O Grande Prêmio da Itália teve um resultado surpreendente com Pierre Gasly, da AlphaTauri, como grande vencedor. Calma, você não está no Grande Prêmio, que fala sobre automobilismo e escreveu sobre a corrida (leia o GP, que é muito bom sempre). Falamos sobre Gasly porque o piloto francês, que conseguiu este feito, é um grande apaixonado por futebol. Torcedor fanático do PSG, tem como jogador favorito Kylian Mbappé e fala muito sobre futebol com Carlos Sainz, atualmente na McLaren, em 2021 na Ferrari, e Max Verstappen, da Red Bull Racing. Confira alguns trechos da entrevista, dada em 2018 ao site da Ligue 1.

Torcedor do PSG

“Eu sempre fui um grande torcedor do PSG. Quando eu era pequeno, jogava em um clube com a camisa com o nome de Pauleta nas costas. Mesmo que eu seja de Rouen [no norte da França], eu sou um torcedor do PSG desde que tinha cinco anos”, disse Gasly.

“Eu tenho quatro irmãos mais velhos, dois deles são torcedores do PSG e eu assistia as partidas com eles. Além do mais, antes da final da final da Liga Europa entre Olympique de Marseille e Atlético de Madrid, eu fui convidado de um programa do Canal+ e me pediram para dizer ‘Vai, Marseille’. Mesmo que seja bom ver um time francês em uma final europeia, é o rival, era necessariamente muito complicado para mim e eu não fiz isso (risos)”.

Vida de jogador x vida de piloto

“Eu joguei em um clube entre cinco e 11 anos, era ponta direita. Praticar um esporte coletivo ao mesmo tempo que corria de kart me fez muito bem, seja fisicamente, seja para me dar um estado de espírito diferente. Eu era titular mas, um dia, eu estava no time B porque eu perdi treinos por causa do kart e isso me deu um clique. Como sou um competidor, eu não podia continuar jogando no mais alto nível e eu tive que escolher entre os dois esportes… Mas eu continuo a jogar futebol com meus amigos hoje porque é um esporte que eu amo”.

Vida de torcedor

Pierre Gaslay, em 2018, com a camisa da seleção francesa (Ligue 1/divulgação)

“Eu tento assisto o máximo de partidas possíveis na TV. Assim que eu volto para a França, entre os grandes prêmios, eu tento ir ao Parque dos Príncipes. É uma oportunidade de ver os jogadores que eu conheço bem, como Kylian Mbappé. Diariamente, eu acompanho as notícias nas redes sociais e eu tento assistir aos grandes jogos. Na Copa do Mundo, estou sempre torcendo pelos Bleus, não perco um jogo”.

Lembranças marcantes do futebol

“O que realmente me marcou foi a contratação de Neymar pelo PSG. Ele é um jogador que eu já gostava muito antes da sua chegada porque ele é um verdadeiro showman, com uma grande técnica. Com a bola nos pés, ele é incrível”, contou o piloto.

“O que mais me marcou desde que eu passei a me interessar por futebol é uma memória ruim: a derrota dos Bleus para a Itália na final da Copa do Mundo 2006. Foi uma noite muito difícil. Eu sou um grande fã de Zidane e dos outros. A mesma coisa com a final da Eurocopa 2016 contra Portugal. Seria incrível ganhar o título em casa, mas foi apenas um adiamento”.

Pierre Gasly durante o GP da Itália, em Monza (Foto: AlphaTauri/Divulgação)

Jogador preferido

“Como torcedor do PSG, eu realmente gosto de Kylian Mbappé, que é alguém da minha geração. Ele é realmente impressionante. Ele é jovem, bate todos os recordes… E pela seleção francesa, ele usa o número 10, como eu na Fórmula 1”, contou o piloto da AlphaTauri.

“É um número que tem um significado especial para mim porque eu joguei futebol com a 10, era a camisa de Zidane, mas também o número que eu venci o Campeonato Europeu de Fórmula Renault, que me permitiu ir para a academia de pilotos da Red Bull. Voltando aos meus jogadores favoritos, eu diria ainda Pogba e Griezmann. Mbappé é o que mais gosto dos três”.

Pontapé inicial em França x Itália antes da Copa 2018

“Foi Christian Estrosi, prefeito de Nice, que me convidou a dar o pontapé inicial daquele amistoso. Ele trabalhou muito para levar o Grande Prêmio da França para o calendário da Fórmula 1 e fez essa proposta para mim porque ele sabia que eu sou um grande torcedor de futebol e o Grande Prêmio iria acontecer um pouco depois”.

“Havia outra ligação: eu sou francês e dirijo para a Toro Rosso [antigo nome da atual Alpha Tauri], uma equipe italiana. Foi a primeira vez que eu tive oportunidade e foi realmente ótimo, especialmente porque as arquibancadas da Allianz Riviera estavam lotadas”.

Pierre Gasly, da AlphaTauri, comemora no pódio sua vitória no GP da Itália, em Monza (MIGUEL MEDINA/POOL/AFP via Getty Images/Onefootball)

Futebol no paddock da F1

“[Falo com] Carlos Sainz, nós recentemente falamos sobre Zinedine Zidane e o Real Madrid, na final da Champions League. O mesmo nas oitavas de final com o jogo entre PSG e Real Madrid [temporada 2017/18]. Eu também m falo com Max Verstappen, com quem eu regularmente jogo Fifa no videogame. Os pilotos franceses são um pouco menos torcedores”, contou Gasly.

“Todo ano há uma partida organizada com os pilotos da Fórmula 1 antes do Grande Prêmio de Mônaco. No ano passado [2017], eu não pude participar porque eu estava correndo no Japão naquela época, mas eu joguei dois dos três últimos. Em 2016, nós jogamos no Stade Louis II [do Monaco] e eu consegui fazer uma assistência. Fernando Alonso fez um gol em cobrança de falta! Também tem Carlos Sainz, Felipe Massa e Nico Rosberg que foram bem. O ex-piloto de moto Max Biaggi também esteve em campo, assim como o príncipe Albert e William Gallas”.