Libertadores

Auxiliar do Botafogo exagera em elogios ao time depois de frustrante empate pela Libertadores

Com Tiago Nunes expulso, coube ao auxiliar técnico Evandro Fornari tentar explicar o empate do Botafogo com o Aurora, da Bolívia, pela Copa Libertadores

O Botafogo, mais uma vez, deixou escapar uma vitória nos minutos finais. Na noite da última quarta-feira, o Glorioso saiu na frente contra o modesto Aurora, da Bolívia, pela jogo de ida das segunda fase da Copa Libertadores, mas, no último lance, sofreu o empate em 1 a 1, em Cochabamba. O resultado acabou deixando o confronto em aberto para o jogo de volta, no Nilton Santos, na próxima semana.

Com o técnico Tiago Nunes expulso por provocar o treinador adversário durante o segundo tempo, o auxiliar Evandro Fornari foi o responsável por tentar explicar o resultado depois da partida. E, em coletiva de imprensa, Fornari valorizou exageradamente o empate conquistado na altitude de Cochabamba.

– Antes de tudo dar os parabéns para os nossos atletas. É sempre muito difícil jogar aqui, é um campo pesado, altitude, e a gente conseguiu cumprir dentro de um plano de jogo. Claro que a nossa ideia era conquistar a vitória, mas esse empate deixa a séria aberta e agora nós temos dentro da nossa casa plenas condições de conseguir passar de fase – afirmou Evandro Fornari após o empate com o Aurora, pela Copa Libertadores.

É claro que é importante ressaltar o fato altitude – Cochabamba fica 2.550 metros acima do nível do mar -, e o gramado do Estádio Félix Caprilles, que, de fato, estava em péssimas condições. E também não se pode esperar muitas criticas públicas nas tradicionais coletivas de imprensa pós-jogo. No entanto, depois de mais uma vez o Botafogo não ter conseguido segurar uma vitória, o representante da comissão técnica do Botafogo falar que o time “conseguiu cumprir dentro de um plano” soa exageradamente otimista em meio a pressão que o clube vive desde a última temporada pelo fracasso no Campeonato Brasileiro.

Auxiliar também exagerou ao falar sobre atuação do Botafogo

Depois de sair vencendo no primeiro tempo, com gol de Júnior Santos, o Botafogo recuou demais na etapa final e foi pressionado pelo Aurora, que conseguiu o empate nos minutos finais do jogo, na Bolívia. Ao tentar explicar a estratégia utilizada no segundo tempo, quando Tiago Nunes mexeu no time e recuou a equipe, o auxiliar Evandro Fornari disse que a ideia era manter o que foi feito no primeiro tempo.

– As substituições do segundo tempo foram para reter a bola. A ideia era continuar jogando e ter uma transição muito forte. Dentro do nosso plano de jogo, a gente conseguiu algumas coisas que poderíamos ter ajustado no final do jogo. A ideia era manter o que estávamos fazendo no primeiro tempo – disse Fornari.

No entanto, o Botafogo não havia feito um bom primeiro tempo. A “transição muito forte” só aconteceu em um lance, que acabou gerando o pênalti desperdiçado por Tiquinho Soares. E, na segunda etapa, o time foi pior ainda, jogando muito recuado e “chamando” o Aurora para a sua área.

Apesar da frustração do empate na Bolívia, o Botafogo tem boas condições de conseguir avançar na Copa Libertadores contra o Aurora, que se mostrou um time muito limitado tecnicamente. Mas o auxiliar reconheceu que o confronto segue em aberto para o jogo da próxima quarta-feira (28), às 21h30 (horário de Brasília), no Nilton Santos.

– Sem sombra de dúvida que vai ser um jogo difícil, mas tratando de nós jogarmos em nossa casa, com a força do nosso torcedor, a gente tem, como falei, plenas condições de fazer um bom jogo e passar para a próxima fase – finalizou o auxiliar do Botafogo.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo