Portugal

É tarde demais: após problemas no vestiário, Benfica anuncia saída de Jorge Jesus por comum acordo

Novela envolvendo o treinador e um retorno ao Flamengo teve uma reviravolta inesperada 48 horas após acerto com Paulo Sousa

Desde o fim da temporada no Brasil, a torcida do Flamengo vem direcionando suas atenções ao Benfica para saber se Jorge Jesus continuaria ou não no cargo. Nesta terça-feira (29), a notícia tão esperada pelos rubro-negros finalmente saiu, mas com 48 horas de atraso. O treinador não está mais à frente do Benfica, e o Flamengo já acertou com Paulo Sousa para a temporada de 2022.

“Você não quis saber, desfez do meu amor, que pena. Que pena. Hoje é você quem está sofrendo, amor, hoje sou eu quem não te quer. O meu coração já tem um novo amor, você pode fazer o que quiser”. São poucos os momentos em que é possível encaixar uma letra do Raça Negra em um texto sobre futebol, então vamos aproveitar a ocasião. Aos fatos: o Fla fez o que podia para aguardar a decisão de Jesus, que demonstrava interesse em retornar ao Rio de Janeiro, mas não tomava uma posição. O tempo passou, é urgente para os rubro-negros traçar os objetivos e exigências para a temporada 2022. Assim sendo, o clube carioca optou por seguir outro caminho com Sousa, que por sinal irritou bastante a Federação Polonesa, por ter contrato vigente e abandonar a seleção em um momento importante, no qual se busca a vaga para a Copa do Mundo do Catar.

Capítulo com plot twist no final

O clima de Jesus no Benfica não era bom, mesmo com a inesperada e comemorada vaga para a fase de mata-mata na Liga dos Campeões, em um grupo que tinha Bayern de Munique e Barcelona como favoritos claros. Desafiando a lógica, os Encarnados bateram os catalães e saíram do grupo com a segunda vaga, muito mais pela crise no Barça do que por mérito dos portugueses. O histórico que JJ possui no clube lisboeta, pelo qual conquistou três títulos do Campeonato Português, cinco da Taça da Liga e um da Taça de Portugal, ainda era digno de elogios. Mas não se pode dizer que o casamento ia às mil maravilhas e com estabilidade nessa segunda passagem.

Em 2015, quando saiu do Benfica direto para o rival Sporting, Jorge se desgastou com grande parte da torcida. Quando retornou, em 2020, em outro momento, ainda havia um pé atrás por não considerá-lo a peça ideal para reconduzir a equipe a um papel de protagonismo. Logo de cara neste retorno, Jesus teve seu primeiro descontentamento: foi eliminado na fase preliminar da Liga dos Campeões pelo PAOK, então treinado por Abel Ferreira. Há quem diga que, até hoje, não fosse esse confronto, o Palmeiras não teria ido atrás de Abel. A pressão só aumentou para JJ dali em diante, e o fato de ter ficado sempre à sombra de Porto e Sporting (campeão da temporada 2020-21) não contou a seu favor. Nem mesmo na Taça de Portugal o título veio: o Braga triunfou sobre os Encarnados, fragilizando ainda mais a situação de Jorge internamente.

Todas as fichas da sua permanência foram apostadas em uma reação no segundo semestre do ano, com a chegada da temporada 2021-22. O futebol continuou abaixo da expectativa, mas sobreviver na Europa pesou para que Jesus se mantivesse no cargo. Em meio a um investimento sem precedentes na formação do elenco, os resultados não vieram. Enquanto isso, a relação de Jesus com os líderes no vestiário foi se deteriorando. Críticas de vários jogadores às decisões do técnico foram contaminando o ar desde o início da campanha.

Pizzi, o incendiário

Até que houve a gota d’água: o meia Pizzi manifestou publicamente sua insatisfação, alegando após a derrota por 3 a 0 contra o Porto (pela Taça de Portugal, no dia 23) que “todos deveriam estar focados, inclusive o treinador”. Irritado, o comandante afastou o jogador e ainda solicitou ao diretor Rui Costa que o vendesse. Isso revoltou o grupo. E não deu outra: os atletas se rebelaram e não apareceram para o treinamento marcado para esta terça-feira. Horas depois, a bomba-relógio estourou: o Benfica anunciou oficialmente que encerrou o vínculo com Jesus.

A novela ganha um contorno ainda mais dramático e ressentido quando relembramos o papel do Flamengo na trama. Sabia-se que Jesus queria o Fla, mas não podia ou não queria acertar seu retorno neste momento. No entanto, o anúncio de Paulo Sousa no último domingo acabou chateando o comandante do Benfica. E aqui não se pode criticar a diretoria flamenguista, uma vez que não havia previsão para o sim definitivo de JJ. A comitiva retornou ao Brasil com o nome de Sousa como o seu novo técnico. Contrariado, Jesus acabou forçado pelos seus próprios jogadores a sair do Benfica. Teria sido um desfecho ideal para todos, exceto que o motim benfiquista ocorreu dois dias depois da chegada de Paulo Sousa à Gávea.

Uma teia complexa

O contrato do Flamengo com Sousa está assinado. Dito isso, Jesus agora está na posição que a diretoria flamenguista queria. O problema é que a poltrona já foi ocupada e, mágoa de Jorge com os rubro-negros à parte, o cargo de treinador do Atlético Mineiro também ficou vago nesta manhã. Como todas essas peças vão se encaixar? Difícil dizer agora.

Não perca o próximo capítulo desta incrível novela que ainda promete dar muito pano pra manga em Portugal e no Brasil. Jorge Jesus ficará em silêncio após ser preterido por Paulo Sousa? O Galo vai apostar suas fichas em Jesus? O Benfica vai mirar em quem para assumir o cargo? A Seleção Polonesa deixará barato a traição de Sousa, às vésperas da repescagem para a Copa do Mundo? Pegue seu balde de pipoca e acompanhe este drama com a gente.

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é zagueiro ocasional, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo