A volta do Brescia à Serie A será interessante de acompanhar não só pela tradição que o time carrega consigo, tendo tido no passado atletas como Roberto Baggio, Gheorghe Hagi e Pep Guardiola. No elenco do time recém-promovido, um talento desponta. Com apenas 19 anos e atuando na segunda divisão italiana, Sandro Tonali já atraiu interesse de clubes maiores e comparações a um outro nome que despontou no clube da Lombardia: Andrea Pirlo. Mas o jovem já está cansado disso.

Em entrevista à Gazzetta dello Sport, Tonali revelou não gostar das comparações com o ex-jogador. Volante com boa qualidade no passe, o garoto tem sido há algum tempo chamado de novo Pirlo principalmente por duas questões: a camisa que veste e o corte de cabelo. Mas ele tem uma solução em mente para isso: “Acho que as pessoas nos comparam por causa do cabelo, então talvez eu tenha que cortá-lo”.

O jogador revela ter sido reprovado pelo Milan quando criança, relembrando um teste que realizou aos 8 anos de idade, quando ainda jogava como centroavante. Pode atuar avançado, como Pirlo em seu começo de carreira, mas prefere a posição à frente da linha de defesa, onde pode se movimentar de forma que mais favorece seu jogo. Mas não o compare com Pirlo.

“O Andrea (Pirlo) é inalcançável. Como o Gerrard, o mais dinâmico, ou Luka Modric, único em seu estilo. Mas acho que, se devo ser comparado com alguém, provavelmente é com o Gennaro Gattuso”, avaliou o garoto, em um elogio um tanto engraçado e de via dupla ao ex-jogador e ex-treinador do Milan.

Tonali já teve especulações o ligando a Juventus, Milan e Inter de Milão na Itália, além do Liverpool. Ele não descarta uma experiência fora de casa, mas diz gostar do estilo de jogo praticado na Itália e projeta como deverá ser a experiência no mais alto escalão do país: “Tenho certeza que roubar a bola será muito mais difícil na Serie A, com as linhas de jogo diferentes e os movimentos mais velozes”.

Roberto Boscaglia, antigo treinador de Tonali no Brescia, o descreveu como um garoto “com o cérebro de um homem de 50 anos”, enquanto Davide Gatti, que o treinou em seu primeiro clube de categoria de base, o Lombardia Uno, diz que o jogador, já aos oito anos, era “maduro, altruísta e jogava pelo time”. Tonali vê exagero nos elogios, mas diz que talvez digam isso porque joga “com tranquilidade, sem deixar minha idade transparecer”.

Por fim, Tonali recorda uma anedota engraçada da infância. Confirma as histórias ditas por aí sobre ter escrito à Santa Luzia, perguntando se seria jogador de futebol. “Ela não respondeu, mas dá para dizer que as coisas saíram melhores que o esperado.”