Campeonato Brasileiro

Fim de semana do Atlético Mineiro foi de festa: vitória sobre adversário direto e anúncio de Diego Costa

Em uma rodada de confronto de líderes, o Atlético Mineiro mostrou força ao vencer em casa o Palmeiras, que segue na briga; enquanto isso, o Flamengo segue ganhando jogos e ameaçando

O Campeonato Brasileiro chega ao final da rodada 16 (que ainda tem um jogo nesta segunda-feira) com um líder consolidado. O Atlético Mineiro venceu o Palmeiras, segundo colocado, e se colocou como o grande candidato ao título neste momento da disputa, até porque abriu cinco pontos do adversário direto. O Galo viveu um fim de semana de festa. Além da vitória no sábado à noite por 2 a 0 sobre o Palmeiras, ainda teve o anúncio de um reforço: Diego Costa, atacante ex-seleção espanhola, de 32 anos.

LEIA TAMBÉM: Nos 10 anos do mágico Santos 4×5 Flamengo, reveja aquele jogo histórico na íntegra

O jogo entre Atlético e Palmeiras, no sábado, era o mais esperado da rodada. Envolvia os dois primeiros colocados disputando a liderança. Ambos em uma situação bastante comum: no meio de semana terão uma partida decisiva pela Libertadores, que acaba sempre sendo priorizada. O Palmeiras entrou com mais mexidas no time do que o Galo, mas ambos tinham diferenças em relação aos times que jogaram nas partidas de ida das quartas de final do torneio sul-americano.

Os dois gols do Atlético, marcados por Savarino, deram a vitória ao Galo, que foi melhor em praticamente todo o jogo. O Palmeiras, porém, tem motivos para reclamar da atuação do árbitro Bruno Arleu de Araújo. Ele expulsou o volante Patrick de Paula aos 35 minutos, em um lance controverso em que o camisa 5 do Palmeiras escorregou e acertou Jair. Como já tinha o amarelo, recebido 20 minutos antes, acabou expulso. Isso desencadeou reclamações grandes de Abel Ferreira, que acabou expulso. Seu auxiliar, João Martins, também acabou expulso.

No fim, o Atlético saiu com os três pontos e uma vantagem de cinco pontos que já coloca o time como o principal candidato ao título. Não só pela vantagem, claro, que ainda pode ser tirada, mas pelo bom futebol que tem apresentado. A chegada de Diego Costa, já confirmada pelo clube, reforça um elenco que já é muito bom. Cuca terá trabalho para encaixar todos esses jogadores, mas é o tipo de problema que todo mundo quer ter.

Há algum temor em relação à questão financeira do Atlético, que tem uma folha salarial altíssima em relação às suas receitas. Como já mostrado por Rodrigo Capelo, o clube está partindo para o tudo ou nada para conquistar grandes títulos. A gestão faz avanços e, por enquanto, não há preocupações, mas é algo a se ter em mente.

Ao Palmeiras, a derrota é dura, mas está longe do fim. O time de Abel Ferreira é consistente e faz bons jogos. Jogou um pouco enfraquecido de jogadores, o que foi uma opção do técnico em certo aspecto, mas o elenco é forte e o time consegue bons resultados com frequência. Os cinco pontos atuais é bastante coisa, mas é possível recuperar. Até porque tem gente mais atrás que está pensando em título ainda.

LEIA TAMBÉM: Quais as possibilidades e limitações legais para a formação de uma liga de clubes?

Flamengo emenda mais uma vitória para sonhar com o título

O Flamengo é o time dominante do Campeonato Brasileiro nas duas últimas temporadas. Conquistou o título com sobras em 2019 e de forma sofrida em 2020 e se candidata para um terceiro título consecutivo. Algo, aliás, que só o São Paulo conseguiu fazer na história do Campeonato Brasileiro até hoje, com os títulos de 2006, 2007 e 2008.

Neste fim de semana, o que o Flamengo fez foi cumprir tabela sem muito esforço. Venceu o Sport em Volta Redonda – o Maracanã está reformando o gramado – e manteve a perseguição ao topo da tabela. Os 2 a 0 diante do Sport vieram com gols de Bruno Henrique e de Everton Ribeiro, se recuperando do tropeço na rodada passada quando tomou goleada do Internacional.

O Flamengo olha para cima porque tem motivos para isso. Todos os times à sua frente têm 16 jogos e o Flamengo tem 14, com dois jogos ainda a realizar. Tem 27 pontos contra 37 do Atlético Mineiro, que é o líder. Precisará vencer os dois jogos para somar seis pontos e, assim, chegar a 33 pontos, o que o colocaria em segundo lugar. Mas isso é potencial. Na tabela, por enquanto, o Flamengo é quinto e ninguém garante que irá vencer os dois jogos que tem a menos.

O desempenho do time indica que a disputa será sim pela ponta. Por desempenho, é possível acreditar que tanto o Flamengo quanto o Palmeiras serão os dois principais perseguidores do Atlético Mineiro, que é o líder e favorito neste momento. Times como o Fortaleza (3º, 31 pontos) e o Red Bull Bragantino (4º, 28 anos) estão neste momento à frente e brigam por Libertadores, mas a briga pelo título deve exigir elencos mais robustos para manter o desempenho. Por isso, o Flamengo parece mais candidato que os dois que estão à sua frente hoje na tabela.

Desfile de Renato Augusto

O Corinthians vinha olhando mais para baixo do que para cima neste campeonato, mas conseguiu uma vitória com um sabor especial sobre o Ceará. Primeiro, porque o time comandado por Guto Ferreira faz uma boa campanha, está entre os 10 primeiros e é uma boa equipe, que vinha melhor que os paulistas. Só que mais do que o resultado e a vitória, o que mais deu esperança ao torcedor corinthiano veio do banco: Renato Augusto.

Com a camisa 8, Renato Augusto reestreou no segundo tempo, depois do melhor primeiro tempo do Corinthians no campeonato, em que o time vencia por 2 a 0 com dois gols do garoto Adson. Aos 20 anos, o atacante marcou duas vezes e mostrou qualidade.

Mas foi no segundo tempo o momento que marcará este jogo: Renato Augusto recebeu na entrada da área e tocou com imensa categoria para marcar um golaço. No fim, vitória por 3 a 1, com um golaço também do Ceará, de Rick.

Para quem começou dando tão poucos motivos para os torcedores terem esperança, o gol de Renato Augusto foi bastante alentador. Ainda mais porque o outro reforço, Giuliano, tem ido muito bem neste início.

VEJA TAMBÉM: Um mapa interativo com todos os 158 clubes que já passaram pela elite do Brasileirão

Edenílson brilhando e Fluminense mal das pernas

O jogo que fechou o domingo teve o Internacional e o Fluminense fazendo uma partida de muitos gols. A vitória do Colorado por 4 a 2 teve um nome em pleno destaque: Edenílson. Ele fez dois gols, ambos de cabeça, e o segundo deles já nos acréscimos. E foi o gol que desempatou o jogo, porque ainda deu tempo de um gol de Paolo Guerrero no fim.

Ao Inter foi uma boa vitória que ajuda o time a seguir sonhando com algo mais que o atual nono lugar. O Fluminense, por sua vez, mostrou muitos problemas defensivos, mais uma vez, e já começa a olhar com um certo receio para a parte de baixo da tabela. Em 15º, o time foi ultrapassado até pelo São Paulo, que venceu na rodada. São dois pontos apenas acima do Sport, primeiro time da zona do rebaixamento. São quatro derrotas consecutivas dos tricolores, que precisam se preocupar, por o desempenho ser ruim e a perspectiva, agora, não ser boa.

Em briga contra o rebaixamento, tricolor paulista supera o gaúcho

No sábado à noite, o Grêmio fez um jogo muito parelho com o São Paulo e o empate parecia que duraria até o apito final. O empate por 1 a 1, com um gol de falta de cada lado, era o que mantinha o placar igualado. Mas no final, Emiliano Rigoni, que veio do banco, fez a jogada que acabou em finalização de Igor Gomes para o gol da vitória, aos 48 minutos do segundo tempo e cravou 2 a 1 no placar.

 Vitória sofrida do São Paulo, que faz o time respirar um pouco na tabela. Com 18 pontos, abriu três do Sport, primeiro na zona do rebaixamento. Ainda é motivo para se preocupar, e muito, mas para quem estava fundado dentro da zona do rebaixamento há algumas rodadas, é um alívio momentâneo.

O Grêmio, por sua vez, tem muitos motivos para se preocupar. O time está em 19º, com apenas 10 pontos depois de 14 jogos – sim, dois a menos que a maioria dos adversários – e está a sete pontos do primeiro time fora da zona do rebaixamento. O que significa que mesmo que vencer os dois jogos a menos que tem, o time continuará na zona de descenso. Será preciso ganhar pontos desesperadamente para começar uma reação. Há muito campeonato pela frente, mas quando é preciso repetir isso rodada após rodada, costuma ser um mau sinal.


Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo