Libertadores

Júnior Santos brilha mais uma vez, e o Botafogo sai na frente do Bragantino por vaga nos grupos da Libertadores

Com dois gols de Júnior Santos, que se tornou o maior artilheiro do clube na história da Libertadores, o Glorioso venceu o Red Bull por 2 a 1, nesta quarta, no Nilton Santos, no jogo de ida da terceira fase da competição

O raio caiu mais uma vez no Nilton Santos. Em mais uma noite de Júnior Santos, o Botafogo venceu o Red Bull Bragantino por 2 a 1, nesta quarta-feira (6), e largou em vantagem no primeiro jogo da terceira fase da Copa Libertadores. O camisa 11, que tem o apelido de “Raio”, marcou os dois gols do Glorioso e assumiu a artilharia isolada do clube na história da competição, com sete gols – todos marcados nesta edição. Juninho Capixaba marcou para o Red Bull, que fez bom jogo e mostrou que está muito vivo por uma vaga na fase de grupos da Libertadores.

Com a vitória no Nilton Santos, o Botafogo tem a vantagem do empate para o jogo da volta, na próxima quarta-feira (13), às 21h30 (horário de Brasília), no Nabi Abi Chedid. Se o Red Bull vencer por um gol de diferença, a decisão será nos pênaltis.

Como foi a vitória do Botafogo sobre o Red Bull

Botafogo e Red Bull Bragantino fizeram uma partida de ideias parecidas no Nilton Santos. Com um time jovem e veloz, o time paulista armou conta o Glorioso um estilo de jogo que lembrava o próprio alvinegro. Alternando pressão alta com uma mais baixa e transições rápidas, o Massa Bruta fez o Botafogo encarar seu próprio estilo.

E, muito mais entrosado que o Botafogo, o Red Bull conseguiu se impor e, em boa parte do jogo, ser melhor em campo. Desde os minutos inicias da partida, o time paulista foi mais eficiente na sua ideia de jogo. Quando pressionava a saída de bola, o time de Pedro Caixinha logo acionava Eduardo Sasha e Helinho. No entanto, os visitantes não conseguiam levar tanto perigo ao gol de Cleiton.

O Botafogo, por outro lado, tinha mais a bola, mas abusou dos lançamentos para os pontas, principalmente Júnior Santos. Sempre buscando as costas dos laterais do Red Bull, o Glorioso até conseguiu chegar na área adversária, mas também tinha dificuldades para finalizar as jogadas.

Dessa forma, o jogo ficou equilibrado, com posse de bola praticamente dividida e poucas finalizações. A primeira grande chance de gol só aconteceu aos 33′, em lance que acabou anulado por impedimento. Júnior Santos fez grande jogada individual pela direita e rolou para Toquinho Soares, que estava livre no meio da área, mas não alcançou a bola.

Mas o raio caiu mais uma vez no mesmo lugar. Aos 45′, Júnior Santos mais uma vez recebeu em velocidade pela direita, driblou Juninho Capixaba e, dessa vez, cortou para o meio e finalizou no contra-pé de Cleiton. O gol fez o camisa 11 se isolar como o maior artilheiro do Botafogo na história da Copa Libertadores. Mas a noite reservava uma marca ainda maior para Júnior Santos.

No entanto, assim como o raio caiu na área do Red Bull, o Botafogo também voltou a sofrer com algo corriqueiro na sua história recente: a velha dificuldade em manter um placar positivo. No lance seguinte, o último do primeiro tempo, o mesmo Júnior Santos fez uma falta no lado direito da própria área. Helinho levantou a bola e Juninho Capixaba mandou, de cabeça, para as redes.

Em jogo brigado, Júnior Santos aparece novamente

Na volta do intervalo, o jogo ficou mais aberto, mas também mais brigado. O árbitro deixava o jogo correr e, assim, também deixava de marcar algumas faltas, o que fez a intensidade das dívidas aumentar. No começo da etapa final, Helinho e Alexander Barboza e Eduardo Sasha e Lucas Halter protagonizaram, em momentos diferentes, discussões. A primeira delas terminou em uma troca de empurrões generalizadas.

Com a bola rolando, o Red Bull tentava chegar no ataque trocando passes, enquanto o Botafogo insistia nos lançamentos para Júnior Santos. E foi próprio camisa 11 que resolveu mesmo a partida para o Botafogo. Mas, de novo, ele precisou de duas oportunidades para marcar.

Primeiro, aos 26′, Júnior Santos recebeu um lançamento pela direita, avançou pela área e deu um corte em Luan Cândido, mas a zaga se recuperou e conseguiu cortar. No lance seguinte, o camisa 11 tabelou com Damián Suárez e recebeu dentro da área. Ele dominou, a bola subiu, e emendou um voleio, marcando um golaço – o seu sétimo nesta Copa Libertadores e aumentando ainda mais a sua vantagem na artilharia histórica do Botafogo na competição.

No fim, o Red Bull tentou pressionar e, pelo histórico recente do Botafogo, gerou alguns momentos de tensão nas arquibancadas do estádio. Mas o Glorioso conseguiu segurar o resultado e leva a vantagem para o jogo de volta, na próxima semana, em Bragança Paulista.

Estatísticas de Botafogo 2 x 1 Red Bull Bragantino

  • Posse de bola: 46,7% x 53,2%
  • Passes certos: 216 x 295
  • Finalizações (certas): 7 (5) x 8 (4)
  • Faltas: 11 x 14
  • Desarmes: 7 x 2
  • Lançamentos (certos): 36 (14) x 22 (6)

Próximos jogos do Botafogo

  • Sampaio Corrêa x Botafogo – Campeonato Carioca – domingo, 10 de março de 2024 – 16h (horário de Brasília);
  • Red Bull Bragantino x Botafogo – Copa Libertadores – quarta-feira, 13 de março de 2024 – 21h30 (horário de Brasília);
  • Botafogo x Sampaio Corrêa – Campeonato Carioca – sábado, 16 de março de 2024 – Horário a definir;
Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo