Libertadores

Guia Libertadores 2023 – Grupo F: Boca Juniors, Colo-Colo, Deportivo Pereira e Monagas

Pode não ser o grupo mais difícil, mas o Boca Juniors chega com problemas

Este conteúdo é parte do Guia Trivela da Libertadores 2023. Clique e confira mais.

O Boca Juniors seria o favorito, se pelo menos tivesse um técnico, mas ainda está tentando buscar substituto para Hugo Ibarra. Começando um novo trabalho, pode ter algumas dificuldades em um grupo com credenciais: o campeão chileno Colo-Colo, o campeão colombiano Deportivo Pereira e o vice-campeão venezuelano Monagas.

Boca Juniors

O ex-lateral Hugo Ibarra assumiu o Boca após a demissão de Sebastián Battaglia, inicialmente como interino. Após conquistar a Superliga, em condições épicas e com ajuda do River Plate, foi confirmado para a temporada 2023. A convicção de Juan Román Riquelme era tão grande que ele não aguentou a primeira sequência ruim de resultados e foi demitido a uma semana da estreia na Libertadores.

O Boca está atrás de um treinador com perfil mais experiente e já levou um não de Tata Martino – até Luiz Felipe Scolari, teoricamente aposentado, foi especulado. É difícil saber qual será a cara do time que somou apenas 14 pontos nas primeiras nove rodadas do campeonato nacional, já a sete do líder River Plate.

O elenco conta com algumas figurinhas carimbadas. Sergio Romero ainda está lá debaixo das traves, a defesa tem Frank Fabra, Marcos Rojo e Luis Advíncula, e Darío Benedetto é a esperança de gols na frente. É o favorito no grupo, mas com tantas incertezas, se torna difícil entender o que este Boca pode oferecer. Ao menos se classificar deve conseguir e daí em diante, como sabemos, as coisas mudam.

Colo-Colo

Colo-Colo recuperou o título chileno após cinco anos

O Colo-Colo teve dois anos atribulados no Campeonato Chileno. Em um deles, precisou disputar os playoffs para evitar um rebaixamento trágico. Respirando mais aliviado, brigou pelo título chileno e chegou a tê-lo nas mãos, mas uma derrocada nas rodadas finais permitiu o tetracampeonato da Universidad Católica. Finalmente o título veio, o primeiro desde 2017, com certa tranquilidade.

Até porque tem um especialista no comando. Gustavo Quinteros, argentino nacionalizado boliviano, foi chamado para evitar a queda. Não apenas conseguiu como dois anos depois conquistou o seu oitavo título nacional na América do Sul. O técnico alterna entre sistemas com três e quatro zagueiros, mas indicou preferência pelo trio de defensores ao analisar o grupo “duríssimo” que terá pela frente.

A saída de Juan Martín Lucero para o Fortaleza será uma baixa importante. O Colo-Colo ainda conta com o veterano atacante Leonardo Gil e espera muito do jovem Damián Pizarro, de 18 anos. Briga pela vaga na próxima fase.

Deportivo Pereira

Torcida do Deportivo Pereira comemora primeiro título

Precisou de paciência. Disputou a primeira divisão 72 vezes até ser campeão ao vencer o Finalización da última temporada do Campeonato Colombiano contra o Independiente Medellín, nos pênaltis. Fundado em 1944, e com uma história de altos e baixos, era o segundo clube com mais participações na elite sem levantar uma taça.

Estreará na Libertadores com um elenco que conta com poucos medalhões, especialmente após perder o goleiro “Chipi Chipi” Castillo para o Atlético Nacional, um dos destaques do título. Outras baixas importantes foram o atacante Leonardo Castro, autor de 15 gols em 26 partidas do Finalización, que acertou com o Millonarios, e o meia Brayan Muñiz, agora com o Junior Barranquilla.

Conta com a juventude do técnico Alejandro Restrepo, 40 anos, que passou pelo sub-17 da Colômbia e treinou nas categorias de base do Atlético Nacional. Assumiu a equipe principal e chegou a conquistar a Copa da Colômbia (goleando o Deportivo Pereira na final), mas teve vida curta no cargo. Sonha com a classificação, mas ir para a Sul-Americana, com o terceiro lugar, já será um bom resultado.

Monagas

Andrés Romero enfrenta o Brasil pelo Sul-Americano sub-20 (Foto: JUAN PABLO PINO/AFP via Getty Images/One Football)

Teve a chance de conquistar seu segundo título venezuelano. E não era uma chance pequena porque enfrentou o Metropolitanos, fundado há cerca de uma década e com pouca experiência de primeira divisão, na final. Foi derrotado nos pênaltis, mas ainda conseguiu sua segunda melhor campanha e ganhou vaga direta nos grupos da Libertadores.

É sua terceira participação na competição e a segunda nesta fase. Na outra, em 2018, foi lanterna na chave do Grêmio. O treinador é Jhonny Ferreira, no comando desde 2016, depois de uma passagem pelo Carabobo. A nova campanha começou bem, com 14 pontos em oito rodadas.

Um dos seus destaques é o garoto Andrés Romero, meia de 20 anos, que esteve com a seleção venezuelana no Sul-Americano sub-20 e representou o time principal em três amistosos no ano passado. É candidato a lanterna e tentará conquistar alguma vitória para escrever uma boa história.

Confira mais do Guia Trivela da Libertadores 2023

Foto de Bruno Bonsanti

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.
Botão Voltar ao topo