Brasil

Cássio explica novo número no Cruzeiro e revela como foi convencido a sair do Corinthians

Novo reforço do Cruzeiro, Cássio ficou marcado pela camisa 12 no Corinthians, mas utilizará a clássica 1 no clube celeste

Grande contratação do Cruzeiro para a janela de transferências de inverno até o momento, o goleiro Cássio, de 37 anos, foi apresentado nesta quinta-feira (20). O jogador concedeu entrevista coletiva na Toca da Raposa 2.

O histórico goleiro, ídolo do Corinthians, bateu longo papo com os jornalistas, passando por diversos assuntos relacionados a sua chegada a um novo clube, após passar 12 anos defendendo a mesma camisa.

Por que Cássio vai jogar com a camisa 1?

Cássio revelou, inclusive, os motivos da opção por atuar com a camisa 1 do clube celeste. O goleiro ficou marcado por utilizar a 12 em seu clube anterior.

Sempre gostei muito da camisa 12, sempre foi um número que eu gostei, mas entendi que era um novo ciclo. Queria começar um novo ciclo com um novo número — explicou o goleiro.

Atualmente, é o lateral-direito William o dono do número no Cruzeiro. Ele também tem carinho especial pela numeração.

Apesar de seu histórico com a camisa 12, Cássio afirmou que nem chegou a falar com William sobre uma possível troca.

Eu nem tinha conversado com o William, não iria pedir para ele trocar, não tenho essa vaidade, não fico olhando — explicou o goleiro.

A camisa 1 do Cruzeiro é histórica e foi utilizada por grandes ídolos, como Raul Plassmann, Dida, Gomes e Fábio. Ele citou a importância de resgatar o número.

— Ultimamente, os goleiros têm usado pouco o número 1. Tem muitos números, e o número 1, que sempre foi emblemático, parece que foi deixado um pouco de lado e como estava vago aqui, conversei com o pessoal. É uma responsabilidade, porque grandes goleiros usaram esse número — explicou.

Cássio ainda tratou de elogiar seus antecessores históricos.

— Não tem nem o que falar. Só goleiros que marcaram história. Tive o privilégio de jogar com o Gomes na Holanda, quando cheguei lá. Foi um cara que me ajudou muito. Foi um vencedor, a tríplice coroa.

— O Fábio não tem nem o que falar, tudo que ele passou aqui, títulos, conquistas, um cara que eu respeito muito e tá jogando em alto nível até hoje. Raul eu não vi jogar, mas tem uma história da camisa amarela que eu gosto muito também de usar.

— O Ídolo se constrói não só dentro de campo. O que eu puder fazer, vou fazer pra ser o melhor e fazer o melhor pelo Cruzeiro — avaliou o novo goleiro do Cruzeiro.

Cássio se encantou com “sinceridade” de Pedrinho BH

Cássio contou também os motivos que fizeram o “sim” ao Cruzeiro ter sido uma resposta fácil. Dentre os motivos apontados, chamou a atenção o valor que o goleiro deu à sinceridade de Pedro Lourenço, o Pedrinho BH, dono da SAF celeste.

— Prefiro viver ano a ano. Mas, perante tudo que aconteceu aqui no Cruzeiro, só vou sair se os caras não me quiserem. Porque eu fui tão bem recebido e as pessoas foram tão honestas, o Pedrinho falou que conversou com o Fábio antes, são coisas que são raras no futebol. Foi tão espontâneo, é difícil você ver isso, sabe? Eu vim pra cá, o Cruzeiro abriu as portas pra mim. Irei fazer meu melhor, independente se tiver dias ruins — afirmou, ao ser perguntado se tinha planos para sua aposentadoria.

Segundo Cássio, a seriedade e profissionalismo das pessoas de dentro do Cruzeiro tiveram papel importante em sua transferência à Raposa. Ele elogiou Pedrinho BH, seu filho Pedro Jr, Alexandre Mattos, Paulo Pelaipe e Edu Dracena.

— Pedrinho é uma pessoa muito bacana. Um ser humano extraordinário, do bem. É contagiante. São pessoas do bem, corretas, que tentam fazer o melhor e se dedicam à instituição — exaltou o goleiro.

— Eu sei da força do Cruzeiro. Vai vir muito forte nos próximos anos. Honestamente, todo dia que chego aqui, chego com muita alegria. Estrutura muito boa. É bom salientar, não estou fazendo uma comparação de onde eu vim e se do que eu tô vivendo aqui no Cruzeiro. Cabe a mim me dedicar ao máximo, fazer meu melhor pra ajudar meu Cruzeiro a estar no lugar onde a maioria das vezes eu vi: brigando por título, com grandes ídolos — acrescentou.

Foto de Maic Costa

Maic CostaSetorista

Maic Costa é mineiro, formado em Jornalismo na UFOP, em 2019. Passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas, antes de se tornar setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo