América do SulLibertadores

Inesquecível

Neymar dribla a defesa do Inter e para dentro do gol… Duas vezes
Data: 07/03/2012
O que aconteceu: O Santos vinha de uma derrota “estranha” para o The Strongest na Bolívia. Apesar de os santistas terem jogado melhor que os bolivianos, as falhas nas finalizações deram o 2 a 1 para o time da casa. Por isso vencer na Vila Belmiro era fundamental para a equipe engrenar na Libertadores. Depois de fazer de pênalti o 1 a 0, Neymar passou a infernizar a defesa do Internacional com suas arracandas e passes precisos. Aos oito minutos do segundo tempo ele fez mais ainda. Era um ataque do Inter e Oscar foi desarmado por Juan. O lateral deixou a bola nos pés de Neymar, ainda no campo de defesa. O camisa 11 então correu…. Com um toque na bola deixou Bolatti pra trás… Vieram então os gigantes Nei e Moledo que, recuando, pensavam a cada instante o que o garoto faria com a redonda. Neymar não teve dúvidas: sempre com a bola colada aos pés, passou no meio dos dois e depois tirou do goleiro. Genial! Lindo! Único? Não. Dez minutos depois a joia santista promoveu quase um replay do outro gol: recebeu de costas no meio de campo e, com um toque rápido, deixou Moledo na saudade. Neymar então correu…. E ninguém nem chegou perto de alcançá-lo. O garoto só foi parar mesmo dentro do gol, depois de dar outro toque por cobertura para selar o 3 a 1.

Emelec e Olimpia fazem três gols em cinco minutos e Flamengo é eliminado
Data:
12/04/2012
O que aconteceu: A vitória por 3 a 2 contra o Flamengo no último minuto deixou os jogadores do Emelec empolgados. Afinal de contas, a equipe que tinha apenas uma vitória nos quatro primeiros jogos poderia até avançar para as oitavas de final se vencesse o Olimpia. O problema era conseguir esse feito jogando fora de casa, no Defensores del Chaco. Ao Olimpia também só interessava a vitória, uma vez que o Flamengo ainda tinha chances de se classificar. Depois de um primeiro tempo com ocasiões de gol para os dois times, coube a Castorino abrir o placar para o Decano. O resultado classificava os paraguaios e mandava Emelec e Flamengo para suas respectivas casas. A segunda etapa começou com os equatorianos atacando, sempre na base dos cruzamentos para a área. Um deles deu certo e Mondaini mandou para as redes. O 1 a 1 eliminava os dois times e colocava o Flamengo na próxima fase. O medo da derrota deixou paraguaios e equatorianos longe de darem tudo o que poderiam. Aos 42 minutos da segunda etapa, no entanto, o Emelec rompeu o equilíbrio e Mena fez o 2 a 1. Partida decidida? Não. Três minutos depois Zeballos empatou o jogo e fez os flamenguistas irem ao delírio. Só restava esperar os acréscimos para os cariocas comemorarem aquela classificação que parecia tão improvável. Mas, como o sábio diz, só acaba quando termina. Aos 46 minutos da segunda etapa o Emelec consegue um escanteio. Todos sabem que este será o último lance da partida. Extenuados, os 22 em campo buscam forças para mais aquela batalha. Aos 47 a bola sobe… passa por toda a área…. e encontra Luis Quiñonez na segunda trave. Ele testa de lado. A bola vai reta. Ele acaba com o sonho dos flamenguistas. Final: 3 a 2 e Emelec classificado.

Torcida do Nacional faz festa mesmo com o time eliminado e perdendo para o Vasco
Data:
12/04/2012

O que aconteceu: O Nacional do Uruguai já estava eliminado. O Vasco já estava classificado, mas ainda queria a primeira posição. Mesmo assim os uruguaios foram com tudo para a partida, bem como os torcedores, que lotaram o Gran Parque Central, em Montevidéu. Os cariocas saíram na frente com Diego Souza, aos 11 do segundo tempo. Com um time notoriamente inferior na parte técnica, o Nacional bem que tentou, mas pouco conseguiu criar. Sem problemas. Para a apaixonada torcida do Bolso o simples fato de o time tentar já é motivo para a festa. Perto dos 40 minutos da segunda etapa os bolsilludos cantaram mais forte. Com fogos e sinalizadores, os uruguaios transformaram o marasmo de um final de jogo sem ambição em uma linda festa. Nem parecia que o Nacional estava perdendo. Nem parecia que o clube do coração daqueles torcedores já havia sido eliminado. Nada mais importava. Só havia espaço para o amor ao Tricolor.


Goleiro do Arsenal faz pênalti, é expulso, mas atacante pega a cobrança de Thiago Neves
Data:
18/04/2012
O que aconteceu: O jogo em si não valia tanto assim; Fluminense e Boca Juniors já estavam classificados para as oitavas de final da Libertadores, enquanto o Arsenal não tinha mais chances. Valia para o time carioca a primeira colocação no grupo, algo que pareceu ainda mais palpável depois de Carlinhos abrir o placar ainda no primeiro tempo. Aos 35 da segunda etapa, porém, tudo mudou. Na cobrança de falta de Adrián González, Nicolás Aguirre ganhou de Diego Cavalieri e empurrou para as redes. Cinco minutos depois Thiago Neves foi derrubado pelo goleiro Campestrini, que acabou sendo expulso. Sem mais alterações a fazer, coube ao atacante Diego Torres ir para o gol tentar fazer um qualquer coisa. O próprio Thiago Neves foi para a bola com a certeza de que sua vida havia sido facilitada. Com seu caminhar lento o camisa 7 do Flu caminhou para bater… Com toda a sua falta de jeito, Torres correu para o canto direito…. E pegou o pênalti. No fim o jogo ainda reservou um gol de Rafael Moura aos 47 minutos. O tento valeu a classificação em primeiro lugar, mas não a lembrança nos anos vindouros.

Universidad de Chile consegue o impossível e faz 6 a 0 no Deportivo Quito.
Data:
10/05/2012
O que aconteceu: Os mais pessimistas já davam a classificação como definida. Afinal de contas, o Deportivo Quito havia enfiado 4 a 1 em uma das equipes mais badaladas do continente. Para conseguir avançar às quartas de final, La U precisava fazer três gols e não tomar nenhum. Tarefa difícil em condições normais, mais ainda contra o bem arrumado time equatoriano. Os primeiros 19 minutos foram de tensão. Como de praxe a Universidad de Chile ficava com a bola, mas sofria demais nos contra-ataques armados pelos chullas. Isso mesmo, os primeiros dezenove minutos. Aos 20 Junior Fernandes recebeu de Lorenzetti e abriu o marcador. Havia esperança. Aos 29 o mesmo Junior mostrou categoria e estrela para jogar uma bola no ângulo do arqueiro Elizaga. Havia expectativa. Aos 35 Marcelo Diaz chutou quase do meio de campo…A bola desviou em Saritama e entrou. Havia uma classificação. No segundo tempo um incrédulo Deportivo Quito tentou a todo custo fazer o gol, mas não conseguiu… Acabou levando o quarto, o quinto e o sexto.

Santiago Silva cala o Engenhão
Data:
23/05/2012
O que aconteceu: A missão do Fluminense era relativamente simples, dado o massacre que a equipe poderia ter levado na Argentina: bastava vencer o Boca por 2 a 0 para avançar às quartas de final. A tarefa pareceu ainda mais fácil depois de Carleto abrir o placar com 16 minutos de bola rolando. No intervalo do jogo a serenidade deu lugar à mística e à empolgação. Carleto chorou pelo pai, que havia sonhado com aquele gol. O sonho de marcar o segundo tento, porém, ficou em algum lugar do vestiário. Mal no jogo o Flu pouco criou e ainda desperdiçou a chance que teve com Rafael Moura. Cansados e sem grande inspiração, os cariocas pareciam esperar que o apoio da torcida garantisse a vitória nos pênaltis. O jogo de fato se encaminhava para isso. Santiago Silva, no entanto, não estava de acordo. A partida já tinha 46 minutos do segundo tempo quando Sanchez Miño chutou e Cavalieri fez um milagre. Ali todos pareciam dizer: vamos para os pênaltis. El Tanque, porém, decidiu correr… Livre de marcação e com a bola nos pés, o camisa 19 xeneize só empurrou para o fundos das redes, calando o Engenhão.

Diego Souza tem a bola do jogo, mas Cássio salva o Corinthians
Data:
23/05/2012
O que aconteceu: O confronto em São Januário havia sido 0 a 0. O jogo no Pacaembu seguia na mesma toada, com duas equipes pouco criativas, mas de muita entrega dentro das quatro linhas. O Corinthians voltou para o segundo tempo querendo definir o jogo. Em uma cobrança de escanteio corintiana a zaga vascaína ganhou e Alessandro fez algo que os paulistas não haviam feito – e não fariam de novo – nos momentos decisivos: errou. Diego Souza roubou a bola e correu sem marcação para o gol… Quando viu que ninguém o acompanhava de perto, o camisa 10 até diminuiu o passo. O torcedor corintiano olhou a cena em pânico. Será que mais uma vez um defensor seria o culpado pelo fim do sonho de conquistar a Libertadores?  Diego Souza olhou para a bola, olhou para Cássio e pensou nas três ou quatro alternativas que tinha. Dois segundos depois, com um gigante de 1,98m de amarelo a alguns centímetros da bola, ele se decidiu… O toque de perna direita visava o canto esquerdo e Cássio, que esperara a definição, se esticou… A bola pegou na palma de sua mão e foi para fora. Começava ali a arrancada corintiana rumo à sua maior glória.

Paulinho faz o gol e comemora com a torcida e Tite, que havia sido expulso
Data:
23/05/2012
O que aconteceu:  Passados 176 minutos do início do duelo entre Corinthians e Vasco pelas quartas de final da Libertadores, poucos acreditavam que o gol que não saíra até então poderia acontecer naquele momento. O Vasco estava em frangalhos na parte física. O Corinthians na parte emocional. Os cariocas queriam os pênaltis. Os paulistanos estavam apreensivos após o quase-gol de Diego Souza e a expulsão do técnico Tite. Aos 41 minutos, em um último espasmo na busca pela vitória, Alex cobra rápido uma falta no lado esquerdo do ataque. A zaga vascaína manda para escanteio e as penalidades se aproximam ainda mais. Mesmo assim os corintianos vão para a área tentar o cabeceio. Alex coloca a bola com carinho no semi-círculo e manda ela no centro da área. A redonda viaja em meio à respiração presa dos milhões de corintianos em todo o mundo… Ao mesmo tempo Paulinho puxa um último fôlego e corre em direção a ela, que como se valorizasse a entrega do volante se oferece ao cabeceio. A bola vai no canto esquerdo de Fernando Prass e entra… Ensandecido, como o bando de loucos que o acompanha, o volante corintiano grita em direção às arquibancadas, que responde a plenos pulmões. No meio daquela massa alvinegra um ilustre torcedor abraça outros não tão ilustres: é o técnico Tite, que vibra como se fosse – e não é? – mais um deles. É a vitória do Corinthians.

Romarinho marca um gol logo em seu primeiro toque na bola em uma Libertadores
Data:
27/06/2012
O que aconteceu:  Depois de anos e anos de espera e troça dos adversários, o Corinthians estava a dois jogos do título inédito da Libertadores. O adversário, porém, era o temido e lendário Boca Juniors. A partida era na temida e lendária Bombonera. O jogo era truncado, feio, mas cheio de emoção e tensão, como já era de se esperar. Um escanteio, no entanto, mudou a cara da partida. Após sucessivos erros nas cobranças, Riquelme deixou a bola para Mouche bater. O lépido e contestado atacante xeneize parecia predestinado. Com rara técnica ele bateu na segunda trave. A cabeçada pro chão caiu de frente para Santiago Silva que testou para o gol quase vazio. Quase porque Chicão colocou a mão na bola e evitou o tento. Roncaglia, porém, não perdoou. Com o time jogando mal e sem muitas opções, Tite resolveu apostar na velocidade do estreante Romarinho, prestigiado após os dois gols marcados sobre o Palmeiras no Brasileirão. Não era Mouche o predestinado… Era Romarinho! A bola estava nos pés de quem melhor sabia tratá-la: Riquelme. Mesmo assim, ele não consegui ficar com ela. Paulinho então arrancou com sua força característica. Emerson, de costas, deu um drible sensacional em Caruzzo e enfiou a bola para Romarinho. No primeiro toque dele na bola em uma Libertadores o gol. Não um gol… O gol.

Wilmar Rondán apita e o Corinthians conquista sua primeira Libertadores
Data:
04/07/2012
O que aconteceu: Empurrado por quase 40 mil torcedores o Corinthians não podia falhar. Nunca a equipe estivera tão perto do título e nunca tão preparada para a conquista. Os primeiros minutos foram difíceis… Tensos mesmo. Mas, aos poucos, os corintianos lembraram o porquê de estarem ali. Os milhões e milhões de olhares sob aqueles 11 jogadores tinham uma razão fortíssima. Alguns poucos diriam que ali estava acontecendo apenas uma partida de futebol. Era mais que isso. Eram sonhos, glórias, decepções… Era a redenção. E ela veio de uma forma até menos sofrida que o esperado. Aos 8 minutos Alex tinha a chance de mandar a bola na área para os grandalhões da equipe. Não o fez. Em vez disso o camisa 12 jogou a redonda na cabeça do baixinho Jorge Henrique, que desviou pra trás. A bola subiu e desceu na área, mas só Danilo a encontrou. De calcanhar o camisa 10 serviu Emerson, que não perdoou: estava armada a maior festa da vida dos corintianos. O Boca nada fez para impedir a glória alvinegra. Na verdade, os xeneizes até deram uma força, depois que Schiavi errou na saída de bola e deixou Emerson se consagrar. Um 2 a 0 inapelável. O apito final de Wilmar Rondán foi histórico. O Corinthians ganhara sua primeira Libertadores.

Seleção da Libertadores 2012

Cássio (Corinthians); Cubero (Vélez Sarsfield), Leandro Castán (Corinthians), Insaurralde (Boca Juniors) e Mena (U.de Chile); Diaz (U.de Chile) e Paulinho (Corinthians); Danilo (Corinthians), Riquelme (Boca Juniors) e Pabón (Atlético Nacional); Emerson (Corinthians)
Técnico: Tite (Corinthians)

Chilenas

– O O’Higgins quase conseguiu o primeiro título nacional de sua história. O problema é que o adversário era a Universidad de Chile. Pior: a Universidad de Chile ajudada pela arbitragem. Depois de sair na frente o Ohi tomou o empate em um pênalti inexistente marcado a favor de La U. O gol acendeu a torcida, que empurrou os azules até os minutos finais, quando Marino acertou um voleio para decretar o 2 a 1. O resultado levou o jogo para os pênaltis, onde brilhou a estrela do goleiro Johnny Herrera. O camisa 25 pegou três cobranças e garantiu o título do Apertura. Mais que a conquista, o trofeu representa um tricampeonato inédito para a Universidad de Chile.

– A semana foi de boas notícias para La U. Além do título, a direção anunciou que Jorge Sampaoli continuará como treinador da equipe. A permanência do argentino estava em dúvida depois de o comandante expressar insatisfação pelo desmanche que a equipe sofrera e que sofrerá também agora. Os dirigentes, no entanto, anunciaram que vão investir. Aliás, já houve investimento. A Universidad de Chile anunciou três nomes para o restante de 2012. São eles: Sebastián Ubilla, atacante que chegou a jogar contra o Boca, Ezequiel Videla, meiocampista que estava no Instituto de Córdoba, da Argentina, e Enzo Gutierrez, atacante do próprio O’Higgins.

Paraguaias

– O domingo será de decisão no Apertura paraguaio. Teremos literalmente uma final em pontos corridos, já que na última rodada acontecerá o confronto entre Olimpia e Cerro Porteño, primeiro e segundo colocados, respectivamente. O Olimpia joga pelo empate, uma vez que tem 47 pontos ante 46 do Cerro. A partida acontecerá no Defensores del Chaco às três da tarde do horário local.

– Vale dizer: o Decano poderia ter sido campeão na última quarta-feira. Bastava vencer o Sportivo Luqueño ou torcer para um tropeço do Cerro contra o Sol de América. Não deu certo. O Olimpia perdeu por 2 a 1 e viu o Ciclón fazer 2 a 0.

Equatorianas

– Fim de semana de decisão também em terras equatorianas. O Barcelona precisa de uma vitória contra o Deportivo Cuenca fora de casa para encerrar um jejum de 15 anos sem títulos. A equipe vem de vitória contra o Técnico Universitario por 3 a 0.

– Os outros postulantes ao título são a Liga de Loja e o Independiente, que se enfrentam também no domingo. A Liga de Loja precisa vencer e torcer por um empate ou derrota do Barcelona, enquanto o Independiente precisa de vitória e necessariamente derrota da equipe de Guaiaquil.

Colombianas

– Temos final definida também no Apertura da Colômbia. Nesta quinta-feira o Santa Fe derrotou La Equidad por 2 a 1 e garantiu o primeiro lugar no grupo B dos quadrangulares decisivos. O Expreso Rojo enfrentará o Deportivo Pasto, que venceu o Tolima por 3 a 1 na quarta-feira, ficando com a liderança da chave A.

– A primeira partida da decisão será disputada no dia 11, em Pasto. A volta acontece no dia 15.

– Na segunda divisão o América de Cali venceu o Unión Magdalena nos pênaltis e se sagrou campeão do Apertura. Como falamos na coluna da semana passada, o título garante a equipe na decisão da temporada – que dá o acesso direto – e dá aos Diablos o direito de enfrentar o penúltimo da elite colombiana por uma vaga na primeirona.

Peruanas

– No Peru, a Universidad César Vallejo venceu o Inti Gas e manteve a liderança, agora com 40 pontos em 20 jogos. A segunda posição continua com o Real Garcilaso, que venceu o Sporting Cristal por 3 a 0 e que chegou a 38 pontos. Sporting Cristal, Melgar e Inti Gas completam os cinco primeiros.

– A crise do Alianza Lima segue à toda. A equipe negociou o atacante José “Zlatan” Fernández com o Argentinos Juniors, enquanto diversos jogadores estão rescindindo contrato com o clube em meio à nova política salarial imposta. Os interventores querem cortar os pagamentos dados aos futebolistas pela metade, razão pela qual muitos estão rompendo seus vínculos.

Bolivianas

– Mudanças na seleção boliviana. O argentino Gustavo Quinteros decidiu deixar o comando de La Verde após ser informado que a Federação atenderia ao desejo dos clubes e não permitiria concentrações maiores do que dez dias para os atletas da seleção. Quinteros considerou a situação insustentável e deixou a barca.

– O substituto já foi decidido: o espanhol Xabier Azkargorta. O treinador foi responsável pela classificação boliviana ao Mundial de 1994. Seu último trabalho na função foi em 2005, quando dirigiu o Chivas.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo