AlemanhaInglaterraLiga Europa

Weidenfeller brilha com sequência de defesas, mas quem sai feliz é o Liverpool

Sair do Westfalenstadion sem ser derrotado é para poucos. Nesta temporada, apenas o Darmstadt, o Paok e o Bayern de Munique haviam conseguido antes de o Liverpool segurar o empate por 1 a 1 contra o Borussia Dortmund, pelas quartas de final da Liga Europa. Em uma partida movimentada e intensa, sem tantas chances de gol como se esperaria de duas equipes ofensivas, os Reds seguraram a pressão dos alemães e criaram até mesmo chances para vencer, mas o goleiro Roman Weidenfeller impediu que isso se concretizasse. No fim, o resultado leva a decisão praticamente indefinida para Anfield Road, com uma ligeira vantagem para os ingleses.

LEIA MAIS: Tradição, torcida, paixão: O DNA em comum que torna Dortmund e Liverpool “clubes irmãos”

O momento em que mais se viu a força ofensiva do Borussia Dortmund foi principalmente na metade inicial do primeiro tempo, quando o time da casa pressionou implacavelmente o adversário, mas não conseguiu criar tantas chances de gol. A melhor delas saiu em um lançamento para Schmelzer, que tocou para trás e encontrou Mkhitaryan. O chute do armênio, por sua vez, parou na boa ação defensiva de Sakho. O meia também levou perigo com um chute de fora da área, que passou muito perto, mas quem abriu o placar foi o Liverpool.

Os comandados de Jürgen Klopp no Westfalenstadion, que desta vez não vestiam amarelo, tinham muitas dificuldades para passar pela marcação adiantada do Borussia Dortmund. A saída de bola era uma operação delicada, mas, uma vez concretizada, a velocidade de jogadores como Origi, Coutinho e Lallana levava bastante perigo a Weidenfeller. Em uma dessas jogadas, Henderson cabeceou para trás, a linha defensiva do Dortmund vacilou, e Origi saiu na cara do goleiro. Piszczek ainda conseguiu se recuperar, mas o belga foi esperto para atrasar o passo e chutar rasteiro. A bola desviou no lateral e entrou no canto.

O Liverpool foi para o intervalo com um resultado gigante, caso aguentasse até o fim ou mesmo ampliasse o placar. Mas não dá para confiar plenamente em sua defesa. Em três minutos de segundo tempo, após cobraça de escanteio curto, Mkhitaryan cruzou perfeitamente na cabeça de Hümmels, que apareceu em velocidade, dentro da área, e cabeceou ferozmente para empatar. Pouco depois, veio o momento em que Weidenfeller mais brilhou.

Foi uma sequência de três defesas em pouco tempo, a partir dos 6 minutos do primeiro tempo. Primeiro, uma boa trama ofensiva do Liverpool colocou a bola nos pés de Coutinho, de frente para o goleiro alemão, que espalmou para o lado. A jogada rodou até a lateral direita, onde Clyne arriscou um chute cruzado e marcaria um golaço, não fosse a nova intervenção de Weidenfeller. Coutinho pegou o rebote desse lance e exigiu mais um bloqueio do veterano.

 

“Eu tive algumas dores de cabeça, mas tudo bem. Eu preferia ter vencido a partida a ter feito tantas defesas assim”, disse, após o jogo, o goleiro do Borussia Dortmund.

O clube da casa continuou pressionando e assustou Mignolet em algumas ocasiões, mas não conseguiu a vitória. O Liverpool leva um bom resultado para a Inglaterra, e depois de quatro partidas sem vencer (agora chegou a cinco), mostrou bastante força defensiva em um dos seus jogos mais seguros sob Klopp. Em Anfield, isso pode ser essencial, já que joga também pelo 0 a 0.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo