Huracán: El Globo voa alto

Há alguns dias, a decisão do Torneio Clausura do Campeonato Argentino colocou de volta nas manchetes um simpático time da capital argentina, ex-campeão nacional e que lutava para retornar a trilha das conquistas.

Claro, não falo do campeão Vélez Sarsfield, mas do Huracán, time que levou até a partida contra o já citado time a briga pelo título do Clausura, e mostrou que pode virar a nova sensação do futebol argentino.

Voa Balão

Segundo alguns relatos, a origem do clube teria sido em 1903, com um clube de nome bastante exótico:” Verde esperanza y no pierde” (ou também “Verde Esperanza y no se pierde”), e outros colocam 1907. Mas a fundação oficial só ocorreria em 1908, com José Laguna como seu primeiro presidente.

A origem do nome é relacionada ao balão (“globo” em espanhol, daí seu apelido “El Globo”) “Huracán”, pertencente a Jorge Newbery. Autor de uma voo entre o bairro de Belgrano e a cidade gaúcha de Bagé, o engenheiro elétrico acabou nomeado presidente honorário e seu balão passou para o distintivo do clube.

Sua estreia nos campeonatos amadores argentinos ocorreu em 1912, depois de anos construindo seu campo. Apenas dois anos depois, chegou à elite do futebol argentino, vencendo os títulos de 1921, 1922, 1925 e 1928. Em todos contou com os gols de Guillermo Stábile, o primeiro artilheiro da história das Copas do Mundo.

A era profissional, decretada em 1931, trouxe problemas ao time, que perdeu espaço entre os principais clubes. Sua grande alegria no começo desta época foi a compra da sede e do terreno que abriga seu estádio atual, nomeado com o nome do presidente do clube responsável pelo feito: Tomás Adolfo Ducó.

Nos anos 40, enfrentou vários problemas políticos, muito devido à oposição de Ducó com o governo argentino da época, mas mesmo assim, teve em campo um de seus grandes ídolos, Hermínio Masantonio.

Enfim, campeão metropolitano

O time ressurgiu nos anos 70, mostrando força no Campeonato Metropolitano, que reunia apenas clubes originários da região de Buenos Aires. O maior destaque foi o título de 1973, conquistado com uma equipe que reunia grandes astros da história, como Carlos Babington, Miguel Angel Brindisi, Alfio Basile, René Houseman e César Luís Menotti como técnico do Globo.

Naquela mesma década, conquistaria os vices metropolitanos de 1975 e 1976, mas logo cairia de produção, terminando com seu rebaixamento, em 1986, para a B Nacional, voltando quatro anos depois.

Apesar do vice do Clausura de 1994, a equipe seguiu com altos e baixos e acabou caindo novamente de divisão, voltando depois, mas devido aos problemas políticos e financeiros, caindo novamente, só retornando em 2007.

Dois anos depois, esteve muito perto de faturar o título do Clausura 2009, levando a disputa para a última rodada, em partida contra o adversário direto, o Vélez Sarsfield. Em partida conturbada, perdeu por 1 a 0 e viu o sonho do título acabar. A próxima temporada pode trazer melhores alegrias ao Globo, e é isso que eles esperam.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo