Brasil

Depois de uma temporada difícil, o Corinthians parece caminhar para um 2024 tão complicado quanto (ou até pior)

Apesar da expectativa, torcedor corintiano precisa apertar o cinto e se preparar para uma temporada tão conturbada e difícil quanto a de 2023

O ano de 2023 foi um tremendo caos para o Corinthians em todos os setores possíveis. Dentro do campo, com péssimos resultados e os erros da diretoria, e fora dele, com o conturbado ambiente politico vivido pelo clube. Ainda assim, aos trancos e barrancos, o Timão conseguiu sobreviver. Não só ele, mas também o torcedor que sofreu bem mais do que já é de costume.

Diante as mudanças prometidas por Mano Menezes, com a reformulação atrasada e necessária do elenco, e o fim da “dinastia” do grupo político Renovação e Transparência, que deixou o clube depois de 16 anos, a expectativa do torcedor para a próxima temporada eram boa. E só parecia melhorar quando o presidente eleito, Augusto Melo, e seus companheiros de gestão, passaram a dar inúmeras entrevistas prometendo um futuro lindo e brilhante repleto reforços e grandes conquistas:

— O que eu posso te falar e afirmar: o Corinthians será um time competitivo, não tenho a menor dúvida. A metodologia mudou. Acabou a farra de Palmeiras e Flamengo, nós vamos brigar com eles de igual para igual. Pode ter certeza — disse Rubão, diretor de futebol do clube, em entrevista à Rádio Bandeirantes.

No entanto, a fantasia durou pouco. Nos últimos dias, as notícias sobre o Corinthians foram bem ruins. O clube lida com dívidas em aberto, não apenas com jogadores que já deixaram o clube, mas também com atletas do atual elenco.

Matías Rojas puxou a fila e cogita até mesmo ir à Fifa caso o clube não pague os valores referentes aos direitos de imagem.

Não demorou muito para que o clube fosse cobrado por negociações que fez, como, por exemplo, com o Argentinos Juniors pela contratação de Fausto Vera. Segundo o presidente do clube argentino, o Corinthians ainda não pagou todos os valores acordados no negócio e começou a ganhar uma fama negativa na Argentina.

– É um desastre. Não pagaram nada. Todos sabem que não pagam – disse o dirigente em entrevista à ESPN.

Todos esses problemas colocaram em cheque a temporada “maravilhosa” prometida ao torcedor corintiano que partes tem mantido os pés no chão para 2024.

Corinthians passou pelo mesmo tipo de reformulação em 2014, mas situação na época era bem diferente 

As mudanças no elenco do Corinthians começaram assim que o Campeonato Brasileiro acabou, com a saída de jogadores veteranos, e outros que já não eram tão utilizados dentro do clube. A expectativa agora é para a chegada das novas peças do elenco, que farão parte da terceira reformulação do time em pouco mais de dez anos.

Isso porque desde 2008, quando disputou a Série B do Brasileirão, o Corinthians já passou por duas reformulações. A primeira montou a equipe que trouxe o Timão de volta à elite do futebol brasileira. A outra aconteceu em 2014. Por coincidência ou não, as três acontece, sob o comando e planejamento de Mano Menezes. Porém, há algumas diferenças entre a última temporada que clube sofreu mudanças, para agora, e não são apenas os dez anos que se passaram.

Em 2014, o momento do Corinthians era outro. O time vinha de uma ressaca de títulos conquistados em 2012 (Libertadores e Mundial) e 2013 (Paulista e Recopa). O caixa estava cheio e as contas minimamente caóticas, já que time ainda não estava afundado nas dívidas da Neo Química Arena, que ainda estava em construção. Ou seja, a pressão era tão grande quanto agora dez anos depois.

Apesar da experiência de Mano Menezes, 2024 não será tão “tranquilo”. O time vive um jejum de títulos de quatro anos, viu seus dois principais rivais se estruturarem e chegarem ao topo do pódio ano após ano. E o mais importante os cofres do clube que estão defasados diante das dívidas, impossibilitando boas contratações para que as trocas no elenco não sejam apenas em números, mas também em qualidade. O fato é que torcedor corintiano precisa apertar o cinto e se preparar para uma temporada tão conturbada e difícil quanto a de 2023.

Foto de Jade Gimenez

Jade Gimenez

Jornalista, fascinada por esporte desde a infância, paixão que se tornou profissão. Além do futebol me mantenho por dentro de outras modalidades desde Fórmula 1 até NFL. Trabalhei como repórter em TV e rádio cobrindo partidas de futebol, futsal e basquete.
Botão Voltar ao topo