à frente, mas não com a mesma intensidade de outras partidas. Conseguiu, ainda assim, o gol de empate, mal anulado pelo árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva.

[

Não dava para dizer que o Corinthians ganhava apenas pela influência do árbitro na partida: era incisivo e continuava buscando o gol, duas atitudes que não foram muito vistas em partidas anteriores contra clubes em situação complicada no Campeonato Brasileiro. No segundo tempo, quase ao mesmo tempo, o Figueirense abriu o placar contra o Internacional em Santa Catarina, e o Criciúma empatou em São Paulo. Escanteio cobrado na área, Cássio falhou e Roger completou.

Os resultados ainda davam o terceiro lugar para o Corinthians e uma vaga direta na fase de grupos da Libertadores. Como se quisessem uma última boa atuação para se despedirem de Mano Menezes, os jogadores não se contentaram com isso e foram buscar a vitória. No lance mais impressionante, Danilo chutou para defesa do goleiro Edson, que havia entrado no lugar do titular Bruno no primeiro tempo. Malcom conseguiu a proeza de acertar a trave:

Eis que surge o lance mais simbólico da diferença do Corinthians nessa partida para o restante do campeonato. Danilo recebeu na ponta da grande área e deu de calcanhar para Fábio Santos, que tabelou com Guerrero, entrou na área e tocou no canto do goleiro do Criciúma. Fez o 2 a 0 com muito estilo. Um golaço de uma equipe que qualquer desavisado poderia pensar que joga desse jeito há muitos anos. E se jogasse, poderia ter inclusive brigado pelo título.

Jogou poucas vezes nas 37 rodadas anteriores, geralmente nos confrontos diretos e nos grandes jogos, o que também é muito importante, mas sem regularidade, os pontos ficam escassos. Por isso, dependia do resultado do Internacional, e os últimos dez minutos em Santa Catarina foram cheios de eventos surpreendentes. Para começar, Rafael Moura marcou um gol e empatou a partida. No minuto seguinte, Alan Ruschel recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. Já nos acréscimos, Wellington Paulista entrou em conflito com Nirley e os dois levaram vermelho.

Com nove para cada lado, e muito mais espaço nos gramados, Paulão teve liberdade para fazer um lançamento, e Wellington Silva tocou para as redes Foi o último ato dos dois times no Brasileirão, mas os catarinenses ficaram possessos, embora estivessem sem pretensões no Campeonato Brasileiro e foram para cima do árbitro.

O Internacional conquistou a vaga direta e jogou o Corinthians para a quarta posição. Justa pelo que o time apresentou ao longo do campeonato, sempre muito bem contra os grandes e perdendo das equipes da zona de rebaixamento e brigando para não entrar dentro dela. Fica uma melancolia no ar para a despedida de Mano, mas não se preocupe: caso o Timão passe da pré-Libertadores, há dois duelos espetaculares contra o São Paulo marcados para a fase de grupos e ninguém mais vai se lembrar dela.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo