Portugal

Fernando Santos: “Não vai acontecer, mas se não formos ao Mundial, eu saio”

A seleção portuguesa de Santos perdeu a partida decisiva das eliminatórias contra a Sérvia e terá que disputar a repescagem

O técnico da seleção portuguesa, Fernando Santos, afirmou em entrevista à TVI que sairá por conta própria do cargo que ocupa desde 2014 caso a sua equipe não consiga se classificar para a Copa do Mundo do Catar. O time de Cristiano Ronaldo foi derrotado pela Sérvia na última rodada das Eliminatórias Europeias e terá que disputar a repescagem.

Embora seja uma das equipes mais fortes entre as 12 que jogarão a segunda fase do classificatório, o formato abre muito espaço para surpresa. Portugal precisa ganhar dois jogos únicos, como se fossem semifinal e final. Pelo menos, será cabeça de chave, o que lhe garante mando de campo na primeira rodada.

“Não falamos de uma saída e nem cheguei a ponderar, de maneira nenhuma. Quando me comprometi em 2014, disse que no dia em que deixar de cumprir um objetivo eu saio sozinho, nem precisamos falar. Ainda não falhei nenhum objetivo”, afirmou o técnico campeão da Euro 2016 e da edição inaugural da Liga das Nações, mas que não passou das oitavas de final no Mundial da Rússia e na Euro 2020.

“Definimos sempre objetivos e todos foram cumpridos. Três apuramentos, agora não passamos de forma direta. Mas quantas vezes Portugal foi ao playoff?”, questionou. “Não vai acontecer (ficar fora da Copa), mas se isso acontecer eu saio”.

Santos admitiu que tem havido muita oscilação na seleção portuguesa desde 2018, quando ele passou a utilizar uma formação 4-3-3. “Houve períodos mesmo baixos, mas também outros bons. Em 2019, esta equipe ganhou a Liga das Nações e venceu a Itália, que começou aquela série. No entanto, houve jogos razoáveis, dois deles a caminhar para o mau, nomeadamente contra a Irlanda (0 a 0 que antecedeu a derrota para a Sérvia). E dois maus, maus: contra a Alemanha (fase de grupos da Euro), o pior de todos, e este, com a Sérvia. Esperava que a equipe funcionasse, acredito no valor de quem está em campo, mas nunca jogaram em conjunto”, reconheceu.

“Não é dar desconto, mas a probabilidade de sair uma boa exibição era menor. A primeira parte contra a Sérvia foi muito ruim, só contra a Alemanha foi tão ruim. Por quê? Atitude, concentração, isso tiveram… o plano é que não funcionou. E aí a responsabilidade é minha se não consegui passar a mensagem, de pressionar e ter sentido ofensivo. Entramos muito bem, mas depois jogamos nos últimos 30 metros, não lembro de isso ter sido feito comigo”, completou.

Santos identifica que Portugal tem um problema claro contra equipes que atuam com três zagueiros. “Sempre que enfrentamos times com quatro (atrás) isso não se notou. Temos tido sempre dificuldades contra equipes com três defesas. Bélgica ou Suíça, por exemplo. Tem a ver com a forma como enquadramos os jogadores. Não ficamos confortáveis contra três zagueiros. Apesar do pouco tempo que vou ter, sinto que resolverei a questão. Vamos alterar e vamos colocar os jogadores de uma forma clara, para se sentirem confortáveis, independentemente do adversário”, encerrou.

Caso fique fora da Copa do Mundo, será a primeira ausência de Portugal desde 1998.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo