ÁfricaEstados UnidosMLS

Estrelas da MLS abrem escola em Serra Leoa para dar às crianças a chance que nunca tiveram

Michael Lahoud e Kei Kamara nasceram no mesmo país e tiveram trajetórias parecidas. Quando jovens, foram enviados para os Estados Unidos pelos seus pais e avôs, em busca de uma vida melhor, longe da guerra desenfreada que afetava Serra Leoa. Ambos se tornaram jogadores de futebol profissional, disputam a Major League Soccer e, juntos, financiam escolas no seu país de origem para dar às crianças a chance de prosperar que eles precisaram cruzar um oceano para ter.

LEIA MAIS: No dia da decisão da Champions Africana, viaje por um mapa com todos os finalistas da história

Lahoud, do Phildelphia Union, e Kamara, do Columbus Crew, foram unidos por Cindy Nofziger, voluntária do Corpo da Paz, em Serra Leoa, nos anos oitenta, e chefe da fundação Escolas para Salone, que em 10 anos construiu 19 escolas, duas livrarias e treina professores em regiões do país destruídas pela guerra civil que acabou em 2002.

Nofziger deu a Lahoud um livro chamado “A Long Way Gone”, escrito por Ishmael Beah, também natural de Serra Leoa, em que o autor conta como era a vida de uma criança transformada em soldado pelos milicianos, e isso foi suficiente para o jogador se engajar nessa luta. Kamara juntou-se a ele e ambos fundaram a Kei Kamara-Michael Lahoud Education for All School, em Allentown, um distrito de Freetown, capital do país.

Nofziger explica ao Guardian que, durante a guerra, muitas escolas fecharam por medo de serem pegas no fogo cruzado. Durante uma década, as pessoas mais bem educadas e com meios de se sustentar fugiram do país. Qualquer um que domine matemática básica e alguma leitura torna-se professor, principalmente em regiões que ainda vivem de agricultura de subsistência, com renda diária inferior a US$ 1.

VEJA TAMBÉM: A história do refugiado de guerra que mudou sua vida (e muda outras) através do futebol

“Cindy nos explicou o que estava fazendo e não pudemos dizer não”, afirmou Kamara. “Era uma ideia muito boa pensar que eu iria para essas vilas, derrubar escolas que só tinham teto ou de madeira e construir outras, tijolo por tijolo. Dar a essas crianças uma chance melhor, um ambiente melhor. Quando eu cresci, eu gostaria de ter tido essas oportunidades, de ir para a escola e fazer coisas maravilhosas”.

Agora, as crianças da Serra Leoa tem pelo menos mais uma escola para realizar os seus sonhos e descobrir o mundo. A escola de Kamara e Lahoud foi inaugurada no começo de setembro e, considerando o entusiasmo dos dois, pode ser apenas a primeira de muitas.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo