Alemanha

Balanço da Bundesliga

Na segunda parte do Balanço da Bundesliga 2010/11, você, leitor, saberá um pouco mais sobre a campanha dos times que ficaram na metade de cima da tabela após as 34 rodadas – aqui você pode ler a primeira parte. Começando pelo campeão Borussia Dortmund, que nadou de braçada durante a temporada, e indo até o Freiburg, que se manteve na elite alemã com muita dignidade.

Entre os classificados para a Liga dos Campeões, nenhuma surpresa. Borussia Dortmund, Bayer Leverkusen e Bayern Munique estão cotados desde sempre para ocupar as três primeiras posições do campeonato. Na Liga Europa, porém, houve espaço para os pequenos Hannover 96 e Mainz 05 beliscarem vagas, reforçando cada vez mais que há espaço para trabalhos organizados no futebol alemão e que dinheiro não é tudo no futebol. O Hannover, aliás, compõe junto com Nürnberg e Freiburg a tríade dos times que brigaram para não cair em 2009/10 e agora terminam entre os dez primeiros.

Sem mais delongas, confira a segunda parte do Balanço da Bundesliga 2010/11:

 

Borussia Dortmund

Colocação final: 1º, com 75 pontos (classificado para a fase de grupos da Liga dos campeões)
Técnico: Jürgen Klopp
Maior vitória: 5×0 Kaiserslautern (5ª rodada)
Maior derrota: 3×1 Leverkusen (1ª rodada)
Competição continental: eliminado na fase de grupos da Liga Europa
Principal jogador: Nuri Sahin
Decepção: Damien Le Tallec
Artilheiro: Lucas Barrios (16 gols)
Líder em assistências: Mario Götze (13 assistências)
Nota da temporada: 9,5

Espetacular. Essa palavra define a campanha do Borussia Dortmund no primeiro turno da Bundesliga, com 43 pontos em 17 jogos, que fez com que o time nadasse de braçada no returno, fazendo “apenas” 32 pontos e conquistando o título alemão com duas rodadas de antecipação. A supremacia nos números foi total. O time teve a melhor defesa, com 22 gols sofridos, o melhor saldo de gols (45), o maior número de vitórias (23) e a melhor campanha em casa, com 40 pontos. Título incontestável para o time comandado por Jürgen Klopp, que tem muitos méritos na conquista.

A equipe, como um todo, fez uma brilhante temporada, mas uns destaques se sobressaíram mais do que outros. O principal deles foi Nuri Sahin, eleito pelos próprios colegas o melhor jogador da Bundesliga e que já trocou o Dortmund pelo Real Madrid. O Wunderkind Mario Götze, de apenas 18 anos, também fez chover dentro das quatro linhas e ficou em segundo lugar na votação.

É impossível, porém, não ressaltar a capacidade goleadora de Lucas Barrios, o desempenho brilhante de Shinji Kagawa no primeiro turno, o belíssimo campeonato da dupla de zaga formada por Mats Hummels e Neven Subotic, as grandes exibições de Marcel Schmelzer, a consistência de Kevin Grosskreutz e Sven Bender, os belos passes de Lukas Piszczek e a segurança de Roman Weidenfeller, além do ídolo reserva Dedê. Venceu o time que jogou como equipe do começo ao fim do campeonato.

 

Bayer Leverkusen

Colocação final: 2º, com 68 pontos (classificado para a fase direta da Liga dos Campeões)
Técnico: Jupp Heynckes
Maior vitória: 4×1 Stuttgart (6ª rodada)
Maior derrota: 5×1 Bayern Munique (30ª rodada)
Competição continental: eliminado nas quartas de final da Liga Europa
Principal jogador: Arturo Vidal
Decepção: Stefan Kiessling
Artilheiro: Arturo Vidal (10 gols)
Lider em assistências: Arturo Vidal (9 assistências)
Nota da temporada: 8

Em linhas gerais, o Bayer Leverkusen fez um grande campeonato e poderia até ter sido campeão se não fosse a existência do Borussia Dortmund, que arrebentou no primeiro turno e tornou impossível qualquer reação. Os aspirinas até tentaram, fazendo 38 pontos no segundo turno, mais do que o Dortmund, mas perderam jogos que não poderiam perder contra Bayern Munique e Köln, impossibilitando a própria virada, que seria um feito histórico. Ainda assim, não há muito o que reclamar.

O time mostrou muita consistência no meio-campo e o desempenho de alguns jogadores chamou a atenção do mundo inteiro. Arturo Vidal, meia chileno artilheiro e líder de assistências da equipe, é um deles e está forçando a barra para ir para o Bayern Munique. Renato Augusto é outro que assume um papel de protagonista cada vez maior no time. A equipe, porém, sentiu a falta de um goleador, pois Stefan Kiessling, que foi bem em 2009/10, não repetiu o mesmo desempenho nessa temporada.

 

Bayern Munique

Colocação final: 3º, com 65 pontos (classificado para a fase preliminar da Liga dos Campeões)
Técnicos: Louis van Gaal (até a 29ª rodada) e Andries Jonker
Maior vitória: 8×1 St.Pauli (33ª rodada)
Maior derrota: 3×1 Borussia Dortmund (24ª rodada) e Hannover 96 (25ª rodada)
Competição continental: eliminado nas oitavas de final da Liga dos Campeões
Principal jogador: Arjen Robben
Decepção: Diego Contento
Artilheiro: Mario Gómez (28 gols)
Líder em assistências: Frank Ribéry (17 assistências)
Nota da temporada: 6,5

Prejudicado pelo cansaço de seus jogadores após a Copa do Mundo, o Bayern Munique teve um início de temporada aquém das expectativas e perdeu jogos fáceis que, combinados ao início avassalador do Borussia Dortmund e à consistência do Bayer Leverkusen, impossibilitaram qualquer reação. No segundo turno, os bávaros até cumpriram um bom papel, mas a derrota em casa para o Borussia Dortmund no melhor jogo da temporada, e o novo revés diante do Hannover 96 na rodada seguinte acabaram de vez com a pretensão do clube que, de quebra, foi eliminado em casa pela Internazionale na Liga dos Campeões.

De positivo, fica a atuação do quarteto ofensivo que fez com que o clube tivesse novamente o melhor ataque da Bundesliga, com 81 gols marcados, sendo 28 deles pelo centroavante Mario Gómez, artilheiro da competição com 28 gols. Arjen Robben, que ficou fora de todo o primeiro turno por lesão, também teve participação decisiva, assim como Thomas Müller e Frank Ribéry. A defesa da equipe, porém, foi um problema do início ao fim do campeonato, o que faz com que a busca pela contratação de laterais e zagueiros de qualidade seja intensa.

 

Hannover 96

Colocação final: 4º, com 60 pontos (classificado para a fase de grupos da Liga Europa)
Técnico: Mirko Slomka
Maior Vitória: 4×1 Werder Bremen (5ª rodada)
Maior derrota: 4×0 Hoffenheim (10ª rodada), Borussia Dortmund (11ª rodada) e Köln (26ª rodada)
Competição continental: nenhuma
Principal jogador: Didier Ya Konan
Decepção: Damarcus Beasley
Artilheiro: Didier Ya Konan (14 gols)
Líder em assistências: Didier Ya Konan (7 assistências)
Nota da temporada: 8,5

Depois de se abalar com o suicídio do goleiro Robert Enke e quase ser rebaixado na temporada passada, o Hannover 96 se recuperou e merece muitos aplausos pelo que fez em 2010/11. O técnico Mirko Slomka, vice-campeão em 2006/07 com o Schalke 04, tinha poucas opções no elenco, mas soube montar um time rápido e objetivo, mortal no contra-ataque e que venceu 19 partidas no campeonato. A vaga na Liga dos Campeões só não veio porque a equipe vacilou no fim, perdendo para o então lanterna Borussia Mönchengladbach em casa e para o Stuttgart na rodada seguinte.

O grande destaque da equipe foi, indubitavelmente, o atacante marfinense Didier Ya Konan, autor de 14 gols e sete assistências na competição. O meio-campista português Sérgio Pinto foi outro a se sobressair, dando consistência tática ao time e marcando cinco gols, além de dar seis assistências. O bom goleiro Ron-Robert Zieler, que veio das divisões de base do Manchester United, é outro que merece citação, assim como os atacantes Mohammed Abdellaoue e Jan Schlaudraff.

 

Mainz 05

Colocação final: 5º, com 58 pontos (Classificado para a fase de grupos da Liga Europa)
Técnico: Thomas Tuchel
Maior vitória: 3×0 Eintracht Frankfurt (15ª rodada e 32ª rodada)
Maior derrota: 4×2 Köln (22ª rodada)
Competição continental: nenhuma
Principal jogador: André Schürrle
Decepção: Jan Simak
Artilheiro: André Schürrle (15 gols)
Líder em assistências: Christian Fuchs e Lewis Holtby (8 assistências)
Nota da temporada: 8

Com sete vitórias nos sete primeiros jogos, o Mainz 05 surpreendeu a Alemanha inteira, além de apresentar ao mundo jogadores como André Schürrle e Lewis Holtby, principais comandantes do setor ofensivo de uma equipe muito bem montada. Com o tempo, porém, as lesões vieram e o time, sem peças de reposição à altura, foi perdendo força e posições na tabela para equipes com maior poder de fogo, como Bayer Leverkusen e Bayern Munique. A inédita classificação para a Liga Europa, porém, premia o bom trabalho do técnico Thomas Tuchel, de apenas 37 anos, que certamente terminou a temporada 2010/11 muito valorizado.

Entre os jogadores, o destaque absoluto foi o supracitado André Schürrle, que arrumou um lugar no concorrido setor ofensivo da seleção alemã e, de quebra, acertou sua transferência para o Bayer Leverkusen. Lewis Holtby, o segundo na fila dos protagonistas, estava emprestado pelo Schalke 04 e deve retornar aos azuis reais em 2011/12. Sami Allagui, pescado no Greuther Fürth, e Adam Szalai, vindo do Real Madrid B, também tiveram um bom desempenho e podem ser as novas referências da equipe, que precisa se reforçar.

 

Nürnberg

Colocação final: 6º, com 47 pontos
Técnico: Dieter Hecking
Maior vitória: 5×0 St. Pauli (25ª rodada)
Maior derrota: 3×0 Mainz 05 (14ª rodada)
Competição continental: nenhuma
Principal jogador: Julian Schieber
Decepção: Nassim Bem Khalifa
Artilheiro: Christian Eigler (8 gols)
Líder em assistências: Mehmet Ekici (9 assistências)
Nota da temporada: 8

Quase rebaixado em 2009/10, o Nürnberg deu a entender no início do campeonato que lutaria para não cair novamente, com três empates e uma derrota nos quatro primeiros jogos. Ledo engano. Pouco tempo depois, o time já lutava por uma posição confortável na metade de baixo da tabela, e dali não sairia mais, certo? Errado. Com uma belíssima campanha no início do segundo turno, a equipe subiu para a sexta colocação a partir da 25ª rodada e se deu ao direito até de sonhar com a Liga Europa, mas uma sequência de derrotas na reta final do campeonato impediu que essa possibilidade se tornasse concreta.

Dentro de campo, bons valores individuais apareceram. O atacante Julian Schieber, que estava emprestado pelo Stuttgart, foi um deles, assumindo o papel de protagonista do time em vários momentos. O experiente goleiro Rafael Schäfer foi outro, assim como o meia turco Mehmet Ekici, este já acertado com o Werder Bremen. Quem roubou a cena no segundo turno, no entanto, foi o excelente zagueiro Philipp Wollscheid, que ganhou a posição, não saiu mais e já é cobiçado pelo Bayer Leverkusen.

 

Kaiserslautern

Colocação final: 7º, com 46 pontos
Técnico: Marco Kurz
Maior vitória: 5×0 Schalke 04 (14ª rodada)
Maior derrota: 5×0 Borussia Dortmund (5ª rodada)
Competição continental: nenhuma
Principal jogador: Christian Tiffert
Decepção: Erwin Hoffer
Artilheiro: Srdan Lakic (16 gols)
Líder em assistências: Christian Tiffert (18 assistências)
Nota da temporada: 7

Com duas vitórias em duas partidas no início do campeonato, sendo uma delas contra o Bayern Munique, o Kaiserslautern deu a impressão de que iria cumprir um bom papel na Bundesliga, como de fato fez. Mas a caminhada não foi tão regular assim, em passos largos num belo jardim florido. O clube alternou sequências de bons e maus resultados e lutava na metade de baixo da tabela até encaixar um “sprint final” de sete vitórias nos últimos nove jogos, pulando da 18ª para a sétima colocação, saindo da temporada com a cara limpa de quem tomou um porre e se recuperou sem que os pais percebessem nada.

Alguns destaques da equipe são revelados facilmente pelos números. O atacante sérvio Srdan Lakic, autor de 16 gols, e o meia Christian Tiffert, que fez impressionantes 18 assistências, sobraram na turma. O goleiro Tobias Sippel é outro que merece ser aplaudido pela temporada que fez, assim como seu reserva, Kevin Trapp. Outro bom jogador é o meia tcheco Jan Moravek, que mostrou qualidades com a perna direita e poderá retornar ao Schalke 04 na próxima temporada. O badalado Erwin Hoffer, que veio do Napoli, simplesmente decepcionou, marcando apenas cinco gols em 24 jogos.

 

Hamburg

Colocação final: 8º, com 45 pontos
Técnicos: Armin Veh (até a 26ª rodada) e Michael Oenning
Maior vitória: 6×2 Köln (27ª rodada)
Maior derrota: 6×0 Bayern Munique (26ª rodada)
Competição continental: nenhuma
Principal jogador: Mladen Petric
Decepção: Eljero Elia
Artilheiro: Mladen Petric (11 gols)
Líder em assistências: Zé Roberto: (9 assistências)
Nota da temporada: 5

Uma bagunça generalizada. Assim pode ser definida a temporada do Hamburg. Um time cheio de grife, jogadores badalados, experientes, promessas e reforçado por um jogador de seleção alemã – Heiko Westermann -, que fez um campeonato absolutamente irregular e sem sal. Os poucos momentos de emoção vividos pelo clube foram na goleada contra o Köln por 6 a 2 e na vitória fora de casa por 1 a 0 contra o Mainz 05, que acabou com a sequência de sete vitórias do adversário, impedindo um recorde histórico na Bundesliga. No mais, 2010/11 está autorizado a ir direto para o limbo da memória dos torcedores do clube.

Entre “mortos e feridos” na equipe, porém, salvaram-se dois jogadores: o sérvio Mladen Petric, autor de 11 gols no campeonato, e o brasileiro Zé Roberto, que, mesmo aos 35 anos, teve bons momentos na temporada e conseguiu contribuir com o time fazendo nove assistências. Uma reformulação geral, porém, se faz necessária caso o clube queira voltar às primeiras posições da Bundesliga, pois não há como confiar em nomes como Paolo Guerrero e Eljero Elia, ou mesmo Jonathan Pitroipa.

 

Freiburg

Colocação final: 9º, com 44 pontos
Técnico: Robin Dutt
Maior vitória: 3×0 Borussia Mönchengladbach (16ª rodada)
Maior derrota: 0x3 Hannover 96 (14ª rodada) e Borussia Dortmund (30ª rodada)
Competição continental: nenhuma
Principal jogador: Papiss Cissé
Decepção: Erik Jendrisek
Artilheiro: Papiss Cissé (22 gols)
Líder em assistências: Felix Bastians (8 assistências)
Nota da temporada: 7,5

Um jovem e excelente goleiro, umaa defesa bem organizada, um meio-campo dinâmico e cumpridor, mas sem talento, e Papiss Cissé. Esse foi o time do Freiburg que se manteve com dignidade e sem sobressaltos na Bundesliga ao conseguir o honroso nono lugar em 2010/11. O atacante senegalês simplesmente barbarizou, marcando 22 dos 41 gols da equipe e tornando-se vice-artilheiro da Bundesliga, atraindo o interesse de diversos clubes da Premier League ou mesmo do futebol alemão.

O time, porém, não viveu só de Cissé. O lateral Felix Bastians, com oito assistências, fez boa temporada e também despertou o interesse de outros clubes, assim como o meio-campista Julian Schuster. Quem ganhou mais com a temporada, porém, foi o técnico Robin Dutt, que, em função do belo trabalho realizado, foi chamado para treinar o Bayer Leverkusen em 2011/12 e aceitou o convite sem pestanejar. O goleiro Oliver Baumann, de apenas 20 anos, é outro que poderá sair em breve.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo