Brasileirão Série A

Não são bem verdades as acusações de Andrés Sanchez à SAF do Botafogo

As acusações de Sanchez contra a SAF do Botafogo não são totalmente verdadeiras. E, no que ele está certo, não chega a ser um problema

O Botafogo vive ótimo momento dentro e fora de campo na temporada. Líder disparado do Campeonato Brasileiro, o Glorioso também está nas quartas de final da Copa Sul-Americana e, administrativamente, a SAF comandada por John Textor vai arrumando a casa. No entanto, os questionamentos sobre o modelo de gestão dos cariocas e de outros clubes que passaram pela mesma transformação seguem ocorrendo. Mas nem todos os argumentos são verdadeiros.

Nesta semana, o ex-presidente do Corinthians Andrés Sanchez acusou a SAF do Botafogo de ser “um mentira”. O ex-dirigente afirmou que o Glorioso estaria com “salário atrasado, pegando dinheiro emprestado em banco, fazendo carta de crédito que lá Deus sabe como”. Além disso, também criticou a negociação do atacante Jeffinho, que foi vendido pelo clube carioca para o Lyon, da França, que também pertence ao americano John Textor.

No entanto, nem tudo o que Andrés falou é verdade. Muito pelo contrário. Em relação aos salários, o CEO do Botafogo, Thairo Arruda, disse que a informação sobre o atraso “não procede”. E é verdade. O Botafogo, mesmo depois de virar SAF, já atrasou pagamentos – principalmente de direitos de imagem e premiações. No entanto, já há alguns meses, está em dia com os jogadores e funcionários do clube, tanto em relações ao salários como outros pagamentos.

Andrés Sanchez disse que, pelo Botafogo estar em primeiro no Campeonato Brasileiro, “ninguém fala nada” sobre os possíveis atrasos. Mas, quando esses atrasos ocorreram, foram amplamente noticiados pela imprensa entre o fim de 2022 e começo de 2023.

Andrés falou uma verdade, mas que não chega a ser um problema

Mas, para manter a folha salarial em dia, o Botafogo, de fato, pegou dinheiro emprestado de uma instituição financeira. Neste ponto, Andrés está correto. De acordo com o “ge”, o clube carioca pegou um empréstimo de R$ 15 milhões neste meio de 2023. Mas a operação é vista com naturalidade no clube.

O Botafogo ainda não consegue ser autossustentável e andar com as próprias pernas na parte financeira. Assim, ainda depende de aportes de Textor, que têm datas programadas para acontecer, ou de empréstimos junto a instituições financeiras. Mas pegar dinheiro emprestado é uma operação comum em clubes, sejam eles SAF ou não. Como garantia desse empréstimo, o Botafogo colocou os valores que tem a receber da Parimatch, patrocinadora do clube, como garantia.

Assim, o Botafogo conseguiu manter o fluxo de caixa. E não deve ter problemas para pagar o empréstimo em um futuro breve. Afinal, só da Parimatch, o Glorioso ainda vai receber R$ 27,5 milhões em 2024. Além disso, o clube ainda conta com premiação que receberá no Campeonato Brasileiro e na Copa Sul-Americana. Se for campeão nacional, o Glorioso garante mais R$ 45 milhões da CBF. Na competição continental, o clube já arrecadou mais de R$ 10 milhões e este valor pode aumentar caso o clube avance.

Além das premiações, o Botafogo ainda conta com a venda de jogadores. Lucas Perri e Adryelson, por exemplo, já estão encaminhados com o Lyon, clube de Textor da França. As negociações, em euros, vão engordar ainda mais o caixa do clube carioca.

CEO do Botafogo rebate Andrés Sanchez

Na última segunda-feira, depois da repercussão das falas de Andrés Sanchez, Thairo Arruda, CEO da da SAF do Botafogo, saiu em defesa do clube. Ele disse que o ex-presidente do Corinthians tem um “característica peculiar de agir” e se colocou à disposição para explicar “melhor a dinâmica de uma SAF”.

– Andrés Sanchez é uma figura conhecida no futebol brasileiro e que tem essa característica peculiar de agir, mas também nunca lhe faltou humildade de reconhecer erros. Respeitamos o Corinthians, com quem temos uma ótima relação através do Presidente Duílio, e não vamos inflamar polêmicas. Caso Andrés queira conversar para entender melhor a dinâmica de uma SAF, estamos à disposição para esclarecimentos. Sobre salários atrasados e outras inverdades, isso naturalmente não procede – publicou Thairo Arruda.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor do Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo