Os planos de voltar a ter público em eventos esportivos no Reino Unido a partir de outubro caiu por terra. Nesta terça-feira, o Primeiro Ministro do país, Boris Johnson, afirmou que os planos foram cancelados. Segundo a BBC, os torcedores não devem voltar aos eventos esportivos ao menos até março.

Em uma reunião na terça-feira com órgãos esportivos governamentais, que incluiu representantes do futebol, rúgbi, críquete, Fórmula 1 e corrida de cavalos, foi dito a eles que se preparem para continuar sem público por todo o período de inverno de hemisfério norte, que vai até março. Segundo os dirigentes do Departamento de Cultura, Mídia e Esportes disseram à BBC que a proibição à presença de torcedores será mantida sob revisão.

Desde o começo de setembro, o plano de voltar ra ter público em outubro passou a estar em revisão com o aumento dos casos de coronavírus no país. O alerta da Covid-19 no Reino Unido subiu para o nível 4, o que significa que a transmissão está “alta ou crescendo exponencialmente”. Por isso, as restrições no Reino Unido devem continuar pelos próximos seis meses.

“Nós sabemos que o espalhamento do vírus está afetando a nossa habilidade de reabrir grandes eventos esportivos”, disse o Primeiro Ministro na terça. “Nós não seremos capazes de fazer isso [voltar a ter público] e eu reconheço as implicações para nossos clubes esportivos, que é a vida e alma das nossas comunidades”, continuou. “O chanceler e a secretária de cultura está trabalhando urgentemente sobre o que fazer para apoiá-los”.

A ideia era ter cerca de mil torcedores por evento. Desde março, todos os eventos esportivos no Reino Unido estão sendo disputados sem público. Mesmo depois de outros países já terem fechado os estádios, como no caso da França quando o PSG recebeu o Borussia Dortmund pelo jogo de volta da Champions League, o Liverpool recebeu o Atlético de Madrid com estádio lotado, inclusive com torcedores espanhóis.

Entidades esportivas pedem ajuda ao governo federal pelo impacto causado pela pandemia e a ausência de público, que é crucial em algumas modalidades. Há uma estimativa que os clubes da English Football League, que dirige da segunda à quarta divisão, já perderam £50 milhões e podem perder até £200 milhões se ficarem sem público até o fim da temporada.

Enquanto outros países, como o Brasil, parecem forçar a volta de público aos estádios, o Reino Unido parece ter mais precaução com isso para evitar que a situação de saúde volte a níveis críticos.