Brasileirão Série A

Abel tem razão em reclamar: nenhum jogador no mundo (!) jogou mais minutos que Gustavo Gómez

Com jogo desta quarta-feira, Gustavo Gómez encerrará 2023 com 71 jogos disputados

A edição número 442 do CIES Football Observatory, publicação divulgada pelo portal Football Observatory, demonstrou um dado alarmante sobre o calendário inchado de jogos no Brasil. Em todo o mundo do futebol, nenhum jogador atuou mais partidas em 2023 do que Gustavo Gómez, zagueiro do Palmeiras, que ao longo desta temporada, disputou 70 partidas, sendo 62 pelo Palmeiras, num total de 6.213 minutos jogados. O 2º jogador que mais esteve em campo foi o também zagueiro Titi, do Fortaleza, com 5.626 minutos em campo em 64 partidas.

Para se ter uma ideia da quantidade exacerbada que os times brasileiros têm para disputar em seu calendário complicado, dos dez jogadores que mais atuaram em 2023, dez atuam no Brasileirão. O único fora do Brasil é Fidel Escobar, defensor do Deportivo Saprissa da Costa Rica, que esteve em campo em 5.469 minutos, tendo disputado 62 jogos nesta temporada. O número apresentado por Gustavo Gómez é preocupante, tendo em vista o desgaste físico e mental do atleta, que passou por um ano muito conturbado devido à pressão por resultados no Palmeiras, mesmo com o título paulista e com a eminente conquista do Campeonato Brasileiro.

O zagueiro palmeirense é peça fundamental do sistema defensivo do técnico Abel Ferreira e um dos símbolos deste vitorioso ciclo Alviverde, que desde 2015, conquistou 12 títulos, incluindo duas Libertadores, dois Campeonatos Paulistas e duas Copas do Brasil. O número de taças conquistadas pode chegar à 13 com a confirmação do título brasileiro nesta quarta-feira.

Quantidade de minutos de Gustavo Gómez levanta discussão sobre calendário

A intensidade no futebol, tanto física, como mental, são pontos importantes a serem discutidos a partir da divulgação dos dados do Football Observatory. Com o jogo desta quarta-feira, Gustavo Gómez entrará em campo por 71 vezes em 2023, quase seis vezes por mês, o que dá, em média, quase dois jogos por semana. Equipes da elite do futebol brasileiro tem este “problema” para gerenciar ao longo da temporada. A quantidade demasiadamente alta de jogos no Brasil, que não se limita somente aos campeonatos nacionais e continentais, mas passa também pelos estaduais, causam um desgaste além da conta nos atletas, que ficam mais propensos a lesões.

Não foi o caso do “xerife” da defesa do Palmeiras, já que o paraguaio de 30 nos só não esteve em campo pelo Alviverde ou pela seleção do Paraguai, quando esteve suspenso. Entretanto, caso isso não seja gerido de uma forma correta, pode ocasionar problemas de lesão, prejudicando o andamento da temporada nos clubes do futebol brasileiro. Como no caso do São Paulo, que sofreu durante o Paulistão e boa parte da temporada, com seu departamento médico repleto de jogadores.

A sorte do Tricolor Paulista foi ter utilizado alguns nomes da base e mesclado com a experiência de outros jogadores, como Lucas Moura e James Rodríguez, além do comando do técnico Dorival Júnior, que conseguiu a primeira conquista do clube na Copa do Brasil. Outro time que passou por problemas de lesão ao longo de 2023, mas conseguiu se manter na parte de cima no Brasileirão, além de ter feito boa campanha na Sul-Americana e Campeonato Paulista foi o Red Bull Bragantino, que assim, como o São Paulo, recorreu às suas categorias de base no momento mais crítico.

Goleiros brasileiros são os que mais entram em campo no mundo

O desgaste gerado pelo calendário repleto de jogos no Brasil é um “problema” que também atinge os goleiros, já que dos dez arqueiros que mais entraram em campo em 2023, nove jogam no Brasil. Curiosamente, Weverton do Palmeiras foi o que mais entrou em campo este ano, com 68 partidas jogadas e 6.150 minutos em campo, em 2º lugar aparece Cássio do Corinthians, com 66 jogos e 6.027 minutos. Fechando o top três, Rafael do São Paulo jogou por 5.940 minutos e disputou 65 partidas.

O restante do top dez fica por conta de Tadeu do Goiás, o goleiro Fábio do Fluminense, que mesmo com 43 anos, disputou 64 jogos e esteve em campo por 5.755 minutos, Éverson do Atlético Mineiro, Marcos Felipe do Bahia, Bento do Atlético Paranaense e Lucas Perri do Botafogo.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Existe um ditado que diz que o bom filho a casa retorna não é? Pois bem, sou Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia, de volta ao site após quatro anos, e agora redator do Trivela, um dos maiores portais de futebol do Brasil. Sou jornalista, especializado em Marketing digital e narrador do Portal Futebol Interior e também da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo