Brasileirão Série A

Em jogaço no Maracanã, Fluminense precisa do criticado Lima para empatar com Bragantino

Fluminense e Bragantino empatam por 2 a 2 em jogaço na abertura do Brasileirão

Nas redes sociais dos torcedores do Fluminense a frase mais vista neste sábado (13) foi o famoso “nunca critiquei”. O motivo? Os dois gols de Lima, extremamente contestado pela tocida nesta temporada, para garantir o 2 a 2 do clube carioca com o Red Bull Bragantino pela 1ª rodada do Campeonato Brasileiro. O meia abriu o placar no fim da etapa inicial após aparecer sozinho na área em escanteio cobrado por Ganso e, após virada do adversário no segundo tempo, arriscou de longe para superar Lucão com desvio de Luan Cândido.

Foi um verdadeiro jogaço no Maracanã, lotado de aspectos táticos e brilhos individuais. O Flu foi superior na etapa inicial, criando chances sem parar e vendo Cleiton brilhando (sim, foi um goleiro no primeiro tempo e outro no segundo). O gol de Lima de cabeça deu justiça ao que acontecia até ali.

Eis que na etapa final, Pedro Caixinha efetuou quatro mudanças, incluindo no gol por lesão, e tudo mudou. O Massa Bruta precisou de sete minutos para virar o placar. Primeiro, em falta cobrada por Vitinho, o “baixinho” Eduardo Sasha subiu mais que todo mundo e marcou. Depois, o garçom do dia deu outra assistência: levantou na área pela esquerda e Thiago Borbas subiu entre Martinelli e Marcelo para marcar. Esse foi o 18º gol sofrido pelo Tricolor na temporada, 10 em bolas aéreas. Tanto Vitinho quanto Borbas foram trocas do técnico português.

Fernando Diniz não deixou barato e, após a virada, tirou Felipe Melo e Samuel Xavier para colocar John Kennedy e Douglas Costa. André foi para zaga com Martinelli, Marquinhos virou lateral e, novamente, o cenário inverteu, resultando no gol de Lima. Dos dois lados exemplos de como os técnicos podem ser decisivos com alterações no meio de um jogo. O Flu dominou até o fim dos seis de acréscimos, só não conseguiu tirar o empate do placar.

Vale citar que foi dia de festa para o goleiro Fábio ao se tornar o goleiro mais velho a jogar no Brasileirão com 43 anos, 6 meses, 14 dias. O recorde anterior pertencia ao já aposentado Zé Roberto, então com 43 anos, 4 meses e 21 dias em 2017.

Cleiton e travessão quase frustram Fluminense no 1º tempo

Foram ótimos os 45 minutos iniciais no Maracanã, de alternâncias de controles e boas chances criadas. Isso que o árbitro do jogo fez de tudo para aparecer no início, com muitas faltas que minaram o andamento das jogadas. Por volta dos 10, deixou a bola fluir e aí o jogo não parou mais.

Como de praxe, o Flu teve mais a bola, criou mais e poderia ter saído mais do que com um no placar. Inicialmente, pela boa marcação adversária, só teve espaço para arriscar de longe e viu Cleiton brilhar. O goleirão do Braga foi buscar no ângulo chutes de Samuel Xavier (este, no próprio erro de saída do arqueiro) e Marquinhos, que ainda balançou o travessão rival em outra tentativa de fora da área, além de encaixar tentativa de Arias. Marcelo foi outro a carimbar a trave adversária após bola mal afastada pela defesa.

Cleiton voltou a intervir quando Xavier foi costurando todo mundo pela direita e cruzou para Germán Cano, que bateu de primeira e viu nova defesa. Quando não defendeu ou teve a trave para salvar, o goleiro tirou com os olhos a cabeçada de Felipe Melo após perfeito escanteio de Ganso, que repetiu o movimento para dar a assistência para Lima aos 50 minutos.

O Braga, por outro lado, até foi bem em sua estratégia de pressionar o adversário desde o campo de defesa e contra-atacar. Forçou vários chutões de Fábio, só que com o passar do tempo perdeu em intensidade e não manteve a pressão. Em jogada verticais após erros na saída do Tricolor, o clube de Bragança Paulista exigiu de Fábio boas defesas em chutes de Ignacio Laquintana e Eduardo Sasha. Mas parou por aí e o 1 a 0 ao Flu foi o mais justo.

Técnicos mudam jogo na etapa final e empate é justo

O Bragantino foi muito rápido para virar o resultado, mas recuou demais após isso. Não manteve a intensidade e abdicou de atacar. O gol de Lima não foi por acaso e a segunda virada do dia quase aconteceu com Cano após ótima jogada de Marquinhos pela direita. Por sorte ao Braga, Lucão voltou como Cleiton e afastou para fora. Depois, o centroavante argentino quase repetiu o segundo gol ao arriscar de longe e a bola desviar, mas dessa vez foi para fora. Ainda teve John Kennedy se aproveitando da defesa batendo cabeça para chutar rente à trave direita de Lucão. Faltou sorte ao Flu.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo