Bundesliga

Borussia Dortmund, o time que não perdeu em 2024, encara o Hoffenheim, equipe que não vence desde dezembro

Em situações opostas na Bundesliga, Borussia Dortmund e Hoffenheim se enfrentam neste domingo

Depois de um começo de temporada muito irregular, que teve como cereja do bolo uma sequência de seis jogos sem vitória em todas as competições ao final de 2023, o Borussia Dortmund se encontrou em 2024, subiu na tabela da Bundesliga e passou a frequentar o G4, que dá direito a uma vaga na próxima edição da Champions League. Sem perder nenhum dos sete jogos que fez neste ano, os aurinegros recebem neste domingo (25) o Hoffenheim, tentando estabelecer o Signal Iduna Park como armadilha para os adversários como foi praxe nos últimos anos e, principalmente, para se manter entre os quatro primeiros colocados do Campeonato Alemão.

O Borussia Dortmund chega à partida contra o Hoffenheim mais cansado fisicamente, uma vez que, diferente do adversário, jogou no meio de semana — um jogo peso pesado: foi até a Holanda para encarar o PSV, pelo primeiro jogo das oitavas de final da Champions League, e acabou saindo de campo com um batalhado e valioso empate. Agora, terá de fazer valer seu mando de campo no Signal Iduna Park para se classificar, mesmo desafio que sustenta na Bundesliga, competição na qual ser mandante nem sempre tem significado bom desempenho do Dortmund.

E se o ano está ótimo para o Borussia Dortmund, está simplesmente péssimo para o Hoffenheim, que não vence uma partida sequer desde 8 de dezembro de 2023, quando bateu o Bochum por 3 a 2. Essa, inclusive, foi a única vitória do time nas últimas 14 partidas que disputou, o que dá completamente o tom de quão ruim está a situação dos comandados pelo técnico Pellegrino Matarazzo, dos Estados Unidos. Ah, e para piorar: essa sequência extremamente negativa começou adivinhe contra quem? Exatamente, contra o Dortmund, na partida que valeu a eliminação do Hoffenheim na Copa da Alemanha.

Como o Borussia Dortmund chega para o jogo contra o Hoffenheim

Classificado em primeiro lugar no seu grupo da Champions League, o Borussia Dortmund viveu uma fase péssimo após o fechamento da primeira fase da competição europeia, sendo eliminado da Copa da Alemanha pelo Stuttgart no que acabou sendo uma sequência de seis jogos oficiais sem uma vitória sequer, o que acabou, entre outros, derrubando a equipe na tabela de classificação da Bundesliga. As coisas, no entanto, mudaram com a chegada de 2024 e o Dortmund conseguiu se manter invicto em todo o desenvolvimento de janeiro e, até agora, em fevereiro também — fechará esse mês sem perder se não for derrotado hoje pelo Hoffenheim.

Muito disso passa pelas mudanças táticas do time e, principalmente, pela chegada de dois reforços que deram profundidade ao elenco e mais opções — principalmente ofensivas — ao técnico alemão Edin Terzić. São eles o lateral Ian Matseen, que chegou emprestado pelo Chelsea, e o atacante Jadon Sancho, que também veio por empréstimo, mas do Manchester United. Com apenas 21 anos, o lateral-esquerdo holandês fez seis jogos pelo Dortmund — justamente a sequência invicta que o clube sustenta no momento — e já distribuiu duas assistências, se destacando também pela eficácia defensiva. Sancho, apesar de não ser titular absoluto, tem se mostrado uma ótima opção para entrar no decorrer das partidas e, hoje, está mais próximo de ser o bom jogador que deixou o próprio Borussia para jogar na Inglaterra.

Para a partida contra o Hoffenheim, Edin Terzić terá de lidar, no entanto, com alguns possíveis problemas causados por lesão. O principal deles relacionado ao goleiro Gregor Kobel, que tem sido um dos principais atletas do Borussia Dortmund na temporada. O jogador suíço se machucou após a partida contra o Wolfsburg, a última disputada pelos aurinegros na Bundesliga, e já não enfrentou o PSV no jogo válido pela Champions League. Há esperanças de que ele possa voltar, mas isso só deve ser confirmado horas antes da partida de hoje. Além dele, o atacante Karim Adeyemi e o zagueiro Niklas Süle também são dúvidas, enquanto o também atacante Sébastien Haller e o meio-campista Felix Nmecha são ausências garantidas por lesão.

Como o Hoffenheim chega para o jogo contra o Borussia Dortmund

Vivendo uma fase terrível na temporada, o Hoffenheim pode chegar ao seu segundo mês completo em 2024 sem vencer uma partida sequer na Bundesliga, único campeonato que a equipe do treinador Pellegrino Matarazzo ainda está vivo. Não há ameaça real de rebaixamento, neste momento, uma vez que são 11 pontos de vantagem para o Colônia, primeiro time na zona de descenso do Campeonato Alemão, mas a péssima trajetória nas últimas partidas simplesmente tiraram as chances reais do clube disputar vagas nas competições europeias segundárias, Liga Europa e Conference League.

Ainda assim, muito pela incompetência dos times que estão abaixo, o Hoffenheim consegue se manter exatamente no meio da tabela, ocupando neste momento a nona posição da Bundesliga. Para o time de Pellegrino Matarazzo, a única esperança tem sido a dupla formada por Andrej Kramarić e Maximilian Beier, tendo cada um deles anotado 8 gols no Campeonato Alemão até o momento. Kramarić tem jogado mais como meia-atacante. No comando de ataque, ao lado de Bier, tem atuado Wout Weghorst, que já tem cinco redes balançadas no torneio até aqui.

O grande problema do Hoffenheim, então, não é seu ataque, que até funciona bem, já tendo anotado 38 gols na atual edição da Bundesliga, o sexto melhor da competição. O problema é a defesa, extremamente frágil, que já foi vazada em espantosas 41 oportunidades, o que faz dela uma das piores do Campeonato Alemão, abaixo inclusive das de Mainz e Colônia, dois times que estão afundados na zona de rebaixamento. Diante do versátil ataque do Borussia Dortmund, isso tem toda a cara de poder ser um problema e tanto para um time que praticamente já se esqueceu de como é vencer uma partida qualquer.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson Pimentel

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo