O alterna momentos no Campeonato Brasileiro, sem conseguir transmitir grande regularidade. Contudo, depois da derrota para o Athletico Paranaense no final de semana, os rubro-negros tiveram um motivo para sorrir nessas variações de humor. Os cariocas fizeram uma boa exibição, concentrada em 20 minutos avassaladores no segundo tempo, e derrotaram o por 4 a 2 dentro da Arena. Foi uma equipe dinâmica e com grande participação de seus destaques, para lembrar seus melhores momentos – em especial. O atacante já tinha aparecido bastante no primeiro tempo, apesar da imprecisão, mas brilhou ainda mais intensamente na etapa final – com duas assistências e um golaço. Agora todos os times têm o mesmo número de jogos no Brasileirão e o Fla se confirma na vice-liderança sem precisar mais se apegar às porcentagens.

O Grêmio começou a partida com mais controle da bola. Dominava a posse, mas eram primeiros minutos estudados. Quando o Flamengo tentou se soltar um pouco mais, o Tricolor usou sua principal arma, apostando na velocidade de seus pontas contra as costas da zaga. Assim, Hugo Souza realizou suas primeiras defesas, diante de Alisson e Ferreirinha. A resposta dos rubro-negros quase sempre dependeria de Gabigol, ótimo na movimentação durante o primeiro tempo. O atacante conseguia levar a melhor no um contra um, mas não finalizava da maneira mais efetiva. Exigiria a primeira defesa de Vanderlei aos 11.

Seria uma partida em que os dois times alternaram momentos, embora o Flamengo conseguisse criar mais chances. Voltaria a assustar num escanteio aos 17, com Matheus Henrique salvando a tentativa de Gustavo Henrique em cima da linha. Mesmo com as peças ofensivas sem se encaixar totalmente, os rubro-negros tinham seus momentos e empilhariam oportunidades por volta dos 30 minutos. Gabigol incomodaria mais uma vez, numa tentativa na linha de fundo parada por Vanderlei. O goleiro também apareceu para negar o gol a Gérson logo depois. E, neste bombardeio, Gabigol desperdiçaria mais uma ao receber a enfiada de Everton Ribeiro e bater sem qualquer precisão diante da meta tricolor.

O Grêmio, apesar dos seguidos sustos, tinha seus caminhos. Conseguia forçar alguns erros ao adiantar um pouco mais sua marcação e sabia que a velocidade pelos lados poderia causar estragos. O gol veio aos 40, a partir da boa movimentação de Alisson pelo lado direito. Num corte por dentro, fez o cruzamento frontal e Diego Souza foi excelente na leitura, passando sozinho para definir de peixinho no meio da área. Um cochilo defensivo botou a perder o primeiro tempo dos rubro-negros.

Na volta do intervalo, percebendo que o jogo não era bom apesar das chances, Rogério Ceni reposicionou seu ataque. As trocas entre Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol fizeram a linha ofensiva se encaixar melhor, desnorteando os tricolores. Os rubro-negros começaram a jogar bola, enfim. E a vitória começou a se abrir aos 12, com o gol de empate. Arrascaeta lançou Gabigol na esquerda e o atacante deu um excelente cruzamento para Everton Ribeiro completar no segundo pau. Três minutos depois, o Flamengo faria mais. Numa ótima construção coletiva, Gabigol definiu com qualidade para o golaço. Recebeu o passe de Gérson e chutou com enorme precisão, num lindo tapa longe do alcance de Vanderlei. O lance que precisava para ganhar ainda mais moral.

Renato realizou três trocas para tentar acertar o Grêmio, desencontrado diante dos golpes furiosos. Nada que resolvesse a situação, com minutos sedentos do Flamengo, esbanjando dinamismo e entrosamento entre suas peças. Arrascaeta e Everton Ribeiro poderiam ter marcado o terceiro antes, até ele realmente sair em outra jogadaça coletiva aos 21. O Fla armou o ataque com muita inteligência, entre sua movimentação e a troca de passes. Bruno Henrique esperou a passagem de Gabigol, que novamente foi garçom ao entregar para Arrascaeta, com a meta aberta. Aí, foi só empurrar pelas redes.

O Flamengo diminuiu o ritmo depois disso e as chances se tornaram esparsas, com mais trocas de passes. Rogério Ceni também começou a fazer suas alterações. O Grêmio só reviveu num lance isolado, aos 39. Diego Souza cobrou falta direta, Hugo Souza armou mal a barreira e o chute com efeito ainda desviou para morrer direto nas redes. Porém, não passaria do esboço de uma reação. Os reservas do Flamengo dariam sua contribuição ao quarto nos acréscimos. Vitinho recebeu com liberdade no contragolpe e abriu com Arrascaeta, que definiu na saída de Vanderlei. O placar final era mais condizente à superioridade dos rubro-negros durante o segundo tempo.

O Flamengo assume a segunda colocação, com 58 pontos. Passa à frente do São Paulo pelo total de vitórias e fica a quatro pontos do líder Internacional. A alternância dos rubro-negros deixa dúvidas, sobretudo por algumas escolhas de Ceni, mas está claro como o Fla é candidato quando exibe seu melhor. Este foi um grande exemplo. Já o Grêmio parece ainda mais longe de uma reviravolta. Depois de quatro partidas em sequência sem vencer contra concorrentes diretos, o Tricolor estaciona nos 51 pontos, em sexto. Renato vai mesmo jogar o ano na decisão da Copa do Brasil.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore