Libertadores

Palmeiras leva vida dupla, em ano com muitas coincidências em relação a 2021

Abel Ferreira viu seu Palmeiras fracassar no Campeonato Brasileiro, mas brilhar na Copa Libertadores, três temporadas atrás

Fã de Guardiola, Abel Ferreira obviamente conhece a famosa teoria do catalão: “Títulos de liga são ganhos nos últimos oito jogos, mas são perdidos nos primeiros oito”.

Cair ante Internacional (0 a 1) e Athletico-PR (0 a 2) como mandante — Barueri não é a casa do time — cobrará um preço do Palmeiras. Não é caso de desistir do Campeonato Brasileiro, ainda. Mas já é caso de desanimar, depois de seis rodadas e apenas duas vitórias.

A Copa Libertadores é outro mundo. O Palmeiras só precisa vencer o San Lorenzo em casa, na quinta-feira (30), para garantir a melhor campanha da fase de grupos e todos os mandos de campo decisivos até a semifinal. O jogo marca a despedida de Endrick, que vai para a Copa América com o Brasil, e depois ruma para o Real Madrid.

Ainda que não jogue brilhantemente no torneio internacional, o Palmeiras conseguiu se manter invicto como visitante — com vitórias por goleada e virada — e ganhou as duas partidas que já fez em casa.

Jogou futebol suficiente para que o possível título de melhor time da fase de grupos não soe dissonante.

Já se viu esse filme

A situação de levar uma vida dupla não é novidade para o Palmeiras sob Abel. Em 2021, na bipolaridade que foi a temporada, o time também foi médico, na Libertadores, e monstro, no mal sentido, no Brasileirão.

Com 66 pontos, foi o terceiro colocado, a 18 do campeão, Atlético-MG, e a cinco do vice, o Flamengo. Que também foi vice na Libertadores que o Verdão conquistou em Montevidéu.

E é possível afirmar, sem medo de errar, que a maioria dos palmeirenses toparia repetir, neste ano, os desfechos dos campeonatos de três temporadas atrás.

Jogadores do Palmeiras levantam a Copa Libertadores de 2021, em Montevidéu, no Uruguai (Foto: Cesar Greco/ Palmeiras/ By Canon)

Campanhas semelhantes

Das 20 derrotas da equipe em 2021, doze foram no Brasileiro. Os números ainda são distantes, mas a proporção de 2024, com 40% da temporada transcorrido, é semelhante.

O Palmeiras perdeu três vezes neste ano, duas no Nacional. A terceira foi a 1ª final do Campeonato Paulista: 1 a 0 para o Santos.

Na Libertadores, o atual Palmeiras também chega à última rodada da fase de grupos com chance de ter a melhor campanha geral. Em 21, não deu.

Com os reservas, o time perdeu por 4 a 3 para o Defensa Y Justicia e viu o Atlético-MG, que seria sua vítima nas semifinais, ser o 1º geral.

Em 2024, quem vem na cola do Palmeiras, que decide a liderança novamente contra um time argentino, também é o Galo.

Time encontrado tardiamente e volta do Dudu

Outra coincidência deste Palmeiras com o de 2021 é o fato de o time chegar ao meio da temporada com indefinições na equipe. E com Dudu esperando do lado de fora por um lugar no time.

Naquele ano, o ponta retornava do Al Duhail, do Qatar. O clube árabe não exerceu seu direito de compra, mesmo já tendo pagado 7 milhões de Euros pelo empréstimo de um ano, a serem abatidos de uma futura venda definitiva por 13 milhões.

Dudu voltou a campo em 10 de julho de 2021. Mas, como o calendário estava atrasado, por conta da pandemia, o jogador voltou ao time na altura das oitavas da Libertadores, a 17 dias do confronto com a Universidad Católica.

A etapa de hoje do time na competição é a mesma. Mas o primeiro jogo das oitavas será daqui a 80 dias, por conta da paralisação do torneio, devido à Copa América.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo