O Palmeiras x Flamengo deste domingo envolveu tudo aquilo que dá desgosto no futebol brasileiro. Politicagem, hipocrisia, disputa nos tribunais, jogo de interesses, negacionismo, desrespeito, irresponsabilidade e uma infinidade de problemas que renderiam uma longa lista – sobre os quais, por falta de estômago e paciência, não abordarei aqui, mas cuja caixa de comentários serve de espaço a quem quiser continuar as discussões infindáveis que tomaram os mais diferentes textos deste site nos últimos dias. Mas, neste esgoto ao redor da partida, surgiu ao menos uma daquelas histórias que fazem o futebol valer a pena.

Hugo Souza foi a grande figura do Flamengo no empate por 1 a 1 no Allianz Parque. O goleiro de 21 anos há tempos se destaca nas categorias de base do clube, a ponto de ser chamado até para treinar com a seleção principal. Sua estreia como profissional, porém, aconteceu apenas neste domingo, diante das ausências das três principais opções na posição. O garoto teve uma atuação segura e protagonizou o principal lance da tarde, com uma defesa monumental diante de Luiz Adriano. O centroavante cabeceou como manda o manual, cruzado e em direção ao chão, mas Hugo se esticou para desviar a bola à queima-roupa. Merecidamente, Neneca (como o arqueiro é apelidado) recebeu o prêmio de melhor em campo.

E o mais tocante foi a entrevista concedida depois do jogo. Hugo Souza não atuava desde 2019, quando integrava o sub-20. Neste ínterim, o jovem perdeu seu pai, em março deste ano. O goleiro saiu de campo às lágrimas e dedicou a exibição à família, em especial ao saudoso Seu Jorge.

“Não jogo faz nove meses. A diferença da última para essa é que meu pai estava na arquibancada me assistindo e hoje não o tenho mais. Faz seis meses que perdi meu pai. Um cara que me deu tudo. Foi a primeira vez que entrei em campo sem meu pai. Ele não está aqui fisicamente, não viu de casa, mas está lá em cima melhor que a gente. Sempre entrei em campo pensando na minha família. Tenho minha mãe, minha irmã, meus irmãos por parte de pai. Essa vitória [prêmio de melhor em campo] vai para minha família”, declarou, à Rede Globo.

“Essa vitória não é só minha. Sempre entro em campo pensando nos meus irmãos, em dar um futuro melhor para eles, crescer na vida por eles. Tenho minha mãe, minha irmã, preciso cuidar delas. Isso aqui não é só meu, é tudo que tem em volta de mim. O trabalho do staff do Flamengo, que dá todo suporte para a gente jogar. Tenho 12 anos de clube, uma oportunidade dessa não podia deixar passar”, complementou. “O nome do meu pai é Jorge. Isso aqui é para ele, para a minha mãe, minha irmã, minha noiva, meus amigos, essa aqui é a resposta para eles. A resposta tem de ser sempre dentro de campo”.

Apesar de tudo, Hugo Souza deu um pouco de humanidade à ocasião. É a grande história que merece ser contada e aplaudida.