Brasil

Atlético-MG na Copinha: veja as campanhas do time na competição de base

Tricampeão da Copa São Paulo, Atlético-MG está no Grupo 18 na edição de 2024

O Atlético-MG terá como adversários na primeira fase da Copa São Paulo de Futebol Júnior o Tocantinópolis-TO, o SKA Brasil-SP e o Floresta-CE. A estreia na maior competição de base do país está marcada para o dia quatro de janeiro, diante do time do Tocantins, às 19h30 (horário de Brasília). Em busca do seu 4º título na competição, o Galo quer melhorar o desempenho da última edição, quando passou em 2º lugar no Grupo 4, atrás do Linense e foi eliminado para o Mirassol, ainda na fase 32 avos de final, após derrota pelo placar de 3 x 1.

Sem vencer a competição desde 1983, quando bateu o Botafogo-SP pelo placar de 2 x 1 no antigo Estádio Palestra Itália, o Atlético-MG foi muito bem na segunda metade dos anos 70, tendo conquistado o bi-campeonato da Copinha em 1975, vencendo a Ponte Preta nos pênaltis por 5 x 3 após empate sem gols no Pacaembu e em 1976, vencendo o Corinthians, maior campeão da Copa São Paulo por 1 x 0 em jogo disputado no Parque São Jorge.

O Galo Mineiro ainda tem um título da Supercopa São Paulo de Juniores em 1994. Na ocasião, a Federação Paulista de Futebol organizou um torneio com 16 equipes que até então tinham sido campeãs e vice-campeãs da Copa São Paulo. A primeira edição deste torneio foi realizado entre os dias dois e 12 de junho, às vésperas da Copa do Mundo dos Estados Unidos. O Atlético-MG se sagrou campeão após bater o Internacional na grande decisão por 1 x 0. O Alvinegro ainda foi vice-campeão da Copinha em 1980, quando foi derrotado pelo Inter de Porto Alegre por 3 x 0.

Abaixo vamos relembrar as campanhas que culminaram nos três títulos do Atlético-MG e nos aprofundar um pouco mais na Supercopa São Paulo, que teve somente duas edições, uma em 1994 e outra em 1995.

1975: Apenas cinco jogos e título invicto do Atlético-MG

Disputada em um formato totalmente diferente do atual, a Copa São Paulo de Juniores de 1975 teve apenas 32 times participantes, divididos em 16 chaves eliminatórias. Na estreia, o time mineiro venceu o Juventus da Mooca por 3 x 0 e avançou para as oitavas de final para encarar o Coritiba. Diante dos paranaenses mais um triunfo, dessa vez por 1 x 0. Nas quartas-de-final, clássico diante do Cruzeiro e nova vitória pelo placar mínimo. Nas semifinais, outra pedreira e mais um clássico estadual, dessa vez contra o América-MG.

Embalado pela classificação diante da Raposa, o Atlético-MG seguiu sua caminhada na Copinha, batendo o Coelho por 1 x 0 e garantindo vaga na grande decisão, frente a uma surpreendente Ponte Preta, que eliminou o Noroeste, Corinthians, São Paulo e Palmeiras antes de ir à grande final. No tempo normal da decisão, realizada no bom e velho Pacaembu, empate sem gols e nos pênaltis, o Galo cantou mais alto e faturou o caneco de campeão da Copa São Paulo pela primeira vez, em uma campanha com quatro vitórias, um empate e nenhum gol sofrido.

Time base do Atlético-MG campeão da Copa SP em 1975: Sérgio; Omar, Silvestre, Ives e Hilton; Alfredo, Marco Antônio e Marinho; Heleno, Marcinho e Faísca.

1976: Menos jogos e bi-campeonato no Parque São Jorge

A edição de 1976 da Copa São Paulo de Juniores contou com menos da metade dos times que jogaram no ano anterior. Foram apenas 14 equipes participantes e como o Galo foi o campeão em 1975, entrou diretamente nas quartas de final. Em três jogos o time Alvinegro marcou dez gols, e sofreu quatro. A estreia foi diante do Fluminense, goleada por 5 x 3 e o Cruzeiro mais uma vez entrou no caminho do time atleticano. Diferentemente do que aconteceu no ano anterior, o Atlético-MG passeou contra a Raposa e venceu por 4 x 1, classificando-se para a grande final.

O adversário da decisão seria o Corinthians, que tinha passado pelo Juventus da Mooca, pelo tradicional Nacional da Comendador Souza nas quartas-de-final e vinha embalado por vencer a fortíssima Portuguesa por acachapantes 6 x 1. Mas na final, que naquele ano foi disputada no Parque São Jorge, mais uma vez o Galo cantou alto, e o Atlético-MG faturou o bi-campeonato da Copinha após vitória pelo placar de 1 x 0.

Time base do Atlético-MG campeão da Copa SP em 1976: Sérgio; Alves, João Eudes, Marcos Vinicius e Hilton Brunis; Geraldo, Batata e Cleber; Marinho, Célio e Cacá (Marco).

1983: Título incontestável contra um surpreendente Botafogo-SP

Em um formato mais ou menos parecido com o atual, a edição de 1983 da Copa São Paulo contou com a participação de 20 times, divididos em quatro grupos com cinco equipes cada, separados por sedes diferentes. O Atlético-MG caiu no Grupo 2, cuja sede foi o tradicional estádio da Rua Javari. O Galo passou em 2º lugar na chave com duas vitórias e dois empates. Nas quartas de final, vitória diante do Inter por 3 x 1. Na semifinal, novo encontro frente ao Grêmio e vitória por 2 x 0.

Na final, o Atlético-MG enfrentou um surpreendente Botafogo-SP, que veio do Grupo 1, que tinha como sede a Barra Funda e passou na primeira colocação da chave, desbancando o Flamengo, que ficou pelo caminho ainda na fase de grupos. Nas quartas, o Pantera venceu a Ponte Preta por 2 x 1 e na semifinal passou pelo forte time do Santos, chegando a decisão diante do Galo. O time mineiro venceu por 2 x 1 e faturou seu 3º e último título da Copinha até o momento.

Time base do Atlético-MG campeão da Copa SP em 1983: Martinelli; Nena, Vebinho, Eduardo e Rogério; Toninho, Vandinho e Eugênio; Sérgio Araújo (Carlinhos), Marcos Vinicius e Edivaldo.

Supercopa São Paulo de Juniores de 1994

Este foi um torneio organizado pela Federação Paulista de Futebol e reuniu 16 equipes, juntando campeões e vice-campeões da Copinha até o momento. A primeira edição foi disputada entre os dias dois e 12 de junho, coladinho com a disputa da Copa do Mundo dos Estados Unidos. Os times foram separados em quatro grupos com quatro equipes cada uma, sendo os dois primeiros colocados classificados para a fase eliminatória.

O Atlético-MG caiu no Grupo A ao lado do Fluminense, do Marília e do Palmeiras. Na primeira fase, o Galo venceu o Fluminense por 3 x 2 e o Palmeiras por 2 x 1, perdendo para o time do Marília por 1 x 0 na última rodada da fase de grupos. Nas quartas de final, o time mineiro venceu o Juventus por 1 x 0, superou o Flamengo nos pênaltis por 4 x 3 após empate no tempo normal por 1 x 1 e na decisão bateu o Internacional por 1 x 0.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Existe um ditado que diz que o bom filho a casa retorna não é? Pois bem, sou Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia, de volta ao site após quatro anos, e agora redator do Trivela, um dos maiores portais de futebol do Brasil. Sou jornalista, especializado em Marketing digital e narrador do Portal Futebol Interior e também da RP2Marketing.
Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo