Alemanha

A escolha certa

A quarta posição na tabela e a vitória por 2 a 1, de virada, contra o Hamburg, mesmo sem a presença do atacante Marko Pantelic, parte fundamental da equipe. O Hertha Berlim mostrou, nas últimas rodadas, que é a atual equipe em ascensão na Bundesliga.

Contra um Hamburg em queda livre, Cícero, Voronin, Domovchiyski e Simunic supriram a ausência do goleador e o brasileiro, com quatro gols, superou Pantelic e assumiu a artilharia do time.

A receita para a disputa da atual temporada não se diferencia muito das últimas, algumas contratações discretas e a aposta em pelo menos um atleta brasileiro. O resultado desta fórmula, que nem sempre deu certo, neste ano é uma equipe mais aplicada, com uma defesa segura e que, ao menos por enquanto, mostra que fez escolhas certas, em relação às contratações.

Cícero, ex-Fluminense, assume a liderança da equipe quando necessário. Tanto que o dirigente Uli Hoeness declarou que o jogador superou suas expectativas. Com quatro gols na temporada é intenção do clube prorrogar seu contrato de empréstimo junto ao Fluminense, ou mesmo comprar definitivamente o atleta.

Quem também cresceu de produção nas últimas partidas foi Josip Simunic. Ao lado de Friedrich, o australiano naturalizado croata é o destaque do time, a defesa do Hertha sofreu apenas 16 gols e é a segunda menos vazada da competição.

Quem aproveita o bom momento é o suíço Lucien Favre, de treinador perseguido pela torcida, reverteu a situação, apostou em uma equipe com características ofensivas (Voronin e Pantelic formam a dupla de atacantes, apoiados por Raffael e Nicu) e apesar de a equipe não marcar muitos gols, mostra, ao menos, muita disposição em campo.

O título é um objetivo distante já que o elenco ainda não tem um diferencial e ainda carece de um goleador. Mas superar a décima posição da temporada passada (a equipe se classificou para a disputa da Copa Uefa pela regra do Fair Play) e uma vaga em alguma competição européia é uma conquista muito concreta.

Rutten protegido

A derrota por 2 a 1 para o Bayer Leverkusen, diante de um grande público, foi a gota d´água para que o manager do Schalke, Andreas Muller, rompesse o silêncio e resolvesse dar algumas explicações para o péssimo momento vivido pelo time.

Para Andreas, a razão para uma campanha tão irregular está na “falta de vontade” demonstrada por boa parte dos atletas em várias partidas. “Eu assisto aos jogos e só vejo dois ou três jogadores realmente em campo. Falta paixão e mentalidade vencedora”.

O dirigente também falou sobre a situação de alguns atletas. Para ele, Bordon, que durante muito tempo foi líder da equipe, já não apresenta o mesmo empenho. Kevin Kuranyi, só perdeu a oportunidade de abrir o placar no último sábado por irresponsabilidade e se continuar assim, deve entrar na lista de jogadores que serão negociados em breve. Rafinha parece estar próximo de um acerto com o Bayern e a diretoria não fará muito esforço para evitar que o negócio se concretize.

Durante a entrevista, Andreas só poupou o técnico Fred Rutten das críticas.“Ele é o melhor para o Schalke, mas está abandonado. O que acontece em campo é culpa apenas dos jogadores”.

Em meio à sua irritação, o dirigente também assumiu sua própria culpa e prometeu avaliar também a política de contratações do clube: “Farfán é um aproveitador e Engelaar é apenas mediano”. Críticas que vêm no momento certo, com argumentos provados em campo, e na tabela.

A (dura) missão de Neururer

Peter Neururer substituirá o já demitido Rudi Bommer e foi anunciado como novo técnico do Duisburg. O contrato válido até o final da temporada pode ser prorrogado caso o time consiga uma vaga na disputa da Bundesliga 2009/10.

O acesso é o objetivo assumido pelo novo técnico, mas a situação das “zebras” não é lámuito empolgante. O time ocupa a 11 posição, com 16 pontos.

Quem manda

O amistoso contra a Inglaterra, nesta quarta-feira, não será a tão esperada oportunidade para mostrar que as rusgas entre Joachim Low, Michael Ballack e Torsten Frings estão solucionadas, já que Frings não foi sequer convocado e Ballack ainda está sem ritmo. Em contrapartida, o treinador reafirmou que é ele quem toma as decisões e que não dará uma segunda chance a Kevin Kuranyi, que abandonou o time durante o intervalo da partida entre Alemanha e Rússia, enquanto estiver no comando da seleção.

A grande novidade para um amistoso que não serve como um verdadeiro teste foi a convocação o goleiro Tim Wiese, do Werder Bremen, os defensores Marvin Compper, Hoffenheim, e Marcel Schäfer, Wolfsburg e o meio-campista Tobias Weis também do Hoffenheim. Sinal de que o trabalho de Rangnick já deu seus primeiros resultados.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo