África

Em Camarões, quem convoca os craques é o presidente

Durou pouco a aposentadoria de Samuel Eto’o da seleção camaronesa. O atacante do Chelsea, que abandonou o time nacional no começo de setembro por desavenças com o técnico Volker Fink, foi incluído na delegação que enfrenta a Tunísia, em 11 de outubro, no primeiro jogo da fase final das Eliminatórias Africanas. Os méritos de levar o jogador de volta ao time nacional é do presidente Paul Biya.

“O desejo do número 1 do país é que eu regresse à seleção para a equipe dar tudo de si e chegar ao Mundial de 2014”, disse, de acordo com o jornal português Record.

Biya tem experiência no assunto. Roger Milla, ídolo de Eto’o e considerado o melhor jogador africano da história, também estava aposentado da seleção, após a conquista da Copa Africana de Nações de 1988, mas Biya o convenceu a defender o time de Valeri Nepomniachi no Mundial da Itália, em 1990. Milla chegou a dizer à imprensa camaronesa que houve até um decreto presidencial envolvido na história.

Na época, Biya, presidente desde 1982, estava enfrentando muita oposição em Camarões e precisava de uma boa campanha da seleção para ofuscar os problemas do país. O plano foi um sucesso. Milla fez quatro gols e levou o time até às quartas de final, na época a melhor campanha da história de uma seleção africana – Senegal, em 2002, e Gana, em 2010, a igualaram. O ex-atacante gostou tanto da brincadeira que também defendeu as cores da nação na Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos.

Mais que ajudar o presidente na política, a missão de Eto’o é apagar uma imagem ruim que deixou nas três vezes (1998, 2002 e 2010) que disputou o Mundial e não conseguiu levar o time além da fase de grupos. Para isso, precisa passar pela Tunísia, superar as desavenças com o técnico, a federação camaronesa – chegou a ser suspenso por 15 jogos por liderar uma greve em 2011 – e reconquistar o respeito do grupo, desconfiado de um craque que não decide se pula do barco ou se compromete com ele.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Bloqueador detectado

A Trivela é um site independente e que precisa das receitas dos anúncios. Considere nos apoiar em https://apoia.se/trivela para ser um dos financiadores e considere desligar o seu bloqueador. Agradecemos a compreensão.