Africa

Mais uma polêmica para Eto’o: agora discussão acalorada com novo técnico de Camaraões

Presidente da Federação Camaronesa de Futebol não foi responsável por nomeação do treinador Marc Brys

Presidente da Federação Camaronesa de Futebol (FECAFOOT), o ex-jogador e ídolo camaronês Samuel Eto’o tem mandato marcado por polêmicas e surgiu mais uma nesta terça-feira (28).

Após o Ministério do Esporte de Camarões indicar o técnico belga Marc Brys para comandar a Seleção Camaronesa no início do último mês, o ex-atacante do Barcelona o convocou para uma reunião e tudo deu errado.

O clima era tenso, e chegou quase ao ápice com uma discussão acalorada entre Eto’o e um membro do Ministério e depois com o próprio treinador, conforme vídeo divulgado nas redes sociais.

‘Não decide nada’: irritado com intervenção do governo, Eto’o discute com técnico

Obviamente, o presidente da Fecafoot não ficou nada feliz com a intervenção do Ministério do Esporte nomeando um novo técnico, feita após a eliminação na Copa Africana de Nações e sem o OK de Samuel.

Por isso, quando viu que Cyrille Tollo, enviado especial do ministro do esporte, Narcisse Mouelle Kombi, compareceu à reunião de hoje, começou a treta.

Eto’o nem deixou o representante entrar na sala e pediu respeito a Tollo.

– Respeite-nos! Aqui você não tem a palavra. Quando venho para o ministério eu respeito você, aqui sou o único chefe! Esta é a última vez, Sr. Tollo! Chame a segurança. Você está expulso! – gritou Samuel, quase indo as vias de fato.

Na sequência, após Tollo se retirar, Brys tenta conversar com Eto’o e põe a mão no ombro do camaronês, o suficiente para iniciar nova discussão.

Eto’o: Não me toque assim, treinador!

Brys: Por que você está falando assim?

Eto’o : Eu sou o presidente, Sr. treinador.

Brys: Sou o treinador

Eto’o: Você é treinador porque eu te nomeei, não foi outra pessoa que te nomeou. Você cometeu muitos erros. Por favor, permaneça nesta reunião porque se você não ficar…

Brys: Já sou técnico há dois meses. Onde você estava durante esse período? No final, eu é que decido o que vou fazer.

Eto’o: Eu sou o presidente da Federação. Não decide nada, não. O que o senhor fizer, eu é que assumo a responsabilidade. Não fale assim comigo. Pare com essa desordem. Em que país você pensa que está, Sr.? Posso fazer isso na Bélgica? Se você for embora não vai voltar!

O comandante belga não pensou duas vezes: saiu da sala. Por isso, o presidente convocou um comitê executivo para destituir Brys da função. Assista ao vídeo completo abaixo.

E agora, o que acontece com a seleção de Camarões?

Os Leões Indomáveis terão, em menos de duas semanas, dois jogos pelas Eliminatórias Africanas para a Copa do Mundo de 2026 e ainda não sabem quem será o técnico.

Brys foi tranquilizado ainda nesta terça pelo ministro Mouelle Kombi, segundo o jornal francês L’Equipe.

– Posso garantir que você é o técnico. Fique calmo, tudo voltará ao normal, não se preocupe. – teria confirmado o ministro.

No entanto, não há certeza, talvez sendo necessária até intervenção do presidente Paul Biya.

O Camarões recebe o Cabo Verde em 8 de junho. Três dias depois visita Angola.

Nesse momento, a seleção da Fecafoot lidera o grupo D com quatro pontos, empatada com os cabo-verdianos e a Líbia.

A chegada de Eto’o na Fecafoot e a suposta interferência na seleção

No comando da federação desde dezembro de 2021, não dá para dizer que Eto’o tem um mandato calmo e tranquilo.

A polêmica iniciou logo cedo: com apenas nove meses na função, ganhou a extensão do mandato por sete anos ao invés de quatro como era previsto antes, ainda tendo direito a reeleição, o que pode deixá-lo no cargo até 2035.

Para a Copa do Mundo de 2022, o presidente foi acusado de influenciar na convocação de Rigobert Song, que mal conseguia pronunciar alguns nomes durante o anúncio de alguns dos chamados.

No mesmo Mundial, o goleiro Andre Onana foi afastado por supostas divergências com o técnico, mas, segundo o ex-vice-presidente da Fecafoot, Henri Njalla Quan, Eto’o seria o responsável pelo afastamento do jogador.

— Perguntei [a Eto’o] formalmente sobre o futuro do nosso goleiro na seleção. Ele me respondeu que a carreira do garoto está acabada e que a carta que enviou ao seu clube, a Inter, era para se desfazer dele. Como alguém pode ser tão mesquinho? Queria se desfazer dele a todo custo — relatou à época ao jornal espanhol Marca.

Também na Copa de 2022, após a vitória do Brasil sobre a Coreia do Sul por 4 a 1, Samuel agrediu um youtuber ao ser questionado sobre o árbitro Bakary Gassama, que apitou a classificação de Camarões para o Mundial contra a Argélia.

Acusação de manipulação de resultado

No ano passado, mais problemas, agora envolvendo manipulação de resultado e suposto favorecimento ao time Victoria United, presidido pelo amigo do ex-atacante Valentine Gwain.

O site camaronês Camfoot divulgou uma conversa interceptada entre os dois, que contava com as reclamações do presidente do clube então na segunda divisão contra um árbitro.

— Eu te disse e conversamos pela última vez no Catar. Há coisas que podemos fazer, mas temos de ser muito discretos, irmão. (…) Damos a você seus três pontos e suspendemos o árbitro, mas deixe-me pelo menos voltar para Camarões. Nos vemos no escritório no dia 4, mas, de qualquer forma, vou expulsar este árbitro. — disse o presidente da Fecafoot.

– O Opopo (apelido do Victoria United) tem que subir para primeira divisão. Esse é nosso objetivo — conltuiu Eto’o.

No fim, o Victoria United realmente foi campeão da segunda divisão camaronesa em abril de 2023.

Novas polêmicas e pedido de renúncia

Em fevereiro, uma reportagem do The Athletic revelou mensagens de WhatsApp, e-mails e gravações de áudio que indicam acusações de abuso de poder, ameaças físicas, incitação à violência, divulgação de notícias falsas e manipulação de resultados por parte de Eto’o.

A Confederação Africana de Futebol (CAF) já estaria investigando essa acusação, segundo a agência AP, além do documento com as evidências ter sido enviado ao comitê de ética da Fifa.

Nessa pressão, Samuel apresentou um pedido de renúncia ao cargo, mas o comitê executivo da Fecafoot negou.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo