Brasileirão Série A

Derrota para o Fortaleza mostra que o Corinthians precisa ajustar muita coisa para os próximos jogos

Em prévia de semifinal da Sul-Americana, Fortaleza levou a melhor contra o Corinthians com gol nos acréscimos no Casteão

O Corinthians desta temporada é mais do que nunca um teste para saber se o coração do torcedor ainda segue batendo no ritmo adequado. Nesta quinta-feira (14), o teste começou assim que surgiu a notícia de que os principais jogadores não tinham sequer viajado para a capital do Ceará e terminou com a lembrança de que o ciclo de jogos ruins do time parece não ter um fim em uma derrota por 2 a 1 para o Fortaleza, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro

Apesar das folgas, foram quase 12 dias para Luxemburgo treinar a equipe, arrumar o que estava errado. Porém, os 90 minutos de jogo no Castelão provaram que nada é tão ruim que não possa piorar, já que o futebol apresentado pelo Corinthians foi o mesmo, apático e desligado: sem nada de diferente, nenhuma mudança tática, nenhuma jogada criativa. Com o Fortaleza a frente já no primeiro tempo, o gol de empate do garoto Pedro aos 32 minutos, poderia ser a virada de chave, mas não foi assim. O Corinthians contou com a sorte e o gol do Marinho aos 34 minutos foi anulado pelo VAR, pela bola ter batido no braço do jogador. 

Outro momento de sorte corinthiana foi o pênalti cometido pelo Matheus Bidu, que deixou a perna direita para interromper a jogada do adversário. Desta vez, a sorte foi na hora da cobrança: Marinho acabou chutando muito mal e deixou a bola ir para fora, e ainda saiu do campo do campo lesionado.

Mas mesmo assim, o segundo gol foi inevitável. Já no fim da partida, Matheus Bidu falhou na marcação e praticamente tabelou com Yago Pikachu, que não perdoou e finalizou bem, sem mais chances para o Corinthians pelo menos tentar buscar o empate. 

Não contou com o ‘super herói' 

Os últimos jogos do Corinthians não foram bons, independentemente de serem em casa ou fora. Contra Coritiba e Goiás em Itaquera, os titulares inicialmente foram poupados, mas depois de revés no primeiro tempo, Renato Augusto e cia entraram para salvar a lavoura de Luxemburgo, e conseguiram virar ou empatar os jogos. Mas hoje não existia essa opção, já que o treinador optou a deixá-los em São Paulo para evitar o desgaste físico e focar nas próximas partidas em casa. 

A novidade no Corinthians foi Pedro 

Pedro foi a principal novidade na escalação do Corinthians, e não apenas na escalação, já que foi dos pés dele que saiu o único gol do Timão na partida, o primeiro dele no elenco principal. Ele estava sem entrar em campo pelo Timão desde o dia 11 de julho, quando o time venceu o Universitario, do Peru, por 1 a 0, pela Copa Sul-Americana. Dos 18 jogos que o Timão fez nos últimos dois meses, ele atuou em apenas três.

O que chamou a atenção foi que a ausência no jogos com o time principal começou depois que a diretoria negociou em definitivo a ida dele para o Zenit, da Rússia. Oficialmente, o clube disse que Pedro não estava atuando por opção técnica do treinador, mas hoje as coisas mudaram e ele entrou como titular, sendo substituído apenas aos 27 minutos do segundo tempo para a entrada de Gustavo Silva, o Mosquito. 

Apesar das especulações de que os empresários e a família do jogador estariam pressionando e questionando os motivos para que o garoto não estivesse sequer sendo relacionado, o motivo para a entrada hoje pode ter relação direta com a ausência de Matías Rojas, que durante a Data Fifa esteve com a seleção do Paraguai para os jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo. Apesar dele não ter entrado em campo com o Paraguai, a logística para tê-lo em Fortaleza não valia a pena.

O que fica de lição depois da derrota no Castelão

Com o péssimo resultado em Fortaleza, o Corinthians continua na mesma situação desconfortável, com 26 pontos e um jogo a menos. São apenas cinco pontos à frente do Santos, primeiro na zona de rebaixamento. 

A sequência de jogos do Corinthians é tão desanimadora quanto o futebol apresentado pelo time. Começando por segunda-feira contra o Grêmio, atual terceiro colocado na classificação geral. Depois vem o líder Botafogo e novamente o Fortaleza, desta vez pela Sul-Americana. 

A grande questão é o que ficou de lição para Luxemburgo e para os jogadores depois da péssima partida desta noite. Basicamente os erros cometidos pela marcação, principalmente do Bidu, além disso a falha de deixar em São Paulo os jogadores que poderiam resolver a partida, ou pelo menos amenizar a triste apresentação. 

Agora depois da partida o torcedor corinthiano é: como arrumar esses erros? É possível?

É realmente difícil acreditar que as coisas possam melhor para o Corinthians, já que mesmo com tempo para treinar as coisas voltaram iguais. Resta mesmo esperar tudo seja analisado pela comissão, e que ela tenha condições de reparar tudo que foi feito de errado, principalmente pensando que o jogo de hoje foi um esquenta para as duas decisões que podem salvar o ano do Corinthians, de Luxemburgo e do presidente Duílio Monteiro Alves. 

Foto de Jade Gimenez

Jade Gimenez

Jornalista, fascinada por esporte desde a infância, paixão que se tornou profissão. Além do futebol me mantenho por dentro de outras modalidades desde Fórmula 1 até NFL. Trabalhei como repórter em TV e rádio cobrindo partidas de futebol, futsal e basquete.
Botão Voltar ao topo