Libertadores

Milito admite Atlético-MG abaixo, e quer fazer derrota para o Peñarol um aprendizado

Atlético teve controle da bola, mas não foi eficiente e agressivo como nas outras partidas, e Milito quer que o time aprenda com isso

O Atlético-MG perdeu pela primeira vez sob o comando de Gabriel Milito. Depois de 12 jogos de invencibilidade, o time do argentino caiu diante do Peñarol por 2 a 0, no Uruguai, na noite desta terça-feira (14). O treinador atleticano admitiu que o time não jogou o seu melhor, e quer fazer esse jogo um aprendizado para os outros que vão acontecer no mesmo molde.

O Atlético teve quase 80% de posse de bola no Uruguai. Mas, diferente dos outros jogos, em que transformava isso em uma superioridade ofensiva, criando muitas chances, acabou sendo barrado pelo Peñarol, que teve uma defesa impecável. Milito concorda que o time poderia ter feito mais ofensivamente, mas não tira os méritos do adversário.

— A partida foi difícil e sabíamos disso. Eles defenderam muito bem e nos cercaram em todos os domínios para poder atacar com clareza. Defenderam em seu campo para jogar em contra-ataque e aproveitar as nossas perdas. Há dias que estão mais precisos e há dias que estão menos. O futebol tem muito a ver com isso. Sei que estávamos fazendo partidas melhoras, mas levo também em conta o comportamento do rival, que defendeu e se fechou muito bem, não nos dando espaços — destacou Gabriel Milito.

Milito lamentou que, diferente dos outros jogos, o Atlético não tenha conseguido impor o seu jogo. Mais do que isso, ele lamentou que a derrota aconteceu por conta de dois lances praticamente idênticos, que foram cobranças de falta de Léo Fernandez que resultaram em rebotes concluídos a gol. O discurso vai de encontro com o que disse o capitão Hulk na saída do campo.

— Quando tava ganhando tínhamos que melhorar, e quando perde tem que melhorar mais ainda. O que importa é que todo mundo tem consciência de que não pode mais acontecer o que aconteceu hoje, no quesito de concentração. Não podemos tomar dois gols iguais — disse o camisa 7 à ESPN.

Derrota será aprendizado para o futuro

Um time dominante e de tanta qualidade como o Atlético vai, sem dúvidas, encontrar mais vezes adversários fechados como o Peñarol. Por isso, a derrota desta terça servirá como um grande aprendizado para o Galo nos próximos jogos que viver o mesmo cenário.

Tanto nas vitórias quanto nas derrotas temos que melhorar. Creio que na partida de hoje vamos tirar conclusões de como atacar melhor uma equipe que se fecha muito bem, pois muitos times vão jogar assim. Hoje não tivemos a clareza e a agressividade dos outros jogos para marcar. — Gabriel Milito

Para Milito, o poder de marcação do Peñarol foi o diferencial para o jogo, principalmente com os uruguaios conseguindo não deixar o time atleticano ter profundidade e usar sua principal arma de jogo: “Méritos do Peñarol, que nos neutralizou muito bem. Não deixava a gente ter profundidade, e, no futebol, se não pode ter profundidade, não consegue marcar”.

Apesar da derrota, que fez o Atlético perder os 100% que tinha na Libertadores até então, o Galo segue líder disparado do Grupo G, com 12 pontos. O Peñarol aparece com nove. Rosario Central (quatro pontos) e Caracas (um ponto) se enfrentam na quinta.

O Atlético só precisa de um empate na última rodada, quando enfrenta os venezuelanos em casa, para garantir a liderança do grupo, mas, mais que isso, o time de Milito almeja a liderança geral da Libertadores, que pode vir com uma vitória.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo