Brasil

Apresentação do Brasileiro – II

Dando seqüência à abertura iniciada na quinta-feira, mostramos os outros dez participantes que concorrem ao título do Campeonato Brasileiro. Nesta semana, falamos de Internacional, Atlético Paranaense, Figueirense, Sport, Náutico, Goiás, Coritiba, Ipatinga, Portuguesa e Vitória.

 

INTERNACIONAL 

Nome do Clube: Sport Club Internacional
Estádio: Beira Rio (56 mil pessoas)
Principal jogador: Fernandão (meia/atacante)
Fique de olho: Danny Moraes (zagueiro/volante)
Competição continental que disputa: Copa Sul-Americana
Contratação: Ricardo Lopes (lateral-direito)
Técnico: Abel Braga
Objetivo na temporada: brigar pelo título
Aproveitamento na temporada: 78%
Time base: (4-3-2-1) Renan, Bustos, Índio, Orozco e Marcão; Edinho; Magrão e Guiñazu; Fernandão e Alex; Nilmar

O primeiro semestre do último ano foi trágico no Beira Rio. Campeão mundial, o Internacional colheu decepções, mas foi ávido e reformulou o elenco, resgatando Abel e formando uma base fortíssima com Guiñazu, Magrão e até a ousada vinda de Nilmar. O fim de 2007 deixava claro que o Colorado retornaria aos melhores dias na atual temporada. E tem sido assim.

Não bastasse todo o forte time montado, o principal jogador da equipe vem sendo Alex, para os gaúchos o melhor em atividade no país. A receita do Internacional é a ideal para fazer uma temporada forte. Elenco numeroso e de qualidade, jogadores capazes de decidir, uma boa estrutura e uma comissão técnica estável. O Inter vem novamente muito forte. 

ATLÉTICO PARANAENSE

Nome do Clube: Clube Atlético Paranaense
Estádio: Arena da Baixada (25 mil pessoas)
Principal jogador: Danilo (zagueiro)
Fique de olho: Vinícius (goleiro)
Competição continental que disputa: Copa Sul-Americana
Contratação: Fahel (volante)
Técnico: Ney Franco
Objetivo na temporada: brigar pela Sul-Americana
Aproveitamento na temporada: 75%
Time base: (3-4-2-1) Vinícius, Rhodolfo, Danilo e A.Carlos; Nei, Valencia, Alan Bahia e Léo Medeiros; Pimba e Netinho; Marcelo Ramos

O trabalho de Ney Franco na Baixada começou muito bem e, no início de 2008, parecia pronto para dar um salto de qualidade após a seqüência de vitórias no estadual, ainda que contra adversários inexpressivos. A eliminação na Copa do Brasil e a perda de três titulares – Jancarlos, Claiton e Ferreira -, porém, fizeram decair o futebol da equipe, que se arrastou até a final doméstica, vencida, entretanto, pelo Coritiba.

Para o Campeonato Brasileiro, o Atlético não parece capaz de realizar uma campanha condizente com a grandeza que a direção imagina ter o clube. Há alguns bons valores, como Netinho, Marcelo Ramos e a fortíssima defesa formada por Rhodolfo, Danilo e Antônio Carlos. No geral, porém, pouco para medir forças em um torneio com aparentemente mais equipes fortes que o normal de todos os anos. 

FIGUEIRENSE

Nome do Clube: Figueirense Futebol Clube
Estádio: Orlando Scarpelli (20 mil pessoas)
Principal jogador: Cleiton Xavier (meia)
Fique de olho: Marquinhos Júnior (atacante)
Competição continental que disputa: nenhuma
Contratações: Magal (volante) e Thiago Prado (zagueiro)
Técnico: Alexandre Gallo
Objetivo na temporada: brigar pela Sul-Americana
Aproveitamento na temporada: 68%
Time base: (3-4-1-2) Wilson, Felipe Santana, Bruno Perone e Asprilla; César Prates, Diogo, Cleiton Xavier e Marquinho; Rodrigo Fabri; Wellington Amorim e Edu Sales

O Figueirense chega à sua sétima edição consecutiva na Série A com, basicamente, a mesma receita de sempre. Uma equipe média e um trabalho que exala uma certa estabilidade para o meio da tabela. O grande problema para Alexandre Gallo, que pegou o clube brigando contra o rebaixamento e terminou salvo em 2007, é a falta de parâmetro: já estamos em maio e os catarinenses não tiveram pela frente um adversário de primeira divisão, já que não obtiveram vaga na Copa do Brasil desse ano. 

No papel, o Figueirense tem um time interessante e de diferentes formações táticas possíveis. Após alguns anos em baixa, a ex-promessa colorada Cleiton Xavier amadureceu. É capitão e líder do time, tendo recebido inclusive sondagens do Palmeiras. Ao lado dos experientes Rodrigo Fabri, César Prates e Wellington Amorim, forma a espinha dorsal do campeão catarinense de 2008, com boas possibilidades de se manter pelo meio da tabela novamente. 

SPORT

Nome do Clube: Sport Clube do Recife
Estádio: Ilha do Retiro (35 mil pessoas)
Principal jogador: Romerito (meia)
Fique de olho: Kássio (meia)
Competição continental que disputa: nenhuma
Contratações: Fumagalli (meia), Bruno (lateral) e Juninho (meia)
Técnico: Nelsinho Baptista
Objetivo na temporada: brigar pela Sul-Americana
Aproveitamento na temporada: 79%
Time base: (4-3-1-2) Magrão, Luizinho Netto, Igor, Durval e Dutra;Daniel Paulista; Sandro Goiano e Everton; Romerito; Enílton e Carlinhos Bala

Manter e aprimorar a base da temporada anterior. Essa foi a tônica na Ilha do Retiro, que assistiu à permanência de boa parte dos jogadores que mantiveram o Sport na primeira divisão pelo segundo ano seguido. As principais novidades foram a troca de Geninho por Nelsinho Baptista e as chegadas dos experientes Enílton, Leandro Machado e Roger para o ataque.

Com essa equipe, o Sport venceu os dois turnos do estadual, faturou o tri, enfiou 4 a 1 no Palmeiras de Luxemburgo e está entre os oito finalistas da Copa do Brasil. Se pensar em Libertadores é um sonho distante, atingir a Sul-Americana e se manter longe do rebaixamento parece um desafio atingível para o rubro-negro pernambucano. 

NÁUTICO

Nome do clube: Clube Náutico Capibaribe
Estádio: Serra Dourada (19 mil pessoas)
Principal jogador: Geraldo (meia)
Fique de olho: Wellington (atacante)
Competição continental que disputa: nenhuma
Contratações: Roger (meia), Paulo Santos (meia), Itaqui (meia), Luizão (zagueiro), João Paulo (lateral), Alceu (volante), Negreti (zagueiro)
Técnico: Roberto Fernandes
Objetivo na temporada: escapar do rebaixamento
Aproveitamento na temporada: 66%
Time base: (4-2-2-2) Eduardo, Ruy, Vagner, Everaldo e Berg; Ticão e Radamés; Geraldo e Marcelinho; Felipe e Wellington

A permanência de Roberto Fernandes é o elemento inicial para que o Náutico faça uma campanha digna na Série A. Após perder vários titulares no começo do ano, o Timbu fez um estadual irregular e trocou diversas peças de seu elenco. As principais figuras, porém, seguem as mesmas. Geraldo é o dono do meio-campo, Felipe o atacante mais perigoso e Vagner e Everaldo os zagueiros titulares. A novidade fica por conta do jovem Wellington, maior matador dos Aflitos. 

A fórmula de jogo ofensiva de Beto Fernandes fez o Náutico, na última Série A, protagonizar bons jogos e se tornar sempre um adversário duro de se bater. Além disso, o time costuma se concentrar para os jogos diante das equipes da parte inferior da tabela, teoricamente os principais rivais. Se as constantes mudanças de elenco e a estrutura fraca não interferirem muito, Pernambuco pode ter o Timbu por mais um ano na primeira divisão. Por ora, são candidatos a brigar contra a queda. 

GOIÁS

Nome do Clube: Goiás Esporte Clube
Estádio: Serra Dourada (50 mil pessoas)
Principal jogador: Paulo Baier (meia)
Fique de olho: Ernando (zagueiro)
Competição continental que disputa: nenhuma
Contratações: nenhuma
Técnico: Osvaldo Alvarez
Objetivo na temporada: brigar pela Sul-Americana
Aproveitamento na temporada: 65%
Time base: (4-2-2-2) Harlei, Vítor, Ernando, Paulo Henrique e Fabinho; Ramalho e Amaral; Paulo Baier e Evandro; Alex Terra e Alex Dias (Schwenck)

Pelo terceiro ano consecutivo, o Goiás começa o Campeonato Brasileiro com um treinador diferente em relação ao início do ano. Agora, após quatro meses com Caio Júnior, o comando esmeraldino está com Vadão, de passagens apagadas nos últimos anos. Nas mãos, ele tem uma equipe que jogava bom futebol, mas perdeu o Campeonato Goiano e foi eliminada da Copa do Brasil de maneira traumática.

O segredo para mais uma boa campanha passa pelo aperfeiçoamento do elenco, carente em alguns setores. Com a retomada da confiança e as importantes participações de jogadores como Paulo Baier, Alex Terra e o bom zagueiro Ernando, o Goiás tem time para terminar na metade de cima da tabela, embora as oscilações venham sendo cada vez mais corriqueiras na Serrinha. 

CORITIBA

Nome do Clube: Coritiba Foot Ball Club
Estádio: Couto Pereira (38 mil pessoas)
Principal jogador: Keirrison (atacante)
Fique de olho: Marlos (meia)
Competição continental que disputa: nenhuma
Contratações: Alê (volante), Michael (meia), Ariel (atacante), Cadu (atacante), Guaru (lateral-esquerdo), Rodrigo (lateral-direito)
Técnico: Dorival Júnior
Objetivo na temporada: brigar contra o rebaixamento
Aproveitamento na temporada: 66%
Time base: (3-4-2-1) Edson Bastos, Jeci, Maurício e Nenê; Pedro Ken, Rodrigo Mancha, Alê e Ricardinho; Michael e Carlinhos Paraíba; Keirrison

Dois anos se passaram sem o Coxa na elite do futebol nacional. O retorno do clube se deu com uma base jovem e formada no próprio Couto Pereira, receita tradicional para o acesso na Série B. Destes jogadores, apenas Henrique foi negociado e já brilha no Palmeiras. O outro protagonista, Keirrison, está aparentemente mantido para o resto da temporada, em um esforço louvável da direção alviverde. É candidato a artilheiro do campeonato.

No mais, a equipe apresenta poucos jogadores de alta qualidade, embora Dorival Júnior, em outro bom trabalho, tenha formado um espírito coletivo muito forte. Vale lembrar que foi, ele, o treinador que colocou o Cruzeiro na Libertadores-08. Em um retorno para a primeira divisão, a permanência deve ser o norte para os coxas-brancas. Há condições de, a partir de um outro momento da competição, pensar até em vôos um pouco maiores.
 

IPATINGA

Nome do Clube: Ipatinga Futebol Clube
 Estádio: Ipatingão (51 mil pessoas)
Principal jogador: Gerson Magrão (meia)
Fique de olho: Edimar (lateral-esquerdo)
Competição continental que disputa: nenhuma
Contratações: Patrick (zagueiro), Edimar (lateral-esquerdo), Toninho (zagueiro), Renato (zagueiro), Tiago (zagueiro), Baroni (lateral-esquerdo), Jackson (meia), Rodriguinho (meia), Ely Thadeu (atacante), Ricardinho (atacante), Neto Baiano (atacante)
Técnico: Giba
Objetivo na temporada: brigar contra o rebaixamento
Aproveitamento na temporada: 37%
Time base: (4-2-2-2) Fred, Mariano, Renato, Gian e Edimar; Augusto Recife e Jackson; Marcelo Costa e Gerson Magrão; Neto Baiano e Ricardinho

O ano de estréia na primeira divisão não poderia ter começado pior para o Ipatinga. Completando dez anos de vida, o Tigre do Aço caiu para a segunda divisão mineira, em um resultado indiscutivelmente trágico. Após alguns dias, o clube trocou de técnico pela segunda vez no ano e foi buscar o paulista Giba, de trabalhos ruins por Sport e Santa Cruz nas últimas duas temporadas de primeira divisão.

A montagem do elenco é bastante modesta e faltam jogadores com rodagem na primeira divisão. Destaques da equipe no acesso, Leandro Salino e Gérson Magrão não vivem bons momentos neste ano e pouco têm acrescentado ao limitado time do interior mineiro. As comparações com o América de Natal do último ano, assim, se tornam inevitáveis. Para os ipatinguenses, a permanência na Série A, pelo preço que for, já será um grande negócio.
 

PORTUGUESA

Nome do Clube: Associação Portuguesa de Desportos
Estádio: Canindé (22 mil pessoas)
Principal jogador: Diogo (atacante)
Fique de olho: Miltinho (meia)
Competição continental que disputa: nenhuma
Contratações: Sidnei (meia), Edno (meia), Sandro (volante), Wilton Goiano (lateral-direito), Washington (atacante)
Técnico: Vagner Benazzi
Objetivo na temporada: brigar contra o rebaixamento
Aproveitamento na temporada: 44%
Time base: (4-2-2-2) André Luiz; Patrício, Bruno Rodrigo, Marco Aurélio e Bruno Recife; Carlos Alberto e Eric; Preto e Edno; Diogo e Christian

Após bater na trave em 2005, a Portuguesa se reorganizou em 2007 e logrou a necessária promoção à elite. Muitos dos méritos pelo acesso devem ser creditados ao dedicado trabalho de Vagner Benazzi, que tem o time nas mãos e é ídolo no Canindé. Sem super craques, a Lusa possui uma equipe batalhadora e que, no Paulistão, endureceu a vida dos grandes em todas as partidas, dando uma demonstração de alta competitividade.

Curiosamente, falta força e potencial para resolver os jogos contra equipes de mesmo nível técnico. O ponto positivo é o retorno de Diogo, principal jogador na Série B e que esteve lesionado. Com o garoto ao lado do experiente Christian, a Portuguesa passa a ter um trunfo bastante interessante, especialmente por possuir um sistema defensivo de difícil transposição. O objetivo, indiscutivelmente, é permanecer entre os 16 primeiros.
 

VITÓRIA
Nome do Clube: Esporte Clube Vitória
Estádio: Barradão (35 mil pessoas)
Principal jogador: Ramon (meia)
Fique de olho: Marquinhos (atacante)
Competição continental que disputa: nenhuma
Contratações:
Técnico: Vagner Mancini
Objetivo na temporada: brigar contra o rebaixamento
Aproveitamento na temporada: 64%
Time base: (4-2-2-2) Ney, Marco Aurélio (Willians), Anderson Martins (Marcelo Batatais), Leonardo Silva e Marcelo Cordeiro; Vanderson; Bida (Jackson) e Ricardinho; Ramon; Rodrigão e Marquinhos

A rotatividade de jogadores no Barradão em cinco meses é impressionante. São mais de 50 atletas utilizados e não pára de desembarcar outros nomes no rubro-negro baiano. Não bastasse isso, Vagner Mancini é o segundo treinador a passar pelo clube em 2008 e, embora tenha mostrado qualidades em outros centros, nunca disputou a primeira divisão como treinador. Não parece o nome ideal para um clube tão instável e retornando à elite.

Ainda assim, com tantas dificuldades, o Vitória chega ao Campeonato Brasileiro com o título estadual, o que sempre significa um alívio no futebol baiano. Sem tanta pressão, Mancini pode montar a equipe ao seu próprio gosto e resistir a naturais dificuldades no início da competição. Os grandes problemas para o Leão, porém, são mais que visíveis. E precisarão ser enfrentadas com vigor para se lograr a permanência. 

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo