O retorno de Santi Cazorla ao Villarreal era tratado com cautela. Diante dos sérios problemas físicos enfrentados pelo veterano ao longo dos últimos anos, ninguém queria acelerar o processo. O meio-campista voltaria para participar da pré-temporada e, se estivesse em boas condições, assinaria com o clube no qual eclodiu ao futebol. Entretanto, diante das provas corriqueiras de carinho entre as duas partes, logo ficou claro que a contratação seria questão de tempo. Nesta quinta, para celebrar a oficialização do “mágico”, o Submarino Amarillo organizou um show no Estádio de la Cerámica.

Durante os últimos dias, o Villarreal organizou um evento chamado “Vuelve la Magia”, garantindo a presença de um ilusionista e uma surpresa ao final. O mágico Yunke realizou os seus números no gramado até que, depois de meia hora, surgiu a novidade. Em um tubo aparentemente vazio, Cazorla surgiu e foi ovacionado pelos torcedores presentes nas arquibancadas. Uma revelação atípica, mas digna daquilo que o ídolo representa à instituição. Depois, o craque distribuiu autógrafos entre os 4,5 mil presentes, a maioria crianças.

“Hoje é um dia muito especial para mim, porque volto àquela que considero minha casa. Sou eternamente agradecido ao Villarreal, por me dar um apoio incondicional durante estes anos e abrir sempre as portas. É um clube exemplar e que faz as coisas bem, apesar das dificuldades. No dia em que saí, sabia que voltaria”, apontou Cazorla, em sua apresentação. “Sempre disse que não era uma opção me render. Ainda tenho dores que me impedem de estar 100%, mas trabalho diariamente para acabar com elas. A cada dia tenho sensações melhores, mas sou muito exigente e quero seguir melhorando. Agora vou dar tudo por esta camisa e por este clube”. Trazido sem custos após encerrar seu contrato com o Arsenal, o meia assinou até o final da temporada.