Brasileirão Série A

Torcida mostrou que ainda manda no Cruzeiro e vai escolher o novo Raposão

Cruzeiro abre votação para a escolha do novo layout do Raposão, mascote do clube que gerou crise e críticas ao gestor Ronaldo em março

O Cruzeiro anunciou, na tarde desta sexta-feira (21), a abertura da votação para a escolha do novo layout do Raposão, mascote do clube, que passou por uma reformulação. Terão direito a voto os sócios-torcedores, que poderão escolher sua opção preferida por meio do site do Sócio 5 Estrelas.

São três opções de layout, todas elas pré-aprovadas pelo Comitê de Torcedores do Cruzeiro, pessoas que representam diferentes grupos dentro da torcida celeste. Duas destas, o “torcedor em geral” e o “Sócio 5 Estrelas” foram escolhidas por meio de uma espécie de quiz que testou os conhecimentos de cruzeirenses sobre o clube. Os outros foram definidos pela direção cruzeirense, que analisou as candidaturas.

De acordo com o Cruzeiro, a decisão de seguir com a mudança foi unânime dentro do Comitê de Torcedores, chegando ao resultado final das três versões apresentadas. O Raposinho, mascote que acompanha o Raposão, terá seu layout baseado naquele escolhido para sua dupla inseparável.

+ LEIA MAIS: O que o Cruzeiro precisa fazer para voltar às competições internacionais

Raposão irritou a torcida e causou crise

A possibilidade de escolha do Raposão representa mais que a pura participação dos torcedores na vida do clube, mas também uma grande vitória das arquibancadas. No último dia 23 de março, o Cruzeiro anunciou uma reformulação total no visual do mascote, que completava 20 anos.

A decisão foi tomada internamente e já chegou pronta ao torcedor. A mudança foi radical. O Raposão deixou de ter “cara de mau” e foi “embranquecido”. Sua tonalidade marrom escura se tornou bege, quase branca. Os olhos foram azulados e o focinho encurtado.

O cruzeirense se sentiu traído. Não pela mudança em si, que apesar de ter sido bastante contestada esteticamente se propôs ao que o Cruzeiro quis fazer naquele momento. Mas por não ter participado de forma alguma dos processos de escolha de um dos símbolos mais representativos e queridos do clube.

É preciso levar em conta também que num momento de afirmação da SAF do clube, quando o Cruzeiro passou a ter um acionista majoritário, dono do clube, e a arbitrariedade assustou. Pareceu o ponto de partida — que para muitos ocorreu na dispensa do ídolo Fábio, no início de 2022 — para a consolidação da mensagem de que “agora o time pertencia a alguém e não ao seu povo”. Que caminhos essa nova realidade iria tomar? Qual seria a nova mudança?

+ LEIA MAIS: Bruno Rodrigues tem oferta saudita e saída pode complicar Pepa

Bem, a diretoria do Cruzeiro SAF acabou entendendo de uma forma dolorosa que certas brigas não poderiam ser vencidas.

A mudança gerou uma onda de protestos que alcançou proporções gigantescas. A torcida que suportou três anos seguidos na Segunda Divisão nacional não aceitou um de seus símbolos ser “revirado”.

Protestos, no mínimo inusitados, passaram a surgir, chegando ao ponto de uma das maiores torcidas organizadas do Cruzeiro ir até a Toca da Raposa II com bandeiras e foguetes gritar não apenas contra tal a mudança, mas em oposição à possibilidade de o torcedor se tornar segundo plano nas decisões do clube.

— Ronaldo, gordão, devolve o Raposão — gritaram os torcedores.

Comitê de Torcedores do Cruzeiro

Apesar desta parecer mais uma das páginas “que só o futebol brasileiro proporciona”, o que se viu foi um gatilho para reforçar a democracia dentro da SAF do Cruzeiro. Após a repercussão negativa, os gestores celestes voltaram atrás e congelaram as mudanças.

Ainda entendendo que esse era um movimento necessário, o Cruzeiro SAF propôs, então, a criação de um Comitê de Torcedores do clube, que saiu do papel neste mês de julho. Esse grupo passa a ter voz ativa nas decisões que envolvessem a torcida.

De acordo com a diretoria celeste, o comitê demonstra o compromisso do Cruzeiro em fortalecer os laços com sua torcida e envolvê-la ativamente nas decisões que moldarão o futuro do clube.

O comitê é formado por 12 pessoas, divididos da seguinte maneira:

  • 1 Sócio 5 estrelas;
  • 1 ex-atleta notadamente ídolo do Cruzeiro;
  • 1 Sócio Diamante;
  • 1 representante das Embaixadas;
  • 1 membro da Associação de Grandes Cruzeirenses;
  • 1 membro de torcidas organizadas;
  • 1 representante de grupos de minoria;
  • 1 torcedor em geral.

Juntam-se a esses torcedores um membro do Cruzeiro Associação, o secretário geral e os diretores de Marketing e de Operações do Cruzeiro SAF.

A simplicidade da decisão esconde a complexidade de se fazer democracia num clube brasileiro. O próprio Cruzeiro teve grande parte sua existência galgada em decisões dos controversos conselhos e o resultado de más administrações ficou perto de levar o clube à extinção.

O processo de escolha do Raposão é um passo importante na democratização do Cruzeiro e uma lição necessária aos diretores.

É bonito dizer que tem 10 milhões de torcedores. Mas essas pessoas precisam ser ouvidas e representadas. E hoje quem gere o clube celeste sabe que os cruzeirenses são mais que uma mera estatística. E que não abrem mão de ser parte do Cruzeiro.

Por que mudar o Raposão?

Um questionamento que surgiu entre os torcedores é sobre as razões de uma mudança do Raposão ser enxergada com tanta urgência pelos diretores do Cruzeiro. Muitos cruzeirenses entendem que o mascote era querido pelas crianças, carismático e consolidado.

A administração do Cruzeiro, por sua vez, entende que a mudança é necessária para a continuidade do projeto da “Turma do Raposão”, que visa ampliar o número de personagens e fazer dos mascotes uma fonte de receitas.

+ LEIA MAIS: Matheus Pereira é a solução que estava faltando ao Cruzeiro

Além disso, querem ampliar a quantidade de visitas sociais e materiais relacionados ao mascote e fazer deles uma nova fonte de receitas. Outro ponto apontado foi a aproximação do visual do mascote ao animal raposa.

Por fim, a “ergonomia” da fantasia foi citada. Segundo o Cruzeiro, o visual atual atrapalha a visão dos profissionais que se vestem de Raposão. Além disso, o focinho do mascote atual encobre o símbolo do Cruzeiro na camisa.

Exigências do Comitê de Torcedores

O Comitê de Torcedores, por sua vez, definiu alguns pontos de exigência no visual do novo Raposão, sendo eles:

  • Escurecer o pelo do Raposão;
  • Tirar a sobrancelha;
  • Deixar o mascote com cara de mau;
  • Deixar com aparência de forte;
  • Tirar as garras e mudar os olhos azuis.

A mascote Salomé, inspirada na torcedora símbolo do Cruzeiro que morreu aos 86 anos, em 2019, teve que ser descontinuada por questões de uso de imagem.

Como votar no seu Raposão favorito?

Para escolher seu Raposão favorito, basta que o torcedor faça parte do programa Sócio 5 Estrelas, entre no site socio5estrelas.com.br, efetue o login com os dados do sócio e vote em uma das opções. O Cruzeiro anunciou que a votação se estenderá até a próxima semana, sem uma data limite especificada até o momento.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo