Bundesliga

Borré não teve um impacto duradouro no Frankfurt e substituirá Füllkrug no Bremen

Rafael Santos Borré marcou gols decisivos no título da Liga Europa, mas o Frankfurt preferiu emprestá-lo ao Bremen

Rafael Santos Borré durante um tempo pareceu opção para os clubes brasileiros no mercado de transferências. Mas, por enquanto, o colombiano escreve sua história na Bundesliga. O atacante conseguiu certo destaque em sua passagem pelo Eintracht Frankfurt. Não entregou caminhões de gols, mas teve papel decisivo na conquista da Liga Europa em 2021/22, com direito a tentos em diferentes fases na reta final da competição. Em 2022/23, porém, o rendimento caiu e ele acabou eclipsado por Randal Kolo Muani no Deutsche Bank Park. Um novo destino se desenha nesta nova temporada, emprestado ao Werder Bremen.

Estava claro como o Eintracht Frankfurt não contava mais com Santos Borré para a atual temporada. Nem mesmo a iminente saída de Kolo Muani não segurou o colombiano nas Águias, com o clube à procura de um substituto para o francês. O novo reforço terá um papel importante no Werder Bremen, especialmente depois da venda de Niclas Füllkrug para o Borussia Dortmund. Terá uma grande responsabilidade ao substituir um dos ídolos dos Verdes.

A passagem de Borré por Frankfurt

Santos Borré tem sua trajetória no futebol quase toda ligada ao futebol da América do Sul. O atacante surgiu no Deportivo Cali e valeu o investimento do Atlético de Madrid em 2015, mas nunca atuou pelos colchoneros. Sua única passagem pela Espanha aconteceu com o Villarreal, e não convenceu em seu empréstimo. Sua afirmação só ocorreu com a revenda para o River Plate, onde atravessou seus melhores momentos. O atacante anotou 56 gols e deu 18 assistências em 149 partidas pelos millonarios. Ajudou em título de Libertadores e garantia não apenas capacidade goleadora, mas boa movimentação e leitura de jogo.

O Eintracht Frankfurt levou Santos Borré em 2021, como substituto de André Silva. Tentava manter uma linhagem de atacantes que anotaram muitos gols pelas Águias. Os números do colombiano na Alemanha não impressionam tanto assim, com apenas 15 gols e 12 assistências em 92 aparições pelo Frankfurt. O que compensou sua passagem foi mesmo a preponderância na Liga Europa. Marcou gols contra Barcelona, West Ham e Rangers no sprint final do torneio continental, das quartas de final até a decisão.

A primeira temporada de Santos Borré foi a melhor do que a segunda. O Frankfurt não se mostrava disposto a confiar seu ataque ao colombiano por um terceiro ano. Por isso, parece bem-vinda a saída para o Werder Bremen a esta altura. O jogador aproveita sua fama na Bundesliga, mas num time de perspectivas mais modestas. A tendência é que Santos Borré se combine na frente com Marvin Ducksch, grande parceiro de Füllkrug nos últimos anos. O clube também trouxe Dawid Kownacki nesta janela de transferências.

O mercado do Bremen

Com problemas financeiros, o Werder Bremen não contratou muita gente nesta janela. O destaque foi Naby Keïta, ao final de seu contrato com o Liverpool, mas o meio-campista se lesionou e sequer estreou ainda. Os investimentos foram de baixo custo, como o centroavante Dawid Kownacki (Fortuna Düsseldorf), o volante Senne Lynen (Union St. Gilloise) e o meia Olivier Deman (Cercle Brugge). Já se a maior parte das vendas não foi tão sentida, a despedida de Füllkrug bota interrogações inclusive na permanência dos Papagaios na primeira divisão.

Já o Eintracht Frankfurt tem novas possibilidades para a linha de frente. As Águias aproveitaram boas pechinchas no mercado, levando Omar Marmoush ao final de seu contrato com o Wolfsburg e ainda assegurando a compra de Jessic Ngankam após o rebaixamento do Hertha Berlim. Lucas Alario permanece no elenco, lesionado. Por mais que Santos Borré fosse herói de um título continental, sua saída era compreensível.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo