Brasileirão Série A

Priorizando torneios sul-americanos, Fortaleza e Botafogo empatam com justiça

Tanto Fortaleza como Botafogo jogaram com times reservas, e o empate por 1 a 1 na Arena Castelão pelo Brasileirão foi justo

Poderia ser melhor, mas não dá para dizer que foi ruim. Fortaleza e Botafogo se enfrentaram neste domingo (12) com seus times reservas, priorizando Copa Sul-Americana e Libertadores, respectivamente. Em um jogo bastante movimentado tanto em um tempo como no outro pelo Brasileirão, os times empataram por 1 a 1, mesmo com emoção até o fim. Tomás Pochettino fez o gol tricolor, e Danilo Barbosa deu números finais à partida, que aconteceu na Arena Castelão.

Levando em conta que ambos os times entraram com elencos mistos, com foco maior nas competições sul-americanas, o resultado não foi tão ruim para nenhuma das equipes. Provisoriamente, o Botafogo ocupa a terceira posição do Campeonato Brasileiro, com 10 pontos, mas pode ser ultrapassado. Já o Fortaleza, jogando em casa, ficou com uma impressão maior de ‘quero mais. O time cearense ocupa por enquanto a 11ª posição, com 7 pontos.

Primeira etapa de gols

Mesmo com um time bastante modificado, pensando na partida contra o Universitario (PER) pela Libertadores na próxima quinta-feira (16), o Botafogo teve mais posse de bola desde o início da partida. Entretanto, o Fortaleza foi muito mais eficiente no início. Aos 10 minutos, Breno Lopes recebeu passe, se livrou da marcação de Bastos e tocou para Pochettino. O argentino dominou indo em direção ao gol, e acertou um chute forte, que passou por cima do goleiro John.

E aos 21 minutos, quase o Fortaleza aumentou o placar. Em falha de marcação de Cuiabano, Marinho avançou pelo lado direito e tocou para trás. Pochettino apareceu livre e bateu de primeira. Porém, desta vez Alexander Barbosa estava posicionado embaixo do gol e tirou a bola em cima da linha.

A partir do quase segundo gol dos cearenses, o Botafogo passou finalmente a se encontrar e a levar perigo para a meta adversária. A primeira boa chance veio em uma cobrança de falta de Óscar Romero, que passou muito perto da meta.

Depois, Jeffinho quase fez um golaço. Mas seu chute bem colocado foi defendido por João Ricardo, que desviou a bola para escanteio. Na cobrança, finalmente o Botafogo empatou a partida. Romero cruzou a bola na cabeça de Danilo Barbosa, que não deu chance ao goleiro do Fortaleza com uma cabeçada certeira, aos 41 minutos.

Titulares põem fogo no jogo

Jogando no Castelão, o Fortaleza voltou para a etapa final buscando mais o gol do Botafogo. Porém, mais acertada, a defesa alvinegra não dava muitos espaços. O jogo ficou bastante travado, e só começou a melhor após mudanças feitas tanto por Juan Pablo Vojvoda, e também por Artur Jorge, colocando os titulares em campo

O Botafogo chegou em duas oportunidades. Savarino teve uma boa chance de fazer um domínio e sair de frente para o gol, mas João Ricardo fechou bem o espaço. Posteriormente, foi a vez de Júnior Santos chegar. O atacante aproveitou um cruzamento à meia-altura e bateu forte, mas seu chute foi para fora.

A partir dos últimos 20 minutos de partida e com alguns de seus titulares, o Fortaleza passou a ter mais posse de bola e tentou encontrar espaços na defesa botafoguense. Mas com um contra-ataque muito forte, foi o Botafogo que teve duas grandes chances de virar. A primeira foi em um chute de fora da área de Savarino, defendido por João Ricardo, e um minuto depois, uma cabeçada de Júnior Santos, que novamente foi para fora, mas passando perto da trave tricolor.

Nos acréscimos, João Ricardo apareceu de novo fazendo outra excelente defesa em finalização de Júnior Santos. Mas o Fortaleza também melhorou. Após cobrança de escanteio, o time da casa até chegou a fazer um gol com Lucero, mas a arbitragem o anulou acertadamente pela posição irregular do argentino. No fim, apesar das oportunidades criadas, o jogo acabou em um empate que ficou bastante justo para o bom futebol apresentado por ambos os times.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson Pimentel

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo