ÁfricaCopa Africana de Nações

Com uma pintura de falta, Moukandjo mostrou que agora é o cara da seleção de Camarões

Ao contrário de outros tempos, a seleção camaronesa que disputa a Copa Africana de Nações não conta com astros em grandes equipes da Europa. Em um elenco no qual 13 convocados possui menos de 10 partidas pelos Leões Indomáveis, não há mesmo veteranos, sem ninguém acima dos 30 anos. O nome mais tarimbado é o de Nicolas Nkoulou, que, na reserva do Lyon, também acabou perdendo espaço na seleção. Mas há talentos a se observar. Sobretudo, Benjamin Moukandjo. Dono da faixa de capitão, o atacante de 28 anos vive ótimo momento no Lorient. E brilhou na estreia dos camaroneses, no bom empate contra Burkina Faso por 1 a 1.

O jogo que fechou a primeira rodada no Grupo A serviu para quebrar estigmas. Um duelo movimentadíssimo, ao contrário do que costuma acontecer nas etapas iniciais da CAN. E com grandes atuações dos goleiros. Tanto Kouakou Koffi quanto Fabrice Ondoa fizeram grandes intervenções. O burquinense, principalmente. Mas, no fim das contas, a bola parada desequilibrou.

Moukandjo abriu o placar aos 35 minutos de jogo. Cobrança de falta perfeita do camisa 8, rodado no futebol francês, mas que vive o melhor momento da carreira desde que chegou ao Lorient, na temporada passada. Autor de 13 gols na última Ligue 1, anotou sete tentos em 15 partidas na atual edição do campeonato. Já o empate de Burkina saiu aos 30 do segundo tempo. Após defesa de Ondoa, na sequência do lance, Issoufou Dayo aproveitou o goleiro caído para estufar as redes.

Ao fim do dia, todos os times do Grupo A terminam empatados. Mais cedo, Gabão e Guiné-Bissau também se igualaram por 1 a 1, com gol dos lusófonos aos 45 do segundo tempo.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo