América do Sul

10 que podem brilhar

Sempre que assistimos os jogos da Libertadores, nos deparamos com vários jogadores talentosos em campo. O camisa 10 que esconde a bola e dita o ritmo do jogo, o atacante rápido e driblador, o centroavante rompedor “troglodita”, o volante que sabe armar o jogo. Num universo dominado por jogadores fortes fisicamente ou baixinhos ciscadores, os mais talentosos são facilmente identificados pela qualidade técnica, ou pelo menos pela produtividade demonstrada.

Nomes como Riquelme ou Recoba já são consagrados, e por isso dispensam apresentações. Outros, como Juan Manuel Martínez e Matías Mier, se destacaram em 2011 e certamente será visto com maior atenção pelos adversários, assim como todo o time da Universidad de Chile que venceu a Copa Sul-Americana. Outros nomes, porém, já são conhecidos localmente, mas podem despontar entre os principais jogadores da competição.

Para que você, leitor, saiba quem são alguns deles, nós, da Trivela, fizemos uma lista que inclui nomes conhecidos, como Macnelly Torres e Rodolfo Gamarra, com promessas que têm a primeira chance de disputar a competição por um clube mais estruturado, como o peruano Raúl Ruidiaz, passando por jovens de destaque, como o zagueiro argentino Guillermo Burdisso ou o volante mexicano Jorge Enríquez. Confira:

Cristian Chávez (Boca Juniors-ARG)

Tratado como promessa desde o início da carreira, Cristian Chávez teve em 2011 o ano de sua afirmação definitiva como um dos principais jogadores do Boca Juniors. Habilidoso e dinâmico, o meio-campista de 25 anos aproveitou a ausência de Juan Román Riquelme para crescer e ser um dos comandantes da equipe na conquista do Torneo Apertura de forma invicta. Agora, com o camisa 10 recuperado, deverá voltar a ser coadjuvante, mas deverá ser muito útil para os xeneizes durante a competição.

Dorlan Pabón (Atlético Nacional-COL)

Destaque no futebol colombiano desde que atuava no modesto Envigado, Dorlan Pabón se consagrou no país a partir do momento em que se mudou para o Atlético Nacional, em 2010. Foi campeão colombiano no primeiro semestre do ano passado e conseguiu um espaço na seleção nacional, exibindo sempre um futebol vertical marcado pelos dribles em velocidade e pela boa capacidade de finalização com o pé direito dentro ou fora da área. Aos 23 anos, dificilmente permanecerá por muito tempo na América do Sul se mantiver o atual nível de exibições.

Guillermo Burdisso (Arsenal-ARG)

Conhecido já há algum tempo, Guillermo Burdisso começou a carreira como “o irmão do Nicolás”, mas aos poucos mostrou que tem talento e já pode concorrer ao posto de melhor zagueiro da família. Alto, eficiente no jogo aéreo e seguro nas jogadas por baixo, o zagueiro de 23 anos fez uma excelente temporada em 2011 e forma com o também jovem Lisandro López aquela que talvez seja a melhor dupla de zaga da Argentina no momento.

Héctor Canteros (Vélez Sarsfield-ARG)

Meio-campista que se destacou nos amistosos entre Brasil e Argentina no fim de 2011, Héctor Canteros é o organizador de jogo do perigoso time do Vélez Sarsfield. Dinâmico, ele participa bastante das partidas e é sempre uma opção de jogo interessante, além de mostrar qualidade acima da média nos passes e lançamentos e finalizar bem de longa distância. Se falta o ímpeto tradicional de camisas 10 argentinos como Montillo, Riquelme e D´Alessandro, o meia de 22 anos compensa com a capacidade de organizar e cadenciar o jogo na hora certa e é fundamental para que atacantes como Juan Manuel Martínez possam brilhar.

Jorge Enríquez (Chivas Guadalajara-MEX)

Volante de apenas 20 anos, Jorge Enríquez roubou a cena ao se destacar no último Mundial sub-20 e ser eleito pela Fifa o terceiro melhor jogador do torneio. Seguro na marcação, ele aproveita seu porte físico longilíneo para roubar bolas sem fazer faltas e chegar com intensidade ao ataque fazendo até alguns gols de fora da área. Além disso, também é forte no jogo aéreo e mostra muita qualidade nas viradas de jogo. Sem dúvidas, o ponto de equilíbrio do meio-campo do Chivas.

Macnelly Torres (Atlético Nacional-COL)

Outra figurinha carimbada de Copa Libertadores, Macnelly Torres encantou a América do Sul quando conseguiu levar o modesto Deportivo Cúcuta às semifinais da competição em 2007. Vendido ao Colo-Colo, teve também um bom desempenho no futebol chileno, embora sem o mesmo brilho, e voltou ao seu país em 2011 emprestado ao Atlético Nacional para se sagrar campeão colombiano. Após rápida passagem pelo San Luis, voltou a Medellín em 2012, agora com os direitos comprado, e aos 28 anos tem a chance de ouro de brilhar novamente em uma competição sul-americana.

Pablo Zeballos (Olimpia-PAR)

Vice-artilheiro do último Campeonato Paraguaio com 13 gols, Pablo Zeballos é um centroavante que consegue juntar um excelente porte físico com bons recursos técnicos, e certamente será muito perigoso na Libertadores. Acompanhado por jogadores experientes como Maxi Biancucchi, Sergio Orteman e Vladimir Marín, ele deverá incomodar bastante as defesas adversárias tanto nas bolas cruzadas quanto no confronto com os zagueiros, que geralmente são mais baixos que ele.

Raúl Ruidiaz (Universidad de Chile-CHI)

Rápido, habilidoso e mortal nos contragolpes. Assim pode ser definido o atacante Raúl Ruidiaz, 21 anos, que já se destacava há pelo menos duas temporadas no Universitario de Lima e agora tem a chance de evoluir na carreira. Contratado pela Universidad de Chile, é dele a difícil missão de substituir Eduardo Vargas, craque e artilheiro da última Copa Sul-Americana, que foi vendido ao Napoli. É uma grande oportunidade de mostrar em um clube mais organizado que não se trata apenas de mais um baixinho ciscador desses que se encontra em qualquer esquina da América do Sul.

Rodolfo Gamarra (Libertad-PAR)

Figurinha já carimbada em Libertadores, Rodolfo Gamarra é mais uma vez uma das principais opções de ataque do organizado time do Libertad. Oportunista, usa a velocidade para atuar pelo lado direito e muitas vezes entrar em diagonal para marcar gols, formando um trio perigoso ao lado do também rápido José Nuñez e do centroavante grandalhão Pablo Velázquez. Aos 23 anos, amadurece a cada ano que passa e certamente poderá ser muito útil ao time paraguaio nos momentos difíceis da competição.

Tabaré Viudez (Nacional-URU)

Com extenso currículo nas seleções uruguaias de base, Tabaré Viudez demorou a se afirmar como bom jogador após sua discreta passagem pelo Milan, mas teve em 2011 um grande ano pelo Nacional, com quem foi campeão uruguaio. Extremamente habilidoso, o meia-atacante de 22 anos compensa a falta de força física com muita velocidade e principalmente intensidade de jogo, o que sempre é importante em Copa Libertadores, e poderá ser um excelente parceiro de Álvaro Recoba.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo