Alemanha

Seleção da temporada

Fim de temporada é sempre a mesma coisa. É a hora da retrospectiva, da premiação, de exaltar ou jogar para o limbo da história quem foi bem ou mal durante todo o ano, ou quem acertou ou errou lances mínimos que fizeram toda a diferença no destino de uma equipe naquele momento. Seleções quase nunca são unânimes, tampouco 100% justas, e qualquer um, tenha acompanhado ou não completamente os campeonatos, pode escolher 11 jogadores que se destacaram mais e montar o seu time da temporada.

Abaixo, caro leitor, segue a seleção montada por este colunista. Do goleiro ao centroavante, já que não existem mais pontas esquerdas. Do 1 ao 23, já que é impossível dizer atualmente “do 1 ao 11”. De Neuer, goleiro espetacular, a Mario Gómez, centroavante artilheiro da Bundesliga com todos os méritos. Confira os 11 melhores da Bundesliga em 2010/11 e faça também a sua seleção:

Manuel Neuer (Schalke 04)

Simplesmente um monstro debaixo das traves, sobretudo quando o Schalke 04 fazia uma campanha ridícula na temporada. Evitou goleadas, garantiu empates e fez de vez seu nome como o melhor goleiro alemão e um dos melhores do mundo em atividade no momento. Tantas boas partidas, obviamente, foram recompensadas com o interesse do Bayern Munique, que já o contratou para a próxima temporada e espera, com isso, resolver os problemas que teve na posição desde a aposentadoria de Oliver Kahn. Além disso tudo, se firmou de vez como titular da seleção nacional.

Lucasz Piszczek (Borussia Dortmund)

Depois de uma temporada caótica com o rebaixado Hertha Berlim em 2009/10, Lukasz Piszczek mudou-se para o Borussia Dortmund com a expectativa de ser um bom reserva que poderia atuar no meio-campo ou na lateral. Com a lesão do experiente Patrick Owomoyela, porém, ganhou a posição do lado direito e não saiu mais, garantindo a segurança da equipe por ali e, de quebra, dando seis assistências na temporada. Rápido, bom marcador eficiente nos cruzamentos, não foi tão exuberante quanto Sahin ou Götze, mas entra na seleção da temporada por total e absoluto merecimento.

Mats Hummels (Borussia Dortmund)

Depois de ser estigmatizado como um zagueiro atrapalhado na última temporada, Mats Hummels evoluiu assustadoramente em 2010/11, a ponto de ser considerado, de longe, o melhor zagueiro do campeonato, líder de uma defesa que tomou apenas 22 gols em 34 partidas. Alto e forte, perdeu pouquíssimas disputas no jogo aéreo, dificilmente foi vencido por baixo, atacou com eficiência, marcando cinco gols, e conseguiu, dentro de campo, alcançar o status de melhor zagueiro alemão do momento. Clubes como Bayern Munique e Barcelona já estão de olho nele e pensam em desembolsar uma boa quantia financeira para contratá-lo em breve.

Philipp Wollscheid (Nürnberg)

Depois de amargar um bom tempo na reserva do Nürnberg, o jovem Philipp Wollscheid entrou no time titular no segundo turno e não saiu mais do time, mostrando diversas qualidades dentro de campo. Alto – 1.94m de altura -, ele se destaca pela confiança e pela maturidade que demonstra em campo, vencendo a maioria dos duelos contra os atacantes tanto por cima quanto por baixo e, em algumas vezes, saindo bem com a bola pelo meio-campo, posição na qual atuou na base. Um grande achado do time da Baviera, que já é cobiçado por clubes como Bayer Leverkusen.

Marcel Schmelzer (Borussia Dortmund)

Absoluto em sua posição. Assim podemos definir o status de Marcel Schmelzer na seleção da temporada. Único a ter jogado todas as partidas do campeão Borussia Dortmund, o lateral esquerdo cumpriu seu papel com uma regularidade impressionante, marcando bem e apoiando o ataque com eficiência sempre que necessário, tornando-se um desafogo quando o meio-campo estava marcado. Ainda não é titular absoluto da seleção alemã – disputa posição com Dennis Aogo, do Hamburg -, mas acredita-se que isso seja apenas uma questão de tempo. Pouco tempo.

Arturo Vidal (Bayer Leverkusen)

Apesar de ter exercido um papel mais ofensivo na temporada, Arturo Vidal será encaixado nesta seleção como volante por dois motivos claros: o primeiro, obviamente, é que ele sabe jogar na posição, assim como também atua como zagueiro, lateral e meia. O segundo é que ele jamais poderia ficar de fora do time ideal do ano com o desempenho que teve. Autor de dez gols e nove assistência,foi de longe o melhor jogador de um consistente Bayer Leverkusen vice-campeão da Bundesliga e ainda poderá evoluir nos próximos anos. Sua permanência na BayArena, no entanto, é incerta.

Nuri Sahin (Borussia Dortmund)

O craque do campeonato. Comandante absoluto do meio-campo do Borussia Dortmund, organizou a saída de bola da equipe, fez lançamentos longos e precisos, fez belos gols de falta e, se não tivesse perdido alguns pênaltis durante a temporada, seria possível dizer que fez uma temporada perfeita. Tanta qualidade assim foi premiada com uma transferência para o Real Madrid, onde Sahin poderá se consagrar de vez se repetir o desempenho que teve em 2010/11. A torcida do Dortmund certamente já sente saudades.

André Schürrle (Mainz 05)

Da reserva do Mainz 05 no início da temporada à titularidade da seleção alemã em algumas partidas no fim. Essa foi a história escrita por André Schürrle, jovem meia de apenas 21 anos e um dos responsáveis pelo início fantástico de seu clube com sete vitórias nas sete primeiras rodadas. A boa soma de pontos nesse período possibilitou ao Mainz uma classificação inédita para a Liga Europa, e a Schürrle, autor de 15 gols, um contrato com o Bayer Leverkusen para 2011/12.

Mario Götze (Borussia Dortmund)

“Até um cego consegue enxergar que Götze tem talento”. Com essas palavras, o atual diretor da base alemã, Matthias Sammer, definiu exatamente o que é Mario Götze. Talento em estado puro, fácil de ser identificado. Aos 19 anos, o meia simplesmente fez chover na temporada com seis gols e impressionante 13 assistências, ganhando rapidamente a posição de titular da equipe e sendo importante em momentos decisivos, como na partida contra o Hannover 96, quando o time perdia por 1 a 0 e ele fez um gol sensacional, se livrando de três adversários com dois toques para empatar a partida. Craque.

Frank Ribéry (Bayern Munique)

Com a ausência de Arjen Robben durante todo o primeiro turno, coube a Frank Ribéry, que também ficou de fora em várias rodadas, a missão de conduzir o Bayern Munique à terceira colocação, posição que garantiu os bávaros na fase preliminar da Liga dos Campeões. Com impressionantes 17 assistências, contribuiu para que a equipe tivesse o melhor ataque da temporada com 81 gols marcados, além de terminar a temporada fortalecido no clube com a saída de Louis van Gaal, com quem teve atritos em 2010/11.

Mario Gómez (Bayern Munique)

Depois de uma temporada inteira na reserva, Der Troglodit se redimiu e enfim justificou os milhões de euros investidos em sua contratação. Autor de impressionantes 28 gols, Mario Gómez foi durante a temporada inteira um perigo para as defesas adversárias, sempre exibindo um bom preparo físico e a relativa habilidade com a bola nos pés que possui, à qual faz com que ele seja capaz de alternar jogadas de craque com lances bizarros. Melhor centroavante do ano, ganhou a posição de titular na seleção alemã, deixando Miroslav Klose no banco, a exemplo do que fez no Bayern Munique.

Técnico: Jürgen Klopp (Borussia Dortmund)

O comandante do título. Longe de ter a possibilidade de comandar um time cheio de estrelas ou com um grande orçamento, Jürgen Klopp não ficou chorando no quarto escuro como muitos técnicos fazem. Trabalhou, trabalhou mais ainda e montou um time muito consistente na defesa e vertical no ataque, com jogadores talentosos e que sabiam perfeitamente o que fazer em campo. Terá, na próxima temporada, a chance de aparecer ainda mais na Liga dos Campeões e sacramentar de vez seu nome entre os grandes técnicos alemães.

Quem mais poderia estar?

Em um campeonato grande e competitivo como a Bundesliga, é difícil apontar apenas 11 destaques. Há diversos outros jogadores que poderiam compor essa seleção da temporada, e o grau de subjetividade da escolha é alto. O primeiro nome que salta aos olhos é o de Arjen Robben, craque do campeonato em 2009/10, que ficou de fora em função da concorrência no meio, mas foi fundamental no segundo turno do Bayern Munique.

Outro que poderia fazer parte do time é o bom zagueiro Neven Subotic, do Borussia Dortmund, que fez um grande campeonato, assim como o volante Sven Bender e o meia Shinji Kagawa, seus companheiros de clube. O meio-campista Sergio Pinto e o atacante Didier Ya Konan, ambos do Hannover 96, também merecem menção, assim como o goleiro Raphael Schäfer, do Nürnberg, e o centroavante Papiss Cissé, do Freiburg.
 

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo