Libertadores

O que Luxemburgo tem a ver com jogo da vida do Grêmio na Libertadores?

Novamente em jogo decisivo pela Libertadores, Tricolor Gaúcho encara o Huachipato, nesta terça-feira (4), no Chile

O Grupo C da Libertadores 2024 proporciona ao Grêmio reeditar momentos icônicos de sua história. Depois da Batalha de La Plata, contra o Estudiantes, nesta terça-feira (4), às 21h, o Tricolor Gaúcho volta a enfrentar o Huachipato, no Estádio CAP, em Talcahuano, no Chile, que foi palco, literalmente, de confronto entre as equipes em 2013.

Em 18 de abril daquele ano, Huachipato e Grêmio se enfrentaram pela última rodada do Grupo 8 da Libertadores. Com sete pontos cada, quem vencesse se classificava, junto com o Fluminense, para as oitavas de final. No final das contas, o empate em 1 a 1 fez com que o Tricolor Gaúcho avançasse.

Depois da partida, uma confusão se instaurou no gramado. Ao tentar fugir para o túnel, rumo ao vestiário, o treinador do Grêmio, Vanderlei Luxembrugo, escorregou próximo aos policiais e protagonizou uma cena que se tornou folclórica.

Luxemburgo disse que não entendeu a agressividade dos chilenos

Na entrevista coletiva após o jogo, Luxemburgo deu sua versão sobre o início da briga. Segundo o treinador, ele foi cumprimentar o trio de arbitragem, quando Marcelo Rosenblat, preparador físico do Huachipato, partiu para cima dele.

— Um senhor lá chegou e falou pra mim: ‘hoje você não está reclamando como você reclamou lá?’ Falei ‘não, um dia você reclama, outro dia você não reclama e faz parte do jogo de futebol’. Peguei e fui saindo. Ele foi se aproximando de mim, tentando perguntar ‘o que está acontecendo?’ Quando percebi que ele ficou nervoso, comecei a correr, caminhar um pouco mais forte, porque eu percebi que ele queria uma confusão — contou Luxemburgo.

A indignação, então, se estendeu ao treinador do Huachipato, Jorge Pellicer. Tanto ele quanto jogadores da equipe chilena perseguiram o técnico gremista.

— Percebi o treinador deles também chegando. Não entendi o porquê dessa agressividade. Não vou querer confusão. Saí correndo para entrar no túnel. A gente já conhece como funciona isso. Quando fui entrar no túnel, fecharam o túnel. E aí eu escorreguei. Escorreguei e caí no meio dos policiais. Me parece que um jogador deles veio me agredir. Eu sentei, botei o pé para proteger, aí tomei um pisão ali dos policiais, me atropelaram — relatou Luxemburgo.

Segundo os chilenos, Luxemburgo desejou boas ‘vacaciones’

Conforme a versão dos chilenos, o treinador do Grêmio foi irônico após o final do jogo. Como provocação, teria desejado boas ‘vacaciones‘ (férias, em português) para os adversários.

— Meu preparador físico Marcelo Rosenblat me contou que Luxemburgo foi irônico, tirou sarro de nós. É uma conduta antidesportiva. Disse que nós já estávamos de férias, com, um gesto com a mão — declarou, à época, Pellicer.

A intriga era resquício do jogo em Porto Alegre, na Arena do Grêmio, em que o Huachipato venceu por 2 a 1 e Luxemburgo atribuiu a derrota à arbitragem.

— Eu não tive contato com Luxemburgo. Ele tem prestígio, mas suas atitudes não têm grandeza. Na partida de Porto Alegre, nos superamos e vencemos. Fui cumprimentar e ele não retribuiu. E depois ele atribuiu nossa vitória a erros de arbitragem. Disse que vencemos porque falamos o mesmo idioma do árbitro. Hoje eu acredito no meu preparador físico, que disse que ele manteve a conduta inapropriada — acrescentou Pellicer.

Grêmio precisa quebrar tabu para garantir classificação antecipada

11 anos depois, o encontro entre as duas equipes no Chile novamente tem caráter decisivo. O Huachipato está na segunda colocação do Grupo C, com oito pontos, enquanto o Grêmio é o terceiro colocado, com seis. Quem vencer se classifica, ao passo em que o empate deixa a decisão da vaga para sábado (8), às 19h, quando o Tricolor Gaúcho enfrenta o Estudiantes, no Couto Pereira.

Com dez pontos, o The Strongest já está classificado para a próxima fase, mas aguarda os dois jogos restantes para saber se em primeiro ou segundo. Conforme sorteio realizado na última segunda-feira (3), na sede da Conmebol, o líder deste Grupo C enfrenta o Peñarol nas oitavas de final, e o vice-líder pega o Fluminense.

Para alcançar a classificação já na noite desta terça-feira (4), o Grêmio precisa quebrar um tabu, à medida que nunca venceu o Huachipato. Além dos dois duelos de 2013, o Tricolor Gaúcho perdeu para os chilenos por 2 a 0, no último dia 9 de abril, na Arena do Grêmio.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho, formado em jornalismo pela PUC-RS e especializado em análise de desempenho e mercado pelo Futebol Interativo. Antes da Trivela, passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo