Campeonato Brasileiro

Robson foi o carrasco do Palmeiras numa noite desastrosa em que o Coritiba mandou no Allianz Parque

Palmeiras e Coritiba fariam uma partida importante no Campeonato Brasileiro, mesmo que por motivos tortos. A situação dos paranaenses na tabela é claudicante, com a clara ameaça ao técnico Jorginho. Porém, mesmo em melhor condição, os paulistas igualmente sofrem pela falta de futebol sob as ordens de Vanderlei Luxemburgo. E a derrota no Allianz Parque é daquelas que minam o trabalho de qualquer treinador. Entregue, o Palmeiras foi totalmente envolvido pelo Coxa. Os visitantes exploraram as fraquezas dos adversários e contaram com a noite espetacular de Robson, destaque de seu clube em 2020. O atacante foi um carrasco e tanto aos palestrinos: acumulou dois gols e uma assistência nos 3 a 1 do Coritiba, com direito ainda a um golaço.

O Coritiba não deu nem tempo para o Palmeiras sentir o jogo. Aos sete minutos, o placar estava aberto no Allianz Parque. Por mais que os paulistas tentassem pressionar os paranaenses no campo de ataque, o Coxa conseguiu um bom avanço e encontrou a brecha para marcar. Yan Sasse recebeu na direita e ajeitou para Giovanni Augusto. Depois do corte seco na marcação, o cruzamento veio na medida para Robson concluir no segundo pau. Os palmeirenses não mais se recuperariam do baque, numa atuação desorganizada e apática.

O Palmeiras tentaria responder numa boa troca de passes aos 15 minutos, mas Zé Rafael bateu em cima de Wilson. Quando Giovanni Augusto respondeu do outro lado, deu muito mais trabalho a Weverton. A estratégia palestrina de marcar em cima não funcionava, com a pressão descoordenada e muito espaço às costas dos meio-campistas. Além disso, os erros se repetiam. E a vida se tornou mais difícil aos 24, com o segundo gol do Coxa. Depois de uma jogada bem encadeada, Robson pegou a bola livre na entrada da área e acertou um chutaço, que morreu no ângulo. Pintura para ampliar o drama de Luxa.

Luxemburgo mal esperou a marca de meia hora para gastar suas primeiras substituições, com as entradas de Ramires e Willian. O Palmeiras precisou de pouco tempo para descontar, aos 38, em uma jogada que evidencia o grande acerto do treinador nesta passagem pelo clube – o espaço aos garotos da base. Patrick de Paula deu uma cavadinha soberba, ao encobrir a marcação e conectar com Gabriel Verón dentro da área. Na primeira chance clara na noite, o prata da casa dominou e guardou. Mas que o time tentasse sair mais ao ataque, seguia dando espaços. Tanto é que, nos acréscimos, Weverton faria uma defesa providencial para evitar a tripleta de Robson.

Na volta ao segundo tempo, o Palmeiras realizou mais duas mudanças para promover as entradas de Rony e Danilo, enquanto Gabriel pintou no meio do Coritiba. O que não dava para entender era a saída de Patrick de Paula, um dos melhores palmeirenses. O time da casa adotou uma formação ultraofensiva que não conseguia trabalhar a bola com qualidade para vencer a marcação do Coxa. Gabriel Verón chegou a cabecear com perigo, mas o Coritiba seguia com clarões para atacar a defesa exposta e a recomposição lenta.

Weverton precisou defender algumas bolas mais tranquilas, até o gol da vitória aos 19. Os papéis no primeiro tento do Coritiba se inverteram. Desta vez quem cruzou foi Robson e Giovanni Augusto invadiu a área para completar. O Palmeiras sentia muita falta de Gustavo Gómez no miolo da zaga e as dificuldades eram expressas. Robson ainda ficaria próximo do quarto na sequência. Quando os palmeirenses criaram esperanças de voltar ao jogo, aos 27, a arbitragem anularia o gol de Gabriel Verón por impedimento.

O Palmeiras seguiria abatido à reta final da partida no Allianz Parque. Não tinha muita energia para a reação e as alterações também acabaram cedo, sem que os problemas do time fossem resolvidos. Gustavo Scarpa tentaria um chute para fora e Wilson também salvou uma cabeçada de Rony, mas era pouquíssimo aos anfitriões. A derrota pesa não só pelo placar dentro de casa ou pela situação do adversário – que, cabe reforçar, fez muito bem seu jogo. Problema maior à torcida foi o futebol que faltou aos paulistas.

O trabalho de Luxemburgo no Palmeiras tem duas virtudes principais: a afirmação dos garotos da base e a solidez defensiva. Com os desfalques por conta da Data Fifa, os alviverdes ruíram atrás e tiveram uma atuação vexatória principalmente na meia hora inicial. Enquanto isso, os pratas da casa foram dos poucos que não saíram queimados pela péssima noite no Allianz Parque. O Palmeiras acumula três derrotas consecutivas no Brasileirão. É o sétimo colocado, com 22 pontos. Já o Coritiba encerra o jejum e sai da zona de rebaixamento ao menos provisoriamente, com 16 pontos.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo