América do Sul

Tio de carrasco brasileiro morre após sobrinho classificar o Paraguai contra o Brasil

Derlis González veste a camisa 10 do Paraguai e teve uma enorme responsabilidade no sábado à noite. Foi ele o responsável pela cobrança de pênalti no segundo tempo, quando o time perdia por 1 a 0 para o Brasil. Cobrou com categoria e empatou. Foi ele também que fechou a série de cobranças de pênaltis que classificou os Guaranís para as semifinais. Mas a notícia que ele recebeu depois foi triste.

LEIA TAMBÉM: Pior do que a eliminação foi o futebol que o Brasil não apresentou na Copa América

No seu twitter pessoal, o meio-campista lamentou a morte do tio, que teve um ataque cardíaco logo depois das emoções do jogo. Não se sabe se há alguma relação com a partida. O jogador foi informado da morte do parente pela sua esposa, que está no Chile com ele para a disputa da Copa América.

O Paraguai é uma seleção que aposta em nomes já veteranos, como o atacante Roque Santa Cruz, 33 anos, atualmente jogador do Cruz Azul, ou o goleiro Justo Villar, 37 anos. O camisa 10 do Paraguai é o mais novo do elenco de 23 jogadores do Paraguai, com 21 anos. Ele é jogador do Basel, da Suíça, onde atua desde 2014.

Antes da seleção principal, González jogou pelas seleções de base do Paraguai, sub-27 e sub-20. Ele inclusive jogou a Copa do Mundo sub-20 em 2013, na Turquia – competição que o Brasil ficou de fora depois de um terrível sul-americano. Vale lembrar que ele começou a primeira partida do Paraguai como reserva, no jogo contra a Argentina. Depois de ajudar o time a buscar um empate dramático por 2 a 2 contra os albicelestes, tornou-se titular.

Derlis González terá que lidar agora com a perda de um parente próximo em meio a uma disputa de competição. A vida de atleta nem sempre é fácil. Mas também pode ser uma motivação para que ele se inspire mais no jogo contra a Argentina, na terça-feira, quando a semifinal será disputada. Nossos pesares a González e sua família.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo