Bundesliga

Milagres acontecem: A um jogo de igualar o maior jejum de vitórias da Bundesliga, o Schalke atropelou o Hoffenheim por 4 a 0

O Schalke 04 faria uma partida especial neste sábado, e não por bons motivos. Os Azuis Reais atravessaram um 2020 tenebroso, com sua única vitória pela Bundesliga registrada em 17 de janeiro. Entre o segundo turno da temporada passada e o primeiro turno da atual, o clube acumulava 30 partidas consecutivas sem vencer. O Schalke estava a um tropeço de igualar o recorde negativo da Bundesliga, com 31 jogos em jejum do irrisório Tasmania Berlim em 1965/66. E quando tudo parecia pronto para os Azuis Reais entrarem para a história de maneira nada honrosa, o milagre aconteceu: o time de Christian Gross goleou o Hoffenheim por 4 a 0 na Veltins Arena. Quis o destino que o herói da tarde fosse um garoto de 19 anos: o americano Matthew Hoppe, que não contente em anotar seu primeiro gol como profissional, contribuiu logo com uma tripleta – a primeira do clube desde 2014.

O péssimo momento do Schalke 04 não se deve apenas ao que aconteceu dentro de campo. Os Azuis Reais entraram em uma espiral ampla, também incluindo aspectos políticos e a saída do presidente por um escândalo em seus negócios particulares. No início da seca, porém, a sequência sem vitórias parecia apenas má fase da equipe de David Wagner. O time cumpriu um bom primeiro turno na Bundesliga passada, brigando por vaga na Champions, e iniciou o returno derrotando o Borussia Mönchengladbach em 17 de janeiro. Entretanto, o estilo de jogo se tornou manjado e a falta de soluções em campo pareceu se juntar com uma pane mental da equipe. Além disso, os muitos desfalques prejudicaram bastante o elenco curto.

Apesar da derrocada na Bundesliga passada, David Wagner permaneceu no cargo e teve uma nova chance de reerguer a equipe nesta temporada. Não conseguiu, com os problemas se tornando ainda mais graves diante da falta de reforços e da perda de nomes importantes antes do início do campeonato. A derrota por 8 a 0 diante do Bayern de Munique logo na estreia apresentou o tamanho do buraco e, com jogadores importantes em péssima fase técnica, o Schalke simplesmente não conseguia vencer. Wagner pegou o boné logo depois da segunda rodada, mas não era só uma questão de mudar as táticas, considerando os quatro técnicos que trabalharam em Gelsenkirchen ao longo deste primeiro turno. O psicológico parecia afetar em cheio, mesmo contra os adversários mais frágeis.

Nas primeiras 14 rodadas da Bundesliga 2020/21, o Schalke empatou quatro jogos e perdeu outros dez. Até arrancou pontos de equipes que fazem uma campanha interessante, como Union Berlim e Stuttgart, mas perdeu a chance nos confrontos diretos contra Mainz 05 e Arminia Bielefeld. Foram oito gols marcados e 39 sofridos, com o pior ataque e a pior defesa da competição, além da compreensível lanterna. O Tasmania Berlim, que disputou a Bundesliga 1965/66 por motivos políticos e sequer tinha condições de estar na primeira divisão na ocasião, estava próximo de perder seu recorde negativo a um dos maiores clubes da Alemanha.

Quando estava a 90 minutos de tocar o fundo do poço, o Schalke 04 finalmente reagiu e transformou sua fase. O Hoffenheim também vive uma sequência ruim na Bundesliga, mas é melhor time e foi o primeiro a desbancar o Bayern de Munique na atual temporada. No entanto, dentro da Veltins Arena, os Azuis Reais pareciam favoritos ao título neste sábado, tão boa foi a apresentação. Fizeram uma grande partida e conseguiram uma goleada inimaginável, ainda mais por todas as circunstâncias ao redor.

Entre as novidades, o Schalke contou com a reestreia de Sead Kolasinac em seu retorno ao clube. O lateral foi emprestado pelo Arsenal e usou logo a braçadeira de capitão. Desde os primeiros minutos, os Azuis Reais pareciam imbuídos de uma nova motivação, pressionando no ataque e indo para as divididas com intensidade. O Hoffenheim acordou e deu um calor a partir dos 20 minutos, com uma série de lances de perigo que a defesa anfitriã conseguiu bloquear, também com boas defesas de Ralf Fährmann. Porém, quando os visitantes pareciam mais próximos do gol, o Schalke saiu em vantagem aos 42. Num contra-ataque, Amine Harit enfiou a bola e Matthew Hoppe finalizou com uma frieza imensa, dando uma cavadinha sobre o goleiro Oliver Baumann. A partir de então, a sorte começou a mudar.

A vantagem rumo ao intervalo não permitiria ao Schalke se descuidar durante o segundo tempo. A equipe se manteve atenta na defesa e, com o Hoffenheim mais adiantado para buscar o empate, os anfitriões exploraram bem os contragolpes. Aos 12 minutos, Hoppe aumentou a confiança com o segundo gol. Harit recebeu no meio e, com muito espaço, deu a assistência no meio da zaga adversária. Hoppe desta vez driblou Baumann e chutou à meta vazia. E o terceiro não demoraria, anotado aos 18. Harit deu o seu terceiro passe decisivo para o terceiro gol de Hoppe. O marroquino acertou mais uma esticada de bola em profundidade para o americano disparar. E a finalização de novo apresentou a categoria do garoto, dando um sutil toque com a parte de fora do pé.

Na meia hora final, o Hoffenheim não apresentou muito poder de reação, sem passar por Fährmann – com o Schalke encerrando uma sequência de 26 rodadas pela Bundesliga sem terminar um jogo com a meta invicta. Além do mais, deu tempo para o time da casa anotar seu quarto gol e confirmar a tarde iluminada. Harit também merecia o seu e o assinalou aos 34, batendo no canto após o passe de Bastian Oczipka. Durante a comemoração, o marroquino preferiu se silenciar e colocar as mãos sobre as orelhas em protesto. Um dos principais nomes no bom início de David Wagner à frente do Schalke, Harit caiu de rendimento com o time. O meia ficou meses parado por lesão ligamentar e pegou coronavírus, mas também teve problemas de relacionamento com o técnico Manuel Baum e foi afastado. A goleada é sua redenção.

De qualquer maneira, o destaque na vitória foi mesmo Hoppe. O americano nascido na Califórnia chegou a defender uma filial do Barcelona nos Estados Unidos, antes de ser levado pelo Schalke em 2019. Depois de empilhar gols na base, o atacante de 19 anos começou a atual temporada no segundo quadro dos Azuis Reais, mas foi levado ao primeiro time em novembro e fez sua estreia contra o Gladbach. Passou em branco em suas cinco primeiras aparições, mas, no terceiro jogo como titular, teve uma atuação fantástica. Harit ajudou bastante com seus passes, mas o centroavante de 1,91 m também mostrou inteligência no desmarque e sangue gelado às finalizações. Com o perdão do trocadilho torto, vira agora uma esperança de dias melhores.

O técnico Christian Gross tinha estreado à frente do Schalke com derrota para o Hertha Berlim e também ganha segurança com esta goleada em sua segunda partida. A situação ainda é crítica, mas os Azuis Reais deixaram a lanterna com o Mainz 05, que perdeu para o Eintracht Frankfurt neste sábado por 2 a 0. O clube de Gelsenkirchen chega aos sete pontos, a três de atingir a zona dos playoffs contra o rebaixamento e a quatro de escapar do Z-3. O Hoffenheim, por sua vez, oscila e é o 13°, com 15 pontos. E quem também celebra a vitória é o torcedor do Tasmania Berlim. O modesto clube milita atualmente na quinta divisão alemã e o recorde negativo é um parco motivo para os berlinenses serem lembrados na Bundesliga. A torcida não queria perder a marca, da qual realmente se “orgulham”. O Schalke também se alivia por não atrapalhá-los.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo