O Internacional que partiu para as cabeças do Brasileirão durante o primeiro turno contava com o poder decisivo de Thiago Galhardo. Não dava para pensar no sucesso dos colorados sem mencionar os gols do atacante. Nos últimos tempos, o artilheiro perdeu sua preponderância. Deixou de produzir tantos gols e se lesionou. Porém, o que ressurge como candidato ao título nacional possui um novo goleador. Não concentra tantos holofotes em si, mas igualmente define resultados e repete boas atuações. Nesta quarta, ainda assim, Yuri Alberto extrapolou. Fez o grande jogo de sua nascente carreira, promovendo a destruição do São Paulo com três gols e uma assistência no Morumbi. E, aos 19 anos, promete muito mais.

Yuri Alberto chegou ao Beira-Rio em agosto, numa aposta alta do Inter, que aproveitou bem a oportunidade de mercado. O Santos não tinha chegado a um acordo para renovar o contrato do jovem e, desta forma, os colorados iniciaram as negociações. O Inter ofereceu R$10 milhões em bônus e direitos de imagem ao atleta, num dinheiro financiado também pelo empresário Delcir Sonda. O Peixe ameaçou cobrir os valores e, quando a transferência a Porto Alegre parecia naufragar, veio o acerto. Os gaúchos dariam uma compensação financeira aos paulistas em troca do caminho aberto ao negócio, incluindo 10% dos direitos e a renegociação da dívida pela ida de Eduardo Sasha à Vila Belmiro.

Yuri Alberto nunca teve grande sequência entre os profissionais do Santos, mas era bem cotado nas . Surgiu cedo e não correspondeu de imediato nos minutos que ganhava em campo, lembrado por algumas chances desperdiçadas, embora tenha anotado três gols pelo time de cima. Em compensação, seu histórico nas seleções menores o valorizava. Jogou o Mundial Sub-17 de 2017 e, de maneira surpreendente pela diferença de idade, foi reserva no Pré-Olímpico de 2020. Até por isso, não chegou a atuar muito pelo Peixe no início do ano, antes que o fosse paralisado pela pandemia. E num momento crucial para a renovação de seu contrato, os santistas preferiram abrir mão do jogador diante da alta pedida, pela situação financeira delicada que se vive na Vila.

Yuri Alberto não ganhou tanto espaço com Eduardo Coudet. O atacante sofreu uma lesão muscular em agosto e passou seis semanas longe da equipe. Voltou no do primeiro turno do Brasileiro, recebendo oportunidades como substituto, e aproveitou com seu primeiro gol nos malucos 5 a 3 sobre o Sport. Seus primeiros jogos como titular sob as ordens do treinador argentino foram os últimos de Chacho no clube, com direito a mais um gol do garoto na despedida do comandante diante do Coritiba. De qualquer forma, a afirmação do atacante aconteceu com Abel Braga.

Uma partida importante para a ascensão de Yuri Alberto no Inter aconteceu diante do América Mineiro, pela Copa do Brasil. Apesar da eliminação nos pênaltis, foi seu gol achado no fim que garantiu a sobrevida para o Internacional no Independência. Ele participaria dos confrontos com o Boca Juniors pela Libertadores, inclusive convertendo um na Bombonera, e ganhou sequência no Brasileiro. De início, acompanhava Galhardo no ataque, mas podia ser uma alternativa no banco, e virou solução diante da ausência do artilheiro nas últimas semanas. Os gols do guri começaram a brotar – marcando quatro vezes em cinco rodadas, contra , Botafogo, Palmeiras e Ceará, justo no início da recuperação do Inter. Até que viesse a partida no Morumbi.

Desde o primeiro tempo, Yuri Alberto parecia disposto a arrebentar contra o São Paulo. Mesmo sem balançar as redes, fez ótimos 45 minutos iniciais. Movimentou-se, deu opção aos companheiros, acelerou os ataques. Dedicou-se bastante sem a bola, ao participar da pressão incessante dos colorados na marcação. E esbanjou inteligência no lance do segundo gol. O atacante recebeu de Patrick e arrancou em diagonal, partindo para cima da marcação. O detalhe técnico fica ao passe: Yuri fingiu que tocaria de direita, mas alternou à esquerda e a mudança de passada pareceu quebrar o tempo do bloqueio são-paulino. Então, veio a assistência na medida a Caio Vidal. Se o gol do atacante não saiu, foi por detalhe, criando boas ocasiões e parando em Tiago Volpi.

Na volta do intervalo, com o São Paulo buscando mais o ataque, Yuri Alberto foi o carrasco à maneira como os tricolores estavam expostos. Aproveitou com muita qualidade cada oportunidade que tinha. No seu primeiro gol, o terceiro do Inter, ele também ameaça com a direita antes de definir com a esquerda – o que atrapalha Volpi. Depois, muita frieza e uma dose de marra, ao driblar o goleiro adversário e virar o rosto antes de bater às redes. Por fim, em novo contra-ataque, mandou por baixo do arqueiro e correu para o abraço. A primeira tripleta de sua carreira profissional fica na memória dos torcedores colorados.

Os lances dos gols dependeram da explosão de Yuri Alberto às costas da defesa e essa potência física auxilia o estilo de jogo imposto pelo Internacional desde a chegada de Abel Braga, com mais velocidade no ataque. Porém, a contribuição do novato vai além. Sua capacidade nas finalizações ajuda e existe esse refinamento técnico na hora de concluir, trabalhando bem com os dois pés. É oportunista, possui um bom controle de bola e age com calma. Com boa estatura, o prodígio também anotou gols de cabeça neste início no Beira-Rio. Além disso, cai pelos dois lados se necessário. E não deixa de cumprir seu papel sem a bola.

A dedicação de Yuri Alberto vem de muito tempo e seu apreço por treinar começou ainda na infância. Quando o menino natural de São José dos Campos dava seus primeiros passos no futebol, era conhecido entre os vizinhos da Vila Cristina por se aprimorar na quadra do bairro. Yuri queimou etapas ainda nas escolinhas, como meio-campista, e era federado num projeto da prefeitura, antes de seguir para a Vila Belmiro com 12 anos. Conforme relato ao Globo Esporte, seu pai sempre fazia apostas para motivar o filho, até o ponto em que as metas começaram a gerar dívidas. Hoje, o orgulho pelo sucesso do rebento se supera.

A fase positiva favorece a empolgação ao redor de Yuri Alberto no Beira-Rio. É seu melhor momento como profissional e os torcedores colorados descobrem um novo xodó entre seus muitos garotos, mesmo que este não tenha sido formado nas próprias categorias de base do clube. O desenvolvimento do atacante ainda pede prudência, mas a sequência recente apresenta atributos para se animar – especialmente numa posição que exige tempo para aprimorar certos cacoetes e exigências. Yuri mostra desde já uma série de virtudes e comprova essa qualidade com gols. Nesta quarta, garantiu uma apresentação fantástica que marca a história deste Brasileirão, e talvez marque a história do próprio Inter.