Brasileirão Série A

Criciúma reafirma melhora ao vencer e expor fragilidades do Botafogo

Tigre pegou vice-líder no Heriberto Hülse e se saiu bem em sua estratégia

Após perder três jogos seguidos, o Criciúma de Claudio Tencati já não perde há três no Campeonato Brasileiro. A mais recente vitória veio neste sábado (22), em cima do então vice-líder Botafogo, em um agitado 2 a 1.

A partida válida pela 11ª rodada, disputada no Estádio Heriberto Hülse, deu bons exemplos do que há a melhorar no Glorioso, agora em terceiro e podendo ser ultrapassado por outros rivais da tabela.

Enquanto isso, o Tigre, apontado como candidato a rebaixamento, reafirma a melhora e chega ao 13º lugar, com 12 pontos — ainda tendo dois jogos a fazer.

Os problemas do Botafogo

O primeiro tempo deixou bem claro o que há para Arthur Jorge melhorar no Alvinegro. A recomposição pelo lado esquerdo da defesa talvez seja o principal ponto quando escalar Luiz Henrique e Cuiabano juntos.

O atacante não é dos mais dedicados sem a bola, ao mesmo tempo que o forte do lateral ex-Grêmio é o apoio ofensivo.

O Criciúma entendeu isso direitinho e assim abriu o placar, aos nove, quando Ronald ficou no mano a mano com o lateral-esquerdo, o deixou no chão e cruzou para infiltração de Barreto, que cravou de cabeça.

Foi apenas uma prévia do que aconteceu várias vezes na etapa inicial, em ambos os corredores. Yannick Bolasie fez boa partida dessa forma, sempre acionado em velocidade e no um contra um.

Essa parte, ao menos, o técnico português corrigiu já no intervalo.

Substituiu o amarelado zagueiro pela esquerda Alexander Barboza e Mateo Ponte, lateral-direito também mal sem a bola, para dar mais consistência ao time. Cuiabano perdeu espaço logo depois, aos 12 do segundo tempo.

Não só pela esquerda, a recomposição como um todo do time carioca foi mal no jogo. Seja por dentro ou por fora, sofreu com os ataques do Tigre e errou na saída para que Arthur Caíke marcasse o segundo.

O Botafogo também teve dificuldades quando teve que propor o jogo contra um time bem dedicado se bola, fechado em um 5-3-2, que tinha um movimento interessante de Hermes virando terceiro zagueiro e Trauco como ala.

Nesse cenário, o visitante penou até achar espaço. Na verdade, só foi encontrar quando a bola parada, de novo, pesou e empatou com Lucas Halter em escanteio batido por Óscar Romero.

Criciúma sóbrio no 1º tempo

Como um bom mandante, o Tigre fez um jogo bem maduro na etapa inicial. Além da questão defensiva, se preparou para contra-atacar e conseguiu explorar muito bem as rápidas transições ao acionar Bolasie.

O gol veio aos nove, mas não parou por aí as chegadas do aurinegro. Com 30, chegou a ampliar. Em roubada de bola de Barreto com puxão em Gregore, Matheusinho limpou Bastos e mandou uma bomba. O VAR ajudou o árbitro a anular o tento.

As jogadas em velocidade se repetiram algumas vezes com Bolasie, Jonathan e Matheusinho, todos bem na partida.

Enquanto isso, os cariocas pouco jogaram na etapa inicial.

Mudanças do técnico do Botafogo ajudam, mas Tigre responde

Halter saiu do banco e empatou para Botafogo (Foto: Vitor Silva/Botafogo)

A igualdade do Glorioso não veio por acaso. O Botafogo estava melhor e a cabeçada de Halter fez justiça até então.

Mas isso não durou muito. Tencati também trocou o Criciúma, com as entradas de Alano e Arthur Caíke, essenciais para o resultado final, muito merecido pela estratégia montada pelo técnico.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius AmorimRedator

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo