Brasileirão Série A

Atlético-MG amassa o Flamengo no Maracanã e é sério candidato ao título brasileiro

O Galo bicou com maestria, em grande atuação coletiva, capitaneada por Paulinho e Hulk, enquanto o Flamengo de Tite naufragou diante de sua torcida

O Atlético Mineiro venceu o Flamengo por 3 a 0 nesta quarta-feira (29), no Maracanã, em jogo válido pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols dos visitantes foram marcados por Paulinho, no primeiro tempo, Edenílson e Rubens, na etapa complementar. O duelo viu um Galo concentrado, ciente do tamanho da partida, e um Rubro-Negro oscilante, desconexo, em sua pior atuação na Era Tite.

Com o resultado, o Galo ultrapassa o Flamengo na tabela, mesmo que as equipes partilhem dos mesmos 63 pontos. A equipe mineira leva vantagem no saldo de gols e, agora, torce por um tropeço do Palmeiras para entrar de vez na briga pelo título. Ao Rubro-Negro fica mais complicado: pode terminar a 36ª rodada na quarta posição, longe dos líderes.

Só Cebolinha se salva em primeiro tempo ruim do Flamengo

Os primeiros 45 minutos do Flamengo no Maracanã foram péssimos, sem qualquer tipo de exagero. Até teve chances para marcar logo no comecinho, mas sofreu o gol rapidamente, de Paulinho. O tento foi uma falha coletiva da defesa rubro-negra, protagonizada por Fabrício Bruno e Matheuzinho, destaques negativos da equipe. Deixaram o camisa 10 do Galo livre para deslocar Rossi e abrir o placar.

Quem esperava que o Flamengo fosse tomar as rédeas da partida depois do gol, se enganou. Foram os visitantes que dominaram as ações, com toque de bola envolvente, enquanto a equipe comandada por Tite assistia. Quando tinha a posse, não conseguia criar e dependia demais de Everton Cebolinha para tentar alguma oportunidade. O camisa 11 foi o melhor do Rubro-Negro no primeiro tempo com sobras.

Na defesa, o Flamengo se complicava sozinho. Enquanto o lado esquerdo marcava de maneira razoável, o lado direito era uma avenida: Bruno Henrique não marcava, Fabrício Bruno sofria com Hulk e Matheuzinho, o pior do Rubro-Negro nos primeiros 45 minutos, ainda teve tempo de deixar Hulk fazer jogada perigosíssima à meta de Rossi. Acabou substituído no fim da etapa inicial.

Cebolinha lamenta chance perdida em Flamengo x Atlético-MG (Foto: Alexandre Loureiro/AGIF/Sipa USA)

Oscilação marca partida ruim do Flamengo, em todos os sentidos

No segundo tempo, mais do mesmo: um Flamengo pouquíssimo inspirado que, rapidamente, mostrou a oscilação que estava melhorando nas últimas partidas. O escanteio era a favor, mas sucessivos erros de Ayrton Lucas e Wesley fizeram com que se tornasse um contra-ataque fulminante do Galo. A corrida de Thiago Maia, depois do belo passe de Paulinho para Edenílson, foi sintomática.

O segundo dos visitantes foi uma ducha de água fria para o Flamengo na etapa complementar. Depois disso, o time não conseguiu recuperar o aspecto mental, seguiu com a passividade e poderia até ter sofrido o quarto, se o Galo não estivesse mais preocupado em defender. No fim, ainda deu tempo de sofrer o terceiro, em nova falha defensiva, para acabar de vez com as chances. Para a torcida, que fez linda festa e apoiou o Rubro-Negro em todos os momentos da partida, foi ainda mais decepcionante.

Primeiro tempo de manual do Atlético-MG

O primeiro tempo do Atlético foi de alto nível dentro da medida do possível que o jogo permitiu. Isso porque o Galo saiu na frente logo aos oito minutos após uma jogada espetacular, que terminou com, mais uma vez, um belo passe de Hulk para gol de Paulinho. Diferente do natural, que é se recuar após o abrir o placar, o Alvinegro passou a dominar a partida. Não causava muitos sustos ao Flamengo, mas passa mais longe ainda de sofrer. O time de Felipão parecia ter mais noção do que fazer com a bola e onde aparecer em campo para as jogadas saírem.

Na reta final da primeira etapa, o Flamengo naturalmente assumiu mais o controle do jogo e teve mais a bola, criando assim algumas chances. Mas, na principal delas, quando Bruno Henrique cabeceou uma bola no cantinho, Everson estava lá para fazer seu milagre diário.

A entrega dos jogadores e os contra-ataques que resolveram o jogo para o Galo

O segundo tempo para o Atlético começou ainda melhor do que o primeiro, com um gol logo aos dois minutos marcado por Edenílson, após um contra-ataque armado por Zaracho e uma assistência de Paulinho. Depois do gol, o Galo se recuou por completo e teve algumas tentativas de saída em contra-ataque, já que o Flamengo se lançou todo ao ataque e deixava espaços. Hulk era o alvo dessas bolas lançadas e ganhou elas muitas vezes, mas muito isolado, ou era parado com falta quando passava por um adversário ou perdia a bola por conta da inferioridade numérica.

A verdade é que o segundo gol do Atlético logo no início do segundo tempo deu ao time uma tranquilidade de se defender ainda mais, algo que é característico dos times de Felipão, que geralmente fazem isso muito bem. E não foi diferente no Maracanã, principalmente por conta do quanto os atleticanos se doaram. Só Hulk não tinha obrigação de voltar para marcar – e ainda fez isso algumas vezes -, enquanto todos os outros se desdobravam (com sucesso) para acompanhar seus adversário. Para fechar a conta, em mais um contra-ataque, Pavón cruzou e Rubens chegou de carrinho para completar a festa e o show atleticano em pleno Maracanã.

A entrega dos jogadores do Atlético foi recompensada com o resultado favorável e o sonho do título ainda muito vivo. Agora com 63 pontos, mesmo número que o próprio Flamengo, o Galo passa a secar o Palmeiras. A missão é difícil, mas sonhar alto e com o improvável nunca foi muito difícil para o atleticano.

Tite e Felipão fazem as pazes

Se a relação de Tite e Felipão foi muito pautada antes do jogo, os dois trataram de deixar as diferenças de lado e partilhar de um longo abraço na área técnica. A dupla já esteve em termos melhores, mas mostrou que a paz está selada. Foi a primeira vitória de Scolari sobre Adenor, na sétima partida disputada entre dois dos maiores treinadores da história do futebol brasileiro.

Derrota complica o Flamengo na briga pelo título

O revés era o único resultado que o Rubro-Negro não poderia ter. Agora, resta secar o Palmeiras, mas parece improvável que o adversário na luta pelo título perca do já rebaixado América-MG. O Flamengo retorna aos gramados no próximo domingo (03), para enfrentar o Cuiabá, a partir das 16h (de Brasília). O confronto vale pela penúltima rodada do Brasileirão e será disputado no Maracanã.

Galo muito vivo em busca do tetra

O triunfo recoloca de vez o Galo na briga pelo título e, de quebra, garante a equipe comandada por Luiz Felipe Scolari na próxima Libertadores da América. O Atlético-MG volta a campo no sábado (02), às 21h (de Brasília), para enfrentar o São Paulo, no Mineirão. O duelo é válido pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Estatísticas de Flamengo x Atlético-MG – Campeonato Brasileiro

  • Posse de bola: Flamengo 58% x 42% Atlético-MG
  • Chutes: Flamengo 19 x 11 Atlético-MG
  • Chutes a gol: Flamengo 4 x 6 Atlético-MG
  • Gols: Flamengo – ; Atlético-MG – Paulinho, aos 8′ do 1ºT, Edenílson, aos 2′ do 2ºT e Rubens, aos 37′ do 2ºT
Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

É repórter na cobertura do Flamengo há três anos, com passagens por Lance e Coluna do Fla. Fã de Charlie Brown Jr e enxadrista. Viver pra ser melhor também é um jeito de levar a vida!
Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo